Francisco L. Urquizo: biografia, estilo e obras

Francisco Luis Urquizo Benavides (1891-1969) foi um escritor, historiador e militar mexicano que teve uma ampla participação na Revolução Mexicana. Ele foi considerado um dos autores mais detalhados na narração do conflito cívico-militar em sua nação.

O trabalho de Urquizo foi baseado principalmente no desenvolvimento do romance revolucionário, um gênero literário de grande boom no território mexicano durante as primeiras décadas do século XX. As principais características de seu trabalho foram o uso de uma linguagem expressiva e agradável.

Francisco L. Urquizo: biografia, estilo e obras 1

Francisco L. Urquizo. Fonte: Enviado pelo usuário: Tatehuari em 17 de janeiro de 2007. [Domínio público], via Wikimedia Commons

Alguns dos títulos mais destacados desse escritor foram: Tropa Velha, Páginas da Revolução, eu era um soldado levita da cavalaria e o capitão Arnaud. Urquizo também trabalhou e colaborou em várias mídias impressas, incluindo: El Universal e El Nacional.

Biografia

Nascimento de Urquizo

Francisco Luis Urquizo nasceu em 21 de junho de 1891 na cidade de San Pedro de las Colonias, no estado de Coahuila. Os dados sobre seus pais e familiares são escassos, razão pela qual os estudiosos se concentraram mais em seu trabalho literário e carreira militar.

Estudos

Seus anos de ensino fundamental passaram entre a cidade que nasceu e Torreón. Então ele foi à capital do país para estudar no Liceu de Fornier e depois estudar comércio. Ele voltou para Coahuila e se dedicou ao trabalho de campo, até que decidiu se juntar às fileiras de Emiliano Madero.

Primeiros passos na milícia

Urquizo entrou no processo da Revolução Mexicana em 1911, quando tinha apenas vinte anos, tornando-se mais tarde a escolta presidencial de Francisco Madero. Mais tarde, em 1913, ele o defendeu após o golpe militar contra ele chamado “Década Trágica”.

Urquizo com Carranza

Após a morte de Madero, Urquizo se alistou no Exército Constitucionalista em 1914, sob as ordens de Venustiano Carranza, tanto para manter a ordem quanto para tirar Victoriano Huerta do poder. Naquela época, ele participou de várias batalhas, incluindo Candela.

Cargas militares

O notável desempenho de Francisco L. Urquizo nas diferentes batalhas e concursos durante a Revolução deu-lhe notoriedade. Foi assim que, em 1916, recebeu o posto de general de brigada, depois comandou o porto de Veracruz.

Francisco L. Urquizo: biografia, estilo e obras 2

Imagens da Revolução Mexicana. Fonte: Decena_trágica.JPG: OsunaDefensa.jpg: RamosCasasola / Carregado pelo usuário: Tatehuari em 29 de dezembro de 2006Insurrectos _ & _ their_women, _Mexico_ (LOC) .jpg: _Adobe_house_riddled_ (LOC) .jpg: Trabalho derivado da Biblioteca do Congresso: r @ ge [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons

Ele também foi nomeado chefe da Divisão de Poderes Supremos. Por outro lado, ele participou da criação da Academia do Estado Maior. Durante esses anos de serviço militar, Urquizo permaneceu em firme apoio às ações políticas de Carranza.

Preso e exilado

Em 1920, Urquizo lutou nos combates de Apizaco, Rinconada e Aljibes para impedir que caravanas do governo que iam a Veracruz fossem atacadas. Naquela época, ele atuou como oficial civil e militar. Após o assassinato de Venustiano Carranza, Urquizo foi preso.

Ele foi preso na prisão militar de Tlatelolco, juntamente com os generais Juan Barragán, Francisco Murguía e Francisco de Paula Mariel. Quando Urquizo foi libertado, ele decidiu ir para a Europa, onde viveu por cinco anos e conseguiu dedicar-se à escrita.

Retorno ao México

Francisco L. Urquizo retornou ao México em 1925, depois de um tempo ingressou no exército de seu país após o convite do então presidente da República Lázaro Cárdenas del Río. No início dos anos quarenta, o Presidente Manuel Ávila Camacho o elevou ao General de Divisão.

Primeira publicação e outros trabalhos

Em 1942, o exército começou a trabalhar como oficial do Ministério da Defesa, uma oportunidade que ele aproveitou para inovar e reorganizar o exército do México. Ele também se dedicou ao estabelecimento do Serviço Militar Nacional; Um ano depois, ele publicou seu segundo trabalho: Old Troop.

Foi também nos anos quarenta que ele foi responsável pela criação da Escola de Aulas, da Brigada Motomecanizada e do Corpo de Paraquedistas. Urquizo materializou o estabelecimento do Esquadrão 201, que participou da Segunda Guerra Mundial como uma unidade de combate aéreo.

Urquizo como Secretário Geral de Defesa

De 1º de setembro de 1945 a 30 de novembro de 1946, trabalhou diligentemente como Secretário Geral de Defesa durante a presidência de Manuel Ávila Camacho. Urquizo reconheceu e respeitou o exército mexicano.

Últimos anos e morte

Ao longo de sua vida, Francisco L. Urquizo provou ser um homem honrado e leal a serviço de seu país. Foi assim que ele recebeu vários prêmios internacionais. Ele também se concentrou em escrever com a intenção de contar e dar testemunho dos eventos da Revolução Mexicana.

