Funcionalismo (psicologia): origem, características e autores representativos

O funcionalismo é uma abordagem na psicologia que se concentra na função da mente e do comportamento, em oposição à estrutura. Surgiu como uma reação ao estruturalismo, que se preocupava em analisar a estrutura da mente em seus elementos mais básicos. Os funcionalistas acreditavam que o objetivo da psicologia deveria ser entender como a mente e o comportamento ajudam os organismos a se adaptar ao ambiente.

Os principais autores representativos do funcionalismo incluem William James, considerado o pai da psicologia funcional, e John Dewey, que expandiu a abordagem funcionalista para incluir a importância do contexto e da experiência na compreensão do comportamento humano. Outros nomes importantes são Harvey Carr, James Rowland Angell e Edward Thorndike, cujas contribuições ajudaram a moldar a psicologia funcionalista e influenciaram o desenvolvimento de outras abordagens psicológicas.

Principais características do funcionalismo na psicologia: uma abordagem voltada para as funções mentais.

O funcionalismo é uma corrente da psicologia que surgiu nos Estados Unidos no final do século XIX, como uma reação ao estruturalismo. Enquanto o estruturalismo se preocupava em analisar a estrutura da mente, o funcionalismo propôs uma abordagem mais pragmática, focando nas funções mentais e no papel que desempenham no comportamento humano.

Uma das principais características do funcionalismo é a ênfase no estudo das funções mentais superiores, como a memória, a percepção e o pensamento. Os funcionalistas acreditavam que essas funções eram essenciais para a adaptação do indivíduo ao meio ambiente, e que deveriam ser estudadas em seu contexto natural.

Além disso, o funcionalismo valorizava a ideia de que a mente é dinâmica e está em constante evolução, em contraste com a visão estática proposta pelo estruturalismo. Os funcionalistas também consideravam a importância do estudo do comportamento humano em seu ambiente natural, em oposição aos laboratórios controlados dos estruturalistas.

Autores representativos do funcionalismo incluem William James, considerado o pai da corrente, e John Dewey. Ambos desenvolveram teorias que enfatizavam a importância da adaptação e da funcionalidade das funções mentais para a sobrevivência e o sucesso do indivíduo em seu ambiente.

Sua ênfase na adaptação e na evolução da mente o torna uma corrente importante e influente na história da psicologia.

Características principais do funcionalismo: análise funcional da sociedade e ênfase na harmonia social.

O funcionalismo é uma abordagem teórica que surgiu nos Estados Unidos no final do século XIX e início do século XX, como uma resposta ao estruturalismo. Seus principais representantes foram William James, John Dewey e James Rowland Angell.

Uma das características principais do funcionalismo é a análise funcional da sociedade, ou seja, o estudo das funções e das relações entre as diferentes partes que compõem um sistema social. Os funcionalistas acreditavam que as instituições sociais existem para atender às necessidades dos indivíduos e da sociedade como um todo, contribuindo para a sua estabilidade e harmonia.

Outra característica importante do funcionalismo é a ênfase na harmonia social, ou seja, na ideia de que a sociedade é um sistema integrado e coeso, no qual as diferentes partes funcionam de forma interdependente para garantir o seu bom funcionamento. Os funcionalistas acreditavam que os conflitos sociais eram resultado de disfunções no sistema e que a ordem social era mantida pela cooperação e pelo consenso entre os membros da sociedade.

Mesmo com algumas críticas e limitações, o funcionalismo deixou um legado importante para a compreensão do comportamento humano e das relações sociais.

Qual era o representante do funcionalismo na psicologia?

O funcionalismo foi uma das primeiras correntes de pensamento da psicologia, surgida nos Estados Unidos no final do século XIX. Seu principal objetivo era entender a mente humana através da análise das funções mentais e da adaptação do indivíduo ao ambiente. Diferentemente do estruturalismo, que buscava estudar a estrutura da mente de forma estática, o funcionalismo se preocupava com o papel das funções mentais no comportamento humano.

Um dos autores mais representativos do funcionalismo na psicologia foi William James, filósofo e psicólogo americano. James foi um dos primeiros a defender a importância do estudo da consciência e do pensamento em relação à sobrevivência e adaptação do indivíduo. Ele acreditava que a mente deveria ser estudada não apenas como uma série de elementos isolados, mas sim como um todo integrado em constante interação com o ambiente.

Além de William James, outros autores importantes do funcionalismo incluem John Dewey, James Rowland Angell e Harvey Carr. Esses psicólogos contribuíram significativamente para o desenvolvimento da psicologia funcional, enfatizando a importância da adaptação, da aprendizagem e da resolução de problemas para a compreensão do comportamento humano.

Relacionado:  Os 13 tipos de liberdade e suas características

Principais autores do funcionalismo: conheça os principais nomes dessa corrente teórica da sociologia.

O funcionalismo é uma corrente teórica da sociologia que busca entender a sociedade através da análise das funções e das interações entre as suas partes. Surgido no início do século XX, esse enfoque teve como principais autores Émile Durkheim, Talcott Parsons e Robert Merton.

Émile Durkheim foi um dos pioneiros do funcionalismo e é considerado o pai da sociologia moderna. Ele defendia que a sociedade é um organismo complexo, onde cada parte desempenha uma função específica para o seu funcionamento. Durkheim também estudou a solidariedade social e os mecanismos de controle social.

Talcott Parsons foi um dos principais expoentes do funcionalismo nos Estados Unidos. Ele desenvolveu uma teoria geral da ação social, destacando a importância da integração e da adaptação para o equilíbrio social. Parsons também introduziu o conceito de sistema social e a ideia de que a sociedade funciona como um sistema interligado de partes.

Robert Merton foi outro autor importante do funcionalismo, que se destacou pelo seu conceito de funções manifestas e latentes. Ele argumentava que as instituições sociais podem ter funções positivas (manifestas) e negativas (latentes), e que é importante analisar essas dimensões para compreender a sociedade de forma mais ampla.

Suas ideias continuam sendo estudadas e debatidas até os dias de hoje, influenciando diversas áreas do conhecimento.

Funcionalismo (psicologia): origem, características e autores representativos

Funcionalismo (psicologia): origem, características e autores representativos

funcionalismo  é um ramo da psicologia que surgiu no Estados Unidos durante o século XIX, com o objetivo de se opor ao estruturalismo , um poder alemão levou Edward Titchener. Foi um dos primeiros ramos da psicologia que enfatizou o empirismo e o pensamento racional, e suas contribuições permanecem importantes até hoje.

O funcionalismo estava originalmente preocupado com o modo como a mente trabalha e com suas capacidades, e não com os processos de pensamento, no campo de estudo do estruturalismo. Além disso, a corrente norte-americana pretendia, acima de tudo, ser útil e prática, portanto sua pesquisa foi muito focada na aplicabilidade.

O funcionalismo foi uma das primeiras correntes que tentaram unir teoria e prática na mesma disciplina. Embora nunca tenha se tornado um ramo completo da psicologia, lançou as bases para muitos movimentos posteriores, notadamente o behaviorismo e a psicologia cognitivo-comportamental.

Os pais do funcionalismo estão entre os psicólogos e filósofos mais famosos de todos os tempos. Assim, algumas das principais contribuições para essa disciplina vieram de figuras como William James, John Dewey ou Émile Durkheim.

Antecedentes e origem do funcionalismo

O funcionalismo foi uma tendência que surgiu no final do século XIX, principalmente como uma forma de oposição ao estruturalismo que dominava o campo da psicologia na época. Este segundo fluxo focou-se no estudo das estruturas da mente e na experiência consciente dos processos de pensamento, usando principalmente a introspecção.

Os primeiros funcionalistas acreditavam que o estudo desse tipo de fenômeno e os métodos utilizados para ele não agregavam muito valor ao campo da psicologia. Em vez disso, eles pensavam que era necessário entender as funções dos processos mentais, com uma ênfase muito maior no empirismo e na biologia.

Embora seja difícil definir o ponto exato da história em que o funcionalismo apareceu, William James é normalmente considerado o seu criador. No entanto, o próprio James era contra a divisão da psicologia em diferentes ramos e, de acordo com fontes oficiais, nunca se considerou funcionalista.

Os primeiros pesquisadores após William James

A partir de suas contribuições, surgiu um grande número de pesquisadores que desenvolveram as teorias dessa disciplina. Entre os mais importantes estão o grupo da Universidade de Chicago (incluindo John Dewey, George Herbert Mead e James Rowland Angel) e o grupo da Universidade Columbia (com James Cattell e Edward Thorndike no comando).

Desde o início, as teorias e os métodos do funcionalismo foram recebidos com muita resistência, tanto do estruturalismo quanto do behaviorismo, outra tendência que surgiu na mesma época e propôs uma abordagem bem diferente.

Os behavioristas acreditavam que a tomada de consciência era irrelevante, pois para eles os comportamentos nada mais eram do que respostas aprendidas a estímulos externos. Isso foi totalmente contrário às idéias dos funcionalistas, que se encontraram praticamente sozinhos em seu foco no mundo da psicologia.

Relacionado:  A teoria triangular do amor (Robert Sternberg)

No entanto, a influência do funcionalismo pode ser vista em muitos aspectos da psicologia moderna. Por exemplo, conceitos como a adaptação evolutiva da mente, o desenvolvimento da consciência e algumas técnicas das terapias modernas derivam diretamente das contribuições dos promotores dessa disciplina.

Características do funcionalismo

Como já vimos, o funcionalismo surgiu inicialmente como uma resposta direta ao estruturalismo, que era a tendência predominante na época no campo da psicologia. Foi originalmente baseado na teoria evolutiva de Charles Darwin, além de ser fortemente influenciado pelas idéias de William James.

O principal objetivo do funcionalismo a princípio era explicar os processos mentais dos seres humanos de maneira sistemática e científica. Portanto, em vez de estudá-los diretamente através da introspecção (o principal método do estruturalismo), os funcionalistas procuraram entender o propósito da consciência, comportamento e pensamento.

Por outro lado, o funcionalismo foi a primeira corrente da psicologia que revelou a importância das diferenças individuais. A partir dessa tendência, surgiram algumas ferramentas amplamente utilizadas até hoje, como testes de inteligência ou modelos de personalidade.

Além disso, os funcionalistas foram os primeiros psicólogos a tentar aplicar um método estatístico e científico ao estudo da mente humana. Nesse sentido, suas idéias eram precursoras daquelas que dominariam o campo da psicologia durante o século seguinte, abrindo caminho para correntes como o behaviorismo ou o cognitivismo.

Apesar de o funcionalismo ter sido amplamente criticado ao longo da história dessa disciplina, serviu de base para o que hoje entendemos como psicologia moderna e contribuiu com muitas das primeiras descobertas importantes que foram feitas nesse campo.

Funcionalismo de Durkheim

Embora ele não se dedicasse ao campo da psicologia como tal, Émile Durkheim foi um dos principais promotores do funcionalismo, especialmente no campo da sociologia. Nesse sentido, destacou-se por ser o primeiro a ver a sociologia como um campo de estudo separado, acreditando que há certos fenômenos que não podem ser entendidos sem entender o contexto social em que aparecem.

Desse modo, Durkheim acreditava que “fatos sociais” eram formas de agir, sentir e pensar que eram impostas externamente ao indivíduo, e que eles tinham a capacidade de forçá-lo a se comportar de acordo. Esses eventos sociais têm a ver com a cultura em que se vive, para entendê-los é necessário estudar o contexto social.

Por outro lado, Durkheim concebeu a sociedade como uma entidade dupla, que por um lado estava dentro do indivíduo e, por outro, era maior que isso. A princípio, o contexto social é externo, mas a pessoa internaliza seus valores, crenças e formas de pensar desde o nascimento.

O funcionalismo de Durkheim foi então baseado na idéia de que é impossível entender completamente os indivíduos sem entender corretamente como é a sociedade em que vivem e quais as influências que têm sobre eles. Assim, sua abordagem foi diferente, mas complementar à de outros autores, como William James ou John Dewey.

Funcionalismo de John Dewey

John Dewey entrou para a história como um dos principais contribuintes para o funcionalismo, devido ao seu papel como unificador da chamada “escola de Chicago”. Ele foi o principal promotor dos pesquisadores que pertenciam a esse grupo e se dedicou a expandir o conhecimento em muitos campos, como psicologia social ou educacional.

Seu primeiro trabalho no funcionalismo foi um artigo em que ele criticou a concepção tradicional de “arcos reflexos”. A partir desse momento, ele continuou investigando um grande número de fenômenos diferentes, como educação, moralidade ou a interação entre processos sociais e a aquisição de conhecimento.

Dewey tentou entender como a educação e a sociedade afetam o desenvolvimento mental das pessoas, a fim de desenvolver um método que permita maximizar as habilidades únicas de cada indivíduo. Em suas teorias, ele enfatizou a importância da experiência individual e tentou desenvolver métodos que permitissem que ela fosse entendida cientificamente.

Funcionalismo de William James

Já vimos que muitos pesquisadores e historiadores consideram William James o primeiro funcionalista da história e um dos principais impulsionadores dessa corrente de pensamento. No entanto, o próprio James nunca se descreveu como parte dessa escola, fazendo a maioria de suas pesquisas por conta própria.

Uma das idéias mais importantes de William James em relação ao funcionalismo foi que a mente não é uma entidade simples, como os estruturalistas propuseram. Pelo contrário, esse pensador acreditava que nossa idéia da mente deveria ser dinâmica, pois é composta de várias estruturas que diferem muito uma da outra.

Relacionado:  Eu biopsicossocial: relação com o desenvolvimento humano, componentes

Assim, uma das principais contribuições de James para o funcionalismo foi sua teoria do subconsciente e sua natureza. Ele acreditava que era necessário estudá-lo com base em sua relação com a mente consciente, e que a partir dessa abordagem podemos tirar conclusões diferentes sobre sua operação.

Além de suas idéias sobre a mente subconsciente, James também era famoso por acreditar que a psicologia deveria ser uma subdivisão da biologia e basear-se em princípios como os da teoria da evolução de Darwin. Dessa maneira, ele lançou os fundamentos teóricos para o estudo científico da psicologia, que até então estavam mais intimamente relacionados à filosofia.

Funcionalismo de Parsons

Talcott Parsons foi um dos principais impulsionadores do funcionalismo no campo da sociologia. Sua principal contribuição foi o estudo dos fatores que mantêm as sociedades em equilíbrio e as relações que ocorrem entre todos os elementos que as compõem.

Sua versão do funcionalismo se baseava na idéia de que as pessoas se comportam racionalmente, escolhendo os meios que lhes parecem mais úteis para alcançar os objetivos que estabeleceram para si mesmos. Por outro lado, o principal objetivo da sociedade é manter a ordem social, portanto deve haver um equilíbrio entre os desejos individuais e coletivos.

Talcott Parsons chamou sua teoria de “funcionalismo estrutural”. Isso foi baseado na ideia de que existem quatro elementos essenciais para a operação de qualquer sistema: adaptação, objetivos, integração e latência.

O princípio da adaptação refere-se à necessidade de qualquer sistema ou sociedade se adaptar às demandas de seu ambiente. Isso contrasta com o princípio da meta, que propõe que o sistema também defina suas próprias metas e atenda-as o máximo possível. Portanto, deve haver um equilíbrio entre os dois fenômenos.

Por outro lado, o princípio da integração determina que a sociedade deve ser capaz de regular as interações entre todos os seus membros; e o da latência defende a necessidade de manter a motivação dos indivíduos que fazem parte do grupo social e promover o aumento dele.

Para desenvolver sua versão do funcionalismo, Parsons baseou-se em suas observações da vida natural, que ele tomou como modelo para entender as sociedades humanas. Entre outras coisas, isso o ajudou a formular sua ideia de que os grupos sociais tendem a se especializar, de tal forma que precisam viver em equilíbrio para manter seus níveis de bem-estar globalmente.

Funcionalismo de Merton

Merton foi um dos pensadores mais importantes do funcionalismo sociológico. Grande parte de sua carreira concentrou-se em desmantelar as idéias de Parsons e outros estudiosos como ele, e em propor teorias alternativas às crenças desse grupo.

Já vimos que, para as sociedades de Parsons, suas estruturas e regras são fundamentalmente positivas. Para Merton, no entanto, as sociedades também podem ter elementos muito negativos e até causar sofrimento às pessoas que fazem parte delas.

Merton também foi um grande defensor da “sociologia empírica” ​​e ajudou a mover as teorias dessa disciplina para a esquerda política por ser um forte defensor do marxismo. Além disso, ele foi altamente crítico de alguns dos postulados mais importantes do funcionalismo da época.

Por um lado, Merton acreditava que a idéia de que todos os componentes de uma sociedade cumprissem uma função importante só poderia ser aplicada em comunidades muito pequenas. Em grupos maiores de pessoas, esse princípio não se aplica mais, pois os problemas de integração aparecem entre todos os seus membros.

Por outro lado, Merton também acreditava que nem todas as funções sociais são boas, mas que algumas seriam irrelevantes ou até diretamente negativas. Assim, teve um papel muito mais cínico na cultura e na sociedade, criticando amplamente sua influência sobre os seres humanos e seu bem-estar.

Referências

  1. “Estruturalismo e funcionalismo” em: Very Well Mind. Retirado em: 29 de fevereiro de 2020 de Very Well Mind: verywellmind.com.
  2. “Funcionalismo (psicologia)” em: Psicologia. Retirado em: 29 de fevereiro de 2020 em Psychology: psychology.wikia.org.
  3. “Psicologia Precoce – Estruturalismo e Funcionalismo” em: Lumen. Retirado em: 29 de fevereiro de 2020 da Lumen: cursos.lumenlearning.com.
  4. “Funcionalismo” em: Britannica. Retirado em: 29 de fevereiro de 2020 em Britannica: britannica.com.
  5. “Psicologia funcional” em: Wikipedia. Retirado em: 29 de fevereiro de 2020 na Wikipedia: en.wikipedia.org.

Deixe um comentário