Gânglios da coluna vertebral: anatomia, características e funcionamento

Os gânglios da coluna vertebral são estruturas importantes do sistema nervoso, responsáveis por transmitir informações sensoriais e motoras entre o cérebro e o restante do corpo. Localizados ao longo da coluna vertebral, esses gânglios são compostos por células nervosas chamadas de neurônios, que se comunicam entre si através de impulsos elétricos. Sua principal função é integrar e processar informações sensoriais, garantindo a coordenação e o correto funcionamento do sistema nervoso periférico. Neste contexto, é fundamental compreender a anatomia, características e funcionamento dos gânglios da coluna vertebral para um melhor entendimento do sistema nervoso como um todo.

Significado e importância dos gânglios no corpo humano: saiba tudo sobre suas funções.

Os gânglios são estruturas presentes no corpo humano que desempenham um papel crucial no sistema nervoso. Eles são aglomerados de corpos celulares de neurônios localizados ao longo do sistema nervoso, incluindo a coluna vertebral. Os gânglios atuam como centros de processamento de informações sensoriais e motores, ajudando a regular diversas funções do organismo.

Os gânglios da coluna vertebral são responsáveis por transmitir e processar informações entre o cérebro e o resto do corpo. Eles desempenham um papel fundamental na regulação dos movimentos, na sensação de dor e no controle de funções autônomas, como a respiração e a circulação sanguínea. Além disso, os gânglios da coluna vertebral também estão envolvidos na coordenação dos reflexos e na manutenção do equilíbrio do corpo.

É importante ressaltar a importância dos gânglios no corpo humano, pois sem eles, muitas funções essenciais para a sobrevivência e o funcionamento adequado do organismo seriam comprometidas. Portanto, entender a anatomia, características e funcionamento dos gânglios da coluna vertebral é fundamental para a compreensão do sistema nervoso e da sua complexidade.

Qual é a principal função do gânglio espinhal no sistema nervoso periférico?

Gânglios da coluna vertebral: anatomia, características e funcionamento

Os gânglios espinhais são estruturas localizadas ao longo da coluna vertebral e fazem parte do sistema nervoso periférico. Eles desempenham um papel fundamental no processamento e transmissão de informações sensoriais e motoras entre o sistema nervoso central e o corpo.

A principal função do gânglio espinhal é atuar como um centro de integração de sinais nervosos. Quando um estímulo é detectado pelos receptores sensoriais no corpo, as informações são transmitidas ao gânglio espinhal, onde são processadas e encaminhadas para o cérebro para interpretação.

Além disso, os gânglios espinhais também desempenham um papel importante no controle dos movimentos musculares. Eles recebem informações do cérebro e enviam sinais motores para os músculos, permitindo a execução de movimentos coordenados e precisos.

Eles garantem que as informações sensoriais sejam processadas corretamente e que os comandos motores sejam transmitidos de forma adequada, garantindo o funcionamento adequado do organismo como um todo.

Qual é o papel dos gânglios espinhais no corpo humano?

Os gânglios espinhais são estruturas localizadas ao longo da coluna vertebral que desempenham um papel crucial no sistema nervoso periférico. Cada gânglio espinhal está conectado a um par de nervos espinhais, que são responsáveis por transmitir informações sensoriais e motoras entre o cérebro e o resto do corpo.

Relacionado:  Uma investigação revela as chaves para a beleza do rosto feminino

Os gânglios espinhais atuam como centros de processamento para essas informações, ajudando a modular e regular a transmissão de sinais nervosos. Eles também desempenham um papel importante na regulação da dor, uma vez que podem atuar como pontos de controle para a modulação da sensação de dor.

Além disso, os gânglios espinhais também desempenham um papel crucial no sistema imunológico, uma vez que são locais onde os linfócitos podem ser ativados e respondem a agentes patogênicos.

Diferença entre nervos e gânglios: entenda as distinções entre essas estruturas do sistema nervoso.

Os nervos e os gânglios são estruturas essenciais do sistema nervoso, mas possuem funções e características diferentes. Enquanto os nervos são feixes de fibras nervosas que transmitem impulsos nervosos de um local para outro, os gânglios são aglomerados de corpos celulares de neurônios que atuam como centros de integração e processamento de informações.

Os nervos são responsáveis por transmitir informações sensoriais do corpo para o sistema nervoso central e enviar comandos motores do sistema nervoso central para os músculos e órgãos. Já os gânglios estão envolvidos no processamento e modulação dessas informações, além de regular funções autônomas do corpo.

Enquanto os nervos são estruturas mais lineares e organizadas, os gânglios apresentam uma organização mais complexa e variada, podendo ser encontrados em diferentes regiões do corpo, como a coluna vertebral. Os gânglios da coluna vertebral, por exemplo, estão localizados ao longo da coluna e são responsáveis por regular funções motoras e sensoriais específicas dessa região.

Ambas as estruturas são fundamentais para o funcionamento adequado do sistema nervoso e para a manutenção da homeostase do corpo.

Gânglios da coluna vertebral: anatomia, características e funcionamento

Gânglios da coluna vertebral: anatomia, características e funcionamento 1

Os gânglios espinhais são um grupo de nódulos localizados nas raízes dorsais ou posteriores dos nervos espinhais, onde estão alojados os corpos dos neurônios nas vias aferentes ou sensoriais do sistema nervoso periférico .

Neste artigo, explicaremos o que são os gânglios espinhais e sua relação com cada parte do sistema nervoso periférico.

Sistema nervoso periférico

O sistema nervoso periférico (SNP) inclui nervos espinhais, nervos cranianos e seus nós associados (grupos de células nervosas fora do sistema nervoso central [SNC]). Os nervos contêm fibras nervosas que transportam as informações para (aferentes) ou a partir (eferentes) do SNC .

Geralmente, as fibras eferentes participam de funções motoras, como contração muscular ou secreção da glândula; e fibras aferentes transmitem estímulos sensoriais da pele, membranas mucosas e estruturas profundas.

A principal tarefa do SNP é conectar os vários estímulos que nosso corpo recebe (externo, interno e proprioceptivo ou relacionado às informações sobre a posição dos músculos de si mesmo) com o sistema nervoso central; e estes, por sua vez, se conectam com os órgãos e sistemas corporais a serem regulados e gerenciados.

Relacionado:  Sinapses elétricas: como são e como funcionam no sistema nervoso

O SNP é composto por 12 pares de nervos cranianos , que deixam o crânio através de várias aberturas, e 32 pares de nervos espinhais, cada um identificado por sua relação com a vértebra ou canal vertebral de onde sai .

Nervos espinhais

Os nervos espinhais se estendem da medula espinhal, cruzando os músculos vertebrais, até diferentes áreas do corpo.

Cada um dos 31 pares de nervos espinhais possui uma raiz ventral e uma raiz dorsal ; Cada raiz é composta de 1 a 8 pequenas raízes ou feixes de fibras nervosas. Na raiz dorsal de um nervo espinhal típico, próximo à junção com a raiz ventral, existe um gânglio da raiz dorsal ou espinhal, um nódulo que contém os corpos das células nervosas.

As raízes dorsais (ou posteriores) são principalmente sensoriais. Cada raiz do nervo dorsal (exceto, em geral, C1) contém fibras aferentes (sensoriais ou receptoras) das células nervosas em seu gânglio. As raízes dorsais contêm fibras que provêm de estruturas profundas e cutâneas.

As fibras nervosas podem ser classificadas de acordo com sua base anatômica e fisiológica em: fibras somáticas eferentes, que inervam os músculos esqueléticos; e fibras somáticas aferentes, que transmitem informações sensoriais da pele, articulações e músculos para o sistema nervoso central.

Os corpos celulares das fibras aferentes são células unipolares (caracterizadas por ter uma única protrusão do soma) nos gânglios espinhais, que são interpostos no curso das raízes dorsais (gânglios da raiz dorsal).

As ramificações periféricas dessas células ganglionares são distribuídas por estruturas somáticas; e as ramificações centrais transmitem os impulsos sensoriais através das raízes dorsais para o cordão dorsal da substância cinzenta e os tratos ascendentes da medula espinhal .

Nós da coluna vertebral

Os gânglios nervosos são grupos de células que constituem pequenos nódulos localizados fora do sistema nervoso central que funcionam como um relé ou conexões intermediárias entre diferentes estruturas neurológicas do corpo.

Eles podem ser divididos em dois tipos: os gânglios vegetativos, constituídos por células nervosas multipolares localizadas ao redor das vísceras nas quais atua, recebem sinais do sistema nervoso central e os enviam para a periferia (função eferente); e gânglios da coluna vertebral ou gânglios da raiz dorsal, consistindo em abundantes conexões neuronais distintas, responsáveis ​​por receber sinais da periferia para enviá-los ao cérebro (função aferente).

Os gânglios espinhais coletam e modulam as informações sensíveis e constituem, do ponto de vista funcional, os depósitos do soma neuronal das fibras aferentes primárias de todo o sistema sensorial, tendo se especializado nos animais superiores como órgãos localizados fora do sistema nervoso central.

Relacionado:  Neurônios dopaminérgicos: características e funções

O grupo de gânglios espinhais inclui os gânglios espinhais e os trigêmeos (ou Gasser), o facial (ou geniculado), o glossofaríngeo (extracraniano ou Andersch e intracraniano ou Ehrenritter) e os gânglios vago (jugular e nodoso). .

O par VIII ou nervo estatoacústico também possui dois gânglios , o vestibular ou Scarpa e o coclear, espiral ou Corti, mas seus neurônios bipolares correspondem a neurônios de segunda ordem de uma via sensorial especializada cujo significado funcional não é exatamente semelhante ao a dos gânglios sensoriais ou espinhais gerais.

  • Você pode estar interessado: ” Os 7 tipos de nervos: classificação e características “

Lesões dos gânglios da coluna vertebral

O envolvimento dos gânglios espinhais ou raízes dorsais pode ocorrer por várias razões , entre as mais comuns, podemos encontrar o seguinte:

Infecção por Herpes Zoster

É caracterizada pelo aparecimento de dor localizada, unilateral e imprecisa, que precede uma erupção vesicular em 3 ou 5 dias (aparecimento de vesículas ou bolhas na pele). Pode ser acompanhado por sintomas sistêmicos, como febre, fadiga ou mialgia .

Tumores vertebrais

Eles podem produzir, além de lesões radiculares, outras manifestações como dor lombar, fraturas patológicas, mobilidade reduzida ou desvios da coluna vertebral. Existem também tumores primários (neurofibroma) e metastáticos, como linfoma ou sarcomatose meníngea, nos quais várias raízes são geralmente afetadas.

Gânglios da coluna vertebral e transmissão da dor

A sensação de dor aparece quando fibras nervosas específicas são ativadas (chamadas “A delta” e “C”). Essa ativação pode ser desencadeada por um mau funcionamento dos músculos e outras partes moles (o que acontece nas “síndromes não específicas”) ou por várias alterações estruturais que, em alguns casos, provaram ser a causa da dor.

Quando estimuladas, essas fibras nervosas ativam células nervosas na medula espinhal que transmitem dor ao cérebro . As fibras nervosas “A delta” e “C”, ou sensíveis à capsaicina, são finas e muito numerosas e nascem dos gânglios espinhais, onde está o corpo celular, ramificando-se em duas extremidades.

Quando essas fibras nervosas são ativadas, elas liberam substâncias (neurotransmissores ou neuromoduladores) que desencadeiam a inflamação dos tecidos inervados. Essa inflamação desencadeada pela liberação de substâncias contidas nos nervos (em vez de substâncias liberadas pelas células ou tecidos sanguíneos, como a inflamação era classicamente entendida) é chamada de “inflamação neurogênica” .

Esse tipo de inflamação pode induzir as células sanguíneas (como macrófagos, por exemplo) a liberar substâncias que desencadeiam a inflamação clássica (como a histamina), para que ambos os tipos de inflamação sejam aumentados reciprocamente. De fato, a liberação de mediadores químicos da inflamação também pode aumentar ou desencadear diretamente a dor.

Referências bibliográficas:

  • Carpenter, M., Sutin, J., Mascitti, T. e Lorenzo, I. (1990). Neuroanatomia humana Buenos Aires: o ateneu.
  • Navarro, X. (2002) Fisiologia do sistema nervoso autônomo. Neurology Magazine, 35 (6): 553-562.

Deixe um comentário