Francisco L. Urquizo: biografia, estilo e obras 3

Túmulo de Francisco L. Urquizo. Fonte: Thelmadatter [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons

Alguns dos últimos trabalhos que ele escreveu foram: A cidadela foi deixada para trás e eu fui um soldado levita da cavalaria. Urquizo morreu na Cidade do México em 6 de abril de 1969 aos setenta e sete anos de idade; desde 6 de agosto de 1994, seus restos mortais repousam na rotunda de pessoas ilustres.

Agradecimentos

– Legião de Honra do México, 1951-1953.

– Membro da Sociedade Mexicana de Geografia e Estatística.

– Medalha Belisario Domínguez, em 1967.

– Mérito opcional de primeira classe.

– Mérito técnico militar.

– Mérito aeronáutico de primeira classe.

– Unificação dos veteranos da revolução.

– Cruz de Primeira Classe.

– Ordem de Damián Carmona.

– Legião de Mérito como comandante dos Estados Unidos.

– Cavaleiro da Ordem Polônia Restituta.

– Ordem de Mérito Militar de Primeira Classe, Distintivo Branco de Cuba.

– Cruz de Boyacá, Colômbia.

– Cruz de perseverança no mérito militar de primeira classe, Guatemala.

Estilo

O trabalho de Francisco L. Urquizo foi caracterizado principalmente por pertencer ao movimento revolucionário dos romances. O escritor usava linguagem clara e precisa, também imprimia expressividade e atratividade para talvez minimizar os episódios difíceis da Revolução Mexicana.

Em alguns de seus romances, o autor incorporou suas próprias experiências que deram a seus escritos características autobiográficas. Sua narrativa foi enriquecida com descrições originais e ao mesmo tempo cheia de força sobre as diferentes batalhas armadas que ocorreram em seu país na primeira década do século XX.

Trabalhos

– Memórias de campanha (edição póstuma, 1971) .

– Coisas da Argentina (1923).

– Old Troop (1943) .

– Histórias e lendas (1945).

– Viva Madero! (1954).

– Páginas da Revolução.

– Cidadela foi deixada para trás (1965) .

Eu era um soldado levita da cavalaria (1967) .

– México-Tlaxcalantongo.

– Morelos, gênio militar da independência.

– Europa Central em 1922.

– Para um jovem militar mexicano.

– Madri dos anos 20 (1961) .

– Lembro-me …: visões isoladas da Revolução.

Três de Diana.

– conversas na mesa.

Capitão Arnaud.

– O incognoscível.

Breve descrição de algumas de suas obras

Tropa Velha (1943)

Foi uma das principais obras deste escritor mexicano. Nele, ele narrou o modo de vida dos soldados durante os eventos da Revolução Mexicana. Urquizo tomou Espiridión Sifuentes como narrador principal, que teve que ir ao exército para uma disputa.

O autor foi excluído e deixou de lado os grandes heróis para se concentrar na descrição das experiências no quartel. Ele desenvolveu, por exemplo, o abuso de poder por parte dos superiores, o trabalho realizado pelas mulheres e como a infância se envolveu nas ações da milícia.

Estrutura

O escritor dividiu o romance em duas partes. Na primeira parte, o único protagonista, Espiridión, narrou seus feitos para sobreviver; enquanto na segunda parte entrou o processo político que incluiu a saída de Porfirio Díaz e a chegada de Francisco Madero ao poder.

Fragmento

«Sim, parceiro; Você já é um soldado, deixou de ser um recruta, assim como antes também deixou de ser livre. Eles rasgaram você como eu, liberdade; sua boca estava fechada, seus cérebros foram arrancados e agora seu coração também estava manchado.

Você ficou atordoado por golpes já cunhados; eles castraram você e você está pronto, você já é um soldado. Agora você pode matar pessoas e defender tiranos. Você já é um instrumento de homicídio, você já é outro ».

A cidadela foi deixada para trás (1965)

Neste romance, Urquizo contou o que aconteceu na histórica “Década Trágica”, um golpe militar contra Francisco Madero no qual ele participou da defesa do presidente presidencial. O escritor era responsável por contar os fatos com inteligência, sutileza e manter uma posição neutra.

Mexico-Tlaxcalantongo

Neste trabalho, o escritor mexicano culminou no estágio em que desenvolveu os eventos que envolveram Francisco Madero e Venustiano Carranza. Até certo ponto, o romance está mais próximo de uma crônica por causa da maneira como foi narrado.

Fragmento de Viva Madero! (1954)

«Enquanto ele perde velocidade, enquanto bufa, o trem, Don Catarino diz ao Sr. Madero:

“Ei, Pancho, e o que eles vão fazer com Panchito agora que ele está aqui?”

“Bem, olhe Catarino”, responde Don Francisco Madero, pai, “acho que com a preparação que meu filho traz, ele dará um grande impulso às nossas fazendas, você não acha?”

“Certamente”, Don Catarino retorna. Não apenas para suas fazendas, mas para toda a região da lagoa. Você verá Pancho.

“Espero que sim”, conclui Dom Francisco Madero com profunda convicção, na qual se destaca grande satisfação.

Referências

  1. López, S. (S. f.). Francisco L. Urquizo. Biografia Espanha: Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes. Recuperado de: cervantesvirtual.com.
  2. Francisco L. Urquizo. (2018). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.or.
  3. Tamaro, E. (2019). Francisco Luis Urquizo. (N / a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com.
  4. Alonso, B. (2011). Tropa Velha, de Francisco L. Urquizo. México: suplemento de livro. Recuperado de: sdl.librosampleados.mx.
  5. Uribe, Y. (2013). Eles lembram “A cidadela foi deixada para trás”. México: o século de Torreón. Recuperado de: elsilodetorreon.com.mx.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies