Excreção em bactérias e protistas

A excreção é um processo fundamental para a sobrevivência de todos os seres vivos, incluindo bactérias e protistas. Neste contexto, a excreção em bactérias e protistas consiste na eliminação de substâncias tóxicas ou indesejadas do organismo, garantindo o equilíbrio interno e a manutenção da homeostase.

As bactérias realizam a excreção principalmente através da difusão passiva de substâncias indesejadas através de sua membrana celular, enquanto os protistas podem excretar substâncias através de vacúolos contráteis ou por difusão ativa. Ambos os grupos de micro-organismos têm mecanismos adaptativos para lidar com os resíduos metabólicos e manter a integridade de suas células.

Neste contexto, a excreção em bactérias e protistas desempenha um papel crucial na regulação do ambiente interno e na manutenção da saúde e sobrevivência desses organismos unicelulares.

Processo de excreção dos protistas: como ocorre a eliminação de resíduos no organismo.

O processo de excreção em protistas é fundamental para a manutenção da homeostase do organismo. Assim como em bactérias, a eliminação de resíduos nos protistas ocorre de maneira eficiente e essencial para a sobrevivência desses organismos.

Os protistas possuem estruturas especializadas, como vacúolos contráteis e complexos golgienses, que desempenham um papel crucial na excreção de resíduos metabólicos. Essas estruturas atuam na eliminação de substâncias tóxicas e desnecessárias para o organismo.

Os resíduos são transportados para os vacúolos contráteis por meio de processos de endocitose e exocitose. Uma vez armazenados nos vacúolos, os resíduos são expelidos para o meio externo através da contração dessas estruturas, permitindo a eliminação eficaz das substâncias indesejadas.

É importante ressaltar que a excreção nos protistas é um processo contínuo e essencial para a manutenção da saúde desses organismos. A capacidade de eliminar resíduos de forma eficiente contribui para o equilíbrio interno e a sobrevivência dos protistas em diferentes ambientes.

Em resumo, o processo de excreção nos protistas envolve a atuação de estruturas especializadas, como vacúolos contráteis e complexos golgienses, na eliminação de resíduos metabólicos. Essa eliminação é fundamental para a manutenção da homeostase e a sobrevivência desses organismos em seu ambiente.

Diferenças entre bactéria e protista: principais características que os distinguem.

As bactérias e os protistas são dois grupos de organismos microscópicos que apresentam diferenças significativas em suas características. Enquanto as bactérias são organismos unicelulares procariontes, os protistas podem ser unicelulares ou multicelulares e são eucariontes. Além disso, as bactérias são geralmente mais simples em sua estrutura celular, enquanto os protistas podem apresentar uma maior complexidade, com estruturas como cílios e flagelos.

Quanto à excreção, as bactérias e os protistas possuem mecanismos diferentes. As bactérias, por exemplo, podem excretar resíduos metabólicos através de processos como difusão simples ou ativa. Já os protistas, por serem eucariontes, possuem organelas especializadas, como os vacúolos contráteis, que auxiliam na excreção de resíduos celulares.

Outra diferença importante entre bactérias e protistas é a forma como se alimentam. Enquanto as bactérias podem ser autotróficas ou heterotróficas, os protistas são geralmente heterotróficos, podendo se alimentar por ingestão, absorção ou fotossíntese, dependendo do grupo a que pertencem.

Em resumo, as bactérias e os protistas apresentam diferenças marcantes em suas características estruturais e funcionais, o que os torna distintos dentro do reino microbiano. Compreender essas diferenças é essencial para o estudo da biologia e da diversidade dos seres vivos.

Semelhanças entre bactérias e protozoários: o que esses microorganismos têm em comum?

As bactérias e os protozoários são microorganismos amplamente estudados devido à sua importância para a saúde e para o ambiente. Apesar de pertencerem a grupos diferentes, esses seres apresentam algumas semelhanças em relação à sua fisiologia e funções biológicas, incluindo o processo de excreção.

Relacionado:  O que são animais insetívoros? 50 Exemplos

Em primeiro lugar, tanto as bactérias quanto os protozoários são capazes de excretar resíduos metabólicos que são prejudiciais para o seu funcionamento interno. Essa excreção é fundamental para manter o equilíbrio químico dentro das células e para evitar a acumulação de substâncias tóxicas.

Além disso, os dois tipos de microorganismos utilizam mecanismos semelhantes para realizar a excreção de resíduos. Em geral, as bactérias e os protozoários possuem estruturas especializadas, como os vacúolos contráteis e os poros de excreção, que permitem a eliminação eficiente de substâncias indesejadas.

Outra semelhança entre as bactérias e os protozoários é a capacidade de se adaptar a diferentes condições ambientais por meio da regulação da excreção. Esses microorganismos podem ajustar a taxa de excreção de acordo com a disponibilidade de nutrientes e com as condições do ambiente, garantindo a sobrevivência e a reprodução.

Portanto, apesar das diferenças em relação à estrutura e ao modo de vida, as bactérias e os protozoários compartilham características importantes no que diz respeito à excreção de resíduos metabólicos. Essas semelhanças evidenciam a complexidade e a diversidade dos processos biológicos que ocorrem em microorganismos aparentemente simples.

Diferenças entre vírus, bactérias e protozoários: o que você precisa saber.

Os vírus, bactérias e protozoários são organismos microscópicos que podem causar doenças em seres humanos e outros seres vivos. No entanto, existem diferenças importantes entre eles que são essenciais para entender como cada um deles se comporta e como podemos combatê-los.

Os vírus são os menores e mais simples dos três. Eles não são considerados seres vivos porque não possuem células completas. Em vez disso, são compostos por material genético envolto por uma cápsula proteica. Os vírus precisam de células hospedeiras para se reproduzirem e se espalharem.

As bactérias, por outro lado, são organismos unicelulares completos que possuem uma estrutura celular definida. Elas podem viver em uma ampla variedade de ambientes e desempenham papéis importantes na natureza. Algumas bactérias podem causar doenças, mas muitas são benéficas para os seres humanos, como as que estão presentes em nosso trato digestivo.

Os protozoários são organismos unicelulares mais complexos do que as bactérias. Eles possuem organelas internas e podem se mover de forma independente. Os protozoários são frequentemente encontrados em ambientes aquáticos e podem causar doenças como a malária e a doença de Chagas.

Excreção em bactérias e protistas

A excreção em bactérias e protozoários ocorre de maneiras diferentes devido às suas características biológicas distintas. Enquanto as bactérias excretam principalmente substâncias como ácido láctico e álcool, os protozoários excretam resíduos metabólicos através de estruturas especializadas, como vacúolos contráteis.

É importante compreender esses processos de excreção para desenvolver estratégias eficazes de combate a doenças causadas por esses microorganismos. Ao estudar as diferenças entre vírus, bactérias e protozoários, podemos aprimorar nossos métodos de prevenção e tratamento, garantindo a saúde e o bem-estar da população.

Excreção em bactérias e protistas

A excreção de bactérias e protistas é realizada por vários mecanismos celulares. Entre eles estão o transporte passivo, que consiste em osmose e difusão, e transporte ativo, como exocitose.

Da mesma forma, existe um tipo especial de transporte para excreção em protistas mediados por vacúolos contráteis presentes em seu citoplasma.Todos esses processos são de vital importância, uma vez que muitas das substâncias excretadas por esses organismos são usadas por outros seres vivos para sobreviver.

Excreção em bactérias e protistas 1

As bactérias têm vários mecanismos de excreção. Fonte: pixabay

A excreção é um processo natural em qualquer célula através do qual substâncias que não são benéficas e que às vezes podem ser tóxicas são liberadas no ambiente extracelular. Todos os seres vivos realizam o processo de excreção, mesmo os mais simples.

Excreção em bactérias

As bactérias são organismos que possuem um metabolismo muito ativo. Como resultado desse metabolismo, é gerado um grande número de substâncias e compostos químicos que não cumprem nenhuma função dentro da célula bacteriana. Por esse motivo, eles devem ser liberados fora da célula.

Vários processos são realizados dentro das células bacterianas, como a respiração, aeróbica e anaeróbica. No primeiro, são obtidos produtos de água e dióxido de carbono. Por outro lado, a respiração anaeróbica, conhecida como fermentação , gera dois produtos: ácido lático (fermentação láctica) e ácido acético (fermentação acética).

Da mesma forma, devido aos vários processos metabólicos normais que são realizados dentro da bateria, são obtidos os chamados metabólitos secundários, como exotoxinas, substâncias antibióticas e enzimas, entre outros.

Nas bactérias, a excreção dos produtos de seu metabolismo, bem como a liberação das toxinas que alguns produzem, ocorrem através de dois tipos de processos: transporte passivo, como a difusão (simples e facilitada), e através sistemas de secreção

Transporte passivo de bactérias

Os processos de difusão são considerados transporte passivo porque não requerem gasto de energia pela célula. Isso ocorre porque eles ocorrem a favor do gradiente de concentração. Gradiente de concentração significa diferenças na concentração entre dois compartimentos.

As bactérias realizam vários processos muito importantes, a partir dos quais os produtos liberados fora deles são obtidos. Como já mencionado, esses produtos são água, dióxido de carbono, ácido lático e ácido acético.

A água atravessa livremente a membrana celular através do processo de osmose. É importante lembrar que a membrana celular é semipermeável, permitindo a passagem livre de determinadas substâncias, com a água entre elas.

Por outro lado, o dióxido de carbono, o ácido lático e o ácido acético atravessam a membrana celular bacteriana para o exterior através da difusão. De acordo com esse processo, uma substância (exceto a água) atravessa a membrana celular de um local onde está muito concentrada para outra onde está pouco concentrada.

Consequentemente, os produtos de fermentação acima mencionados atravessam a membrana celular para serem expelidos das células bacterianas, uma vez que eles têm açúcares fermentados, como frutose, glicose e galactose.

Secreção de toxinas em bactérias

Várias espécies de bactérias produzem certas substâncias tóxicas conhecidas como exotoxinas. Estes são altamente patogênicos para outros seres vivos, como seres humanos, e mesmo em muitas ocasiões podem ser fatais.

Nas bactérias, existem um total de sete sistemas de secreção. Eles usam vários complexos de proteínas ancorados na membrana celular para transportar as moléculas de exotocina.

Embora existam sete sistemas de secreção, eles transportam as exotocinas seguindo apenas dois mecanismos ou vias:

  • Dependente de segundo: a secreção depende da sequência de sinal que está localizada na extremidade do terminal amino que possui a exotocina para secretar. Isso ocorre porque, graças a essa sequência, a exotoxina é reconhecida e, portanto, transportada através da membrana.
  • Segundo independente: neste sistema, a secreção não é condicionada por nenhuma sequência de sinal na extremidade do terminal amino. Simplesmente ocorre a translocação da proteína (exotoxina) a ser transportada.
Relacionado:  Flora e Fauna de Veracruz: Destaques

Da mesma forma, especialistas expressam que os mecanismos de secreção de bactérias gram-negativas são mais complexos que os de bactérias gram-positivas.

Isso ocorre porque nas bactérias gram-negativas, as toxinas secretadas devem passar através da membrana dupla que envolve esse tipo de bactéria para o espaço extracelular. Por outro lado, em bactérias gram-positivas, as exotoxinas devem passar apenas através de uma única membrana para serem liberadas no espaço extracelular.

Excreção em protistas

O reino protista abrange uma grande variedade de organismos que têm características muito semelhantes, mas ao mesmo tempo outros que os tornam totalmente diferentes um do outro. Em geral, algas e protozoários são encontrados no grupo de protistas.

Bem, os organismos acima mencionados excretam certas substâncias devido ao seu metabolismo celular. Entre essas substâncias podem ser mencionadas: água, oxigênio, dióxido de carbono, toxinas e alguns produtos nitrogenados, como amônia e uréia.

Excreção em bactérias e protistas 2

Os protozoários excretam por exocitose e difusão. Fonte: Respectivamente: Frank Fox, Sergey Karpov, CDC / Dr. Stan Erlandsen, Picturepest, Thierry Arnet, Dr. Tsukii Yuuji [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Nesse tipo de organismo, a excreção ocorre através de vários mecanismos, alguns de transporte passivo, como difusão, e outros de transporte ativo, como exocitose e uso de vacúolos.

Difusão em protistas

Nos protistas, o processo de difusão é semelhante ao que acontece no resto dos organismos. Através da difusão, substâncias como água e gases (oxigênio e dióxido de carbono) atravessam a membrana celular para o espaço extracelular.

É um processo que não requer nenhum gasto de energia da célula. Ocorre em favor da diferença de concentrações.

Exocitose em protistas

A exocitose é um processo que está incluído na modalidade de transporte ativo, pois envolve algum gasto de energia da célula.

Por esse processo, as substâncias a serem excretadas são envolvidas por uma vesícula no citoplasma da célula. Essa vesícula se move na direção da membrana celular, com a ajuda de algumas estruturas pertencentes ao citoesqueleto celular.

Uma vez que entra em contato com a membrana celular, ele se funde com ela e passa a liberar seu conteúdo para o exterior celular.

Este mecanismo é usado para liberar compostos que são o produto de seu metabolismo ou substâncias residuais, como algumas toxinas.

Excreção através de vacúolos

Muitos organismos protistas têm vacúolos contráteis para remover o excesso de água e, assim, manter as células estáveis.

Esses vacúolos são constituídos por tubos coletores, além de um reservatório central e um conduto que o conecta diretamente à membrana celular, formando um poro.

O excesso de água do citoplasma é redirecionado para os tubos coletores e de lá para o reservatório. Quando é preenchida, a água é impulsionada pelo tubo de saída para o poro da membrana para finalmente ser excretada da célula.

Referências

  1. Beckett, BS (1987). Biologia: Uma Introdução Moderna. Oxford University Press.
  2. Curtis, H., Barnes, S., Schneck, A. e Massarini, A. (2008). Biologia Editorial médico pan-americano. 7ª edição.
  3. Forbes BA, Sahm DF. e Weissfeld AS. editores (2002) Bailey e Scott. Microbiologia Diagnóstica. 11º. ed. St. Louis, Missouri. Mosby
  4. Oudega, B., Mooi, F. e De Graaf, F. (1984). Excreção de proteínas por bactérias gram-negativas: exportação de bacteriocinas e proteínas fimbriais por Escherichia coli. Antonie Van Leeuwenhoek. 50 (5-6). 569-584
  5. Varela, G. e Grotiuz, G. (2008) Fisiologia e metabolismo bacteriano. Assuntos de bacteriologia e virologia médica. Retirado de: hygienic.edu.uy

Deixe um comentário