Irradiação de Alimentos: Processo, Aplicações e Vantagens

A irradiação de alimentos é um processo tecnológico utilizado para conservar e descontaminar alimentos por meio da exposição a radiações ionizantes, como raios gama, raios X ou elétrons acelerados. Este método tem como objetivo reduzir a presença de microrganismos patogênicos, insetos e parasitas, além de prolongar a vida útil dos alimentos, mantendo suas propriedades nutricionais e sensoriais. Neste contexto, a irradiação de alimentos apresenta várias vantagens, como a eliminação de substâncias tóxicas, a redução da necessidade de aditivos químicos, a preservação da qualidade dos alimentos e a prevenção de doenças transmitidas por alimentos. Este processo é amplamente utilizado em diversos setores da indústria alimentícia, contribuindo para a segurança e a qualidade dos alimentos consumidos pela população.

Entenda o procedimento de irradiação de alimentos e seus benefícios para a segurança alimentar.

A irradiação de alimentos é um processo que tem como objetivo reduzir a quantidade de microrganismos presentes nos alimentos, tornando-os mais seguros para o consumo humano. Esse método envolve a exposição dos alimentos a uma fonte de radiação ionizante, como raios gama, raios X ou feixe de elétrons, que destroem os microrganismos patogênicos e reduzem a deterioração dos alimentos.

Um dos principais benefícios da irradiação de alimentos é a sua capacidade de aumentar a segurança alimentar, prevenindo doenças transmitidas por alimentos contaminados. Além disso, a irradiação pode prolongar a vida útil dos alimentos, reduzir a necessidade de conservantes químicos e melhorar a qualidade sensorial dos produtos.

Apesar de algumas controvérsias em torno da irradiação de alimentos, estudos científicos têm demonstrado a sua eficácia na redução de microrganismos como bactérias, vírus e parasitas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) reconhecem a irradiação de alimentos como um método seguro e eficaz para garantir a segurança alimentar.

Em resumo, a irradiação de alimentos é um procedimento seguro e eficaz que contribui para a segurança alimentar, reduzindo a quantidade de microrganismos presentes nos alimentos e prolongando a sua vida útil. É importante destacar que a irradiação de alimentos não torna os alimentos radioativos e não representa riscos para a saúde humana. Portanto, esse método pode ser uma ótima opção para garantir a qualidade e a segurança dos alimentos que consumimos.

Benefícios da radiação na conservação de alimentos: quais as vantagens dessa técnica?

A irradiação de alimentos é um processo que consiste na aplicação controlada de radiação ionizante para eliminar microrganismos indesejados, retardar o amadurecimento e aumentar a vida útil dos alimentos. Esta técnica tem se mostrado extremamente eficaz na conservação de alimentos, trazendo inúmeros benefícios para a indústria alimentícia e para os consumidores.

Uma das principais vantagens da irradiação de alimentos é a sua capacidade de eliminar bactérias, fungos e outros microrganismos que podem causar deterioração dos alimentos ou representar riscos à saúde. Isso ajuda a reduzir a incidência de doenças transmitidas por alimentos e a garantir a segurança dos produtos consumidos.

Além disso, a irradiação de alimentos também ajuda a retardar o processo de amadurecimento, mantendo a textura, sabor e nutrientes dos alimentos por mais tempo. Isso é especialmente importante para frutas, legumes e verduras, que muitas vezes estragam rapidamente após a colheita.

Outra vantagem da irradiação de alimentos é a sua capacidade de preservar as características sensoriais dos alimentos, como cor, aroma e sabor. Isso permite que os alimentos mantenham sua qualidade e atratividade por mais tempo, aumentando a sua aceitação pelos consumidores.

Além disso, a irradiação de alimentos é um método seguro e eficaz, aprovado por organizações como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Food and Drug Administration (FDA). Isso garante que os alimentos irradiados atendam aos padrões de segurança alimentar e não representem riscos à saúde dos consumidores.

Em resumo, a irradiação de alimentos é uma técnica eficaz e segura para a conservação de alimentos, trazendo inúmeros benefícios para a indústria alimentícia e para os consumidores. É uma ferramenta valiosa para garantir a segurança, qualidade e durabilidade dos alimentos que consumimos diariamente.

Relacionado:  15 benefícios surpreendentes de manjericão para corpo e mente

Prós e contras da irradiação de alimentos na indústria alimentícia: entenda os benefícios e riscos.

A irradiação de alimentos é um processo utilizado na indústria alimentícia para aumentar a segurança e durabilidade dos produtos. No entanto, como qualquer tecnologia, apresenta tanto prós quanto contras que devem ser considerados.

Prós: A irradiação de alimentos é eficaz na eliminação de bactérias, fungos e parasitas que podem causar doenças transmitidas por alimentos. Além disso, o processo ajuda a reduzir a contaminação microbiológica, aumentando a vida útil dos alimentos. Outra vantagem é a preservação das propriedades nutricionais e sensoriais dos alimentos, mantendo seu sabor, textura e valor nutricional.

Contras: Apesar dos benefícios, a irradiação de alimentos ainda é um tema controverso. Alguns estudos apontam que o processo pode gerar subprodutos tóxicos, como compostos químicos cancerígenos. Além disso, há preocupações com relação à aceitação dos consumidores, que muitas vezes associam a irradiação de alimentos a alimentos geneticamente modificados. Outro ponto negativo é o alto custo do processo, que pode tornar os alimentos irradiados mais caros para o consumidor final.

Em resumo, a irradiação de alimentos apresenta benefícios significativos em termos de segurança e durabilidade dos produtos. No entanto, é importante considerar os possíveis riscos associados ao processo, bem como a aceitação do consumidor e o custo envolvido. Cabe às autoridades regulatórias e às empresas do setor alimentício garantir que a irradiação de alimentos seja realizada de forma segura e responsável, visando sempre a proteção da saúde dos consumidores.

Aplicações dos radioisótopos na indústria alimentícia: benefícios e tecnologias avançadas.

A utilização de radioisótopos na indústria alimentícia tem se mostrado uma ferramenta extremamente eficaz para garantir a segurança e a qualidade dos alimentos. A irradiação de alimentos, processo que consiste na exposição dos alimentos a fontes de radiação ionizante, tem se destacado como uma técnica promissora para a conservação e o controle de micro-organismos presentes nos alimentos.

Os radioisótopos são utilizados em diversas etapas da cadeia alimentar, desde a produção até o armazenamento dos alimentos. Um dos principais benefícios da irradiação de alimentos é a capacidade de eliminar micro-organismos patogênicos, como bactérias e fungos, que podem causar doenças transmitidas por alimentos. Além disso, a irradiação também ajuda a prolongar a vida útil dos alimentos, reduzindo o desperdício e garantindo a disponibilidade de alimentos seguros e saudáveis para o consumidor final.

As tecnologias avançadas de irradiação de alimentos permitem um controle preciso do processo, garantindo que os alimentos sejam irradiados de forma segura e eficaz. Além disso, a utilização de radioisótopos na indústria alimentícia está em constante evolução, com novas pesquisas e desenvolvimentos sendo realizados para aprimorar ainda mais a técnica e maximizar seus benefícios.

Em resumo, a aplicação de radioisótopos na indústria alimentícia oferece inúmeros benefícios, como a garantia da segurança alimentar, a redução do desperdício e a melhoria da qualidade dos alimentos. Com o avanço das tecnologias e a constante inovação nesse campo, a irradiação de alimentos se mostra como uma solução eficaz e promissora para atender às demandas de uma indústria alimentícia cada vez mais exigente e preocupada com a qualidade e a segurança dos alimentos que chegam à mesa do consumidor.

Irradiação de Alimentos: Processo, Aplicações e Vantagens

A irradiação de alimentos consiste em sua exposição à radiação ionizante sob condições controladas. A irradiação visa prolongar a vida útil dos alimentos e melhorar sua qualidade higiênica. O contato direto entre a fonte de radiação e os alimentos não é necessário.

A radiação ionizante possui a energia necessária para romper as ligações químicas . O procedimento destrói bactérias, insetos e parasitas que podem causar doenças transmitidas por alimentos. Também é usado para inibir ou retardar os processos fisiológicos em alguns vegetais, como germinação ou maturação.

Relacionado:  23 deliciosos jantares para diabéticos (saudáveis)

Irradiação de Alimentos: Processo, Aplicações e Vantagens 1

O tratamento causa mudanças mínimas na aparência e permite uma boa retenção de nutrientes, uma vez que não aumenta a temperatura do produto. É um processo considerado seguro pelos órgãos competentes no campo em todo o mundo, desde que seja utilizado nas doses recomendadas.

No entanto, a percepção do consumidor de alimentos tratados com irradiação é bastante negativa.

Processo

Os alimentos são dispostos em um transportador que penetra em uma câmara de paredes espessas, contendo a fonte de radiação ionizante. Esse processo é semelhante à inspeção de bagagem por raios-X nos aeroportos.

A fonte de radiação bombardeia os alimentos e destrói microorganismos, bactérias e insetos. Muitos irradiadores usam raios gama emitidos a partir de formas radioativas do elemento cobalto (cobalto 60) ou césio (césio 137) como fonte radioativa.

As outras duas fontes de radiação ionizante utilizadas são raios-X e feixes de elétrons. Raios-X são gerados quando um feixe de elétrons com alta energia diminui quando atinge um alvo metálico. O feixe de elétrons é semelhante aos raios X e é um fluxo de elétrons fortemente energizados, impulsionados por um acelerador.

Radiação ionizante é radiação de alta frequência (raios X, α, β, γ) e alto poder de penetração. Eles têm energia suficiente para que, ao interagir com a matéria, produzam a ionização dos átomos nela.

Ou seja, faz com que os íons se originem. Íons são partículas eletricamente carregadas, produto da fragmentação de moléculas em segmentos com diferentes cargas elétricas.

A fonte de radiação emite partículas. Ao passarem pela comida, colidem com os outros. Como resultado dessas colisões, as ligações químicas são quebradas e novas partículas de vida curta são criadas (por exemplo, radicais hidroxila, átomos de hidrogênio e elétrons livres).

Essas partículas são chamadas radicais livres e são formadas durante a irradiação. A maioria são oxidantes (ou seja, eles aceitam elétrons) e alguns reagem com muita força.

Os radicais livres formados continuam a causar alterações químicas por ligação e / ou separação de moléculas próximas. Quando as colisões danificam o DNA ou o RNA, elas têm um efeito letal nos microorganismos. Se estes ocorrerem nas células, a divisão celular é freqüentemente suprimida.

De acordo com os efeitos relatados nos radicais livres no envelhecimento, o excesso de radicais livres pode levar a lesões e morte celular, o que causa muitas doenças.

No entanto, geralmente são os radicais livres gerados no corpo, não os radicais livres consumidos pelo indivíduo. De fato, muitos deles são destruídos no processo digestivo.

Aplicações

Dose baixa

Quando a irradiação é realizada em doses baixas – até 1kGy (kilogray) – é aplicada a:

– Destrua microrganismos e parasitas.

– Inibir a germinação (batatas, cebola, alho, gengibre).

– Atraso no processo fisiológico de decomposição de frutas e legumes frescos.

– Eliminar insetos e parasitas em cereais, legumes, frutas frescas e secas, peixe e carne.

No entanto, a radiação não impede infestações subsequentes, portanto, medidas devem ser tomadas para evitá-la.

Meia dose

Quando se desenvolve em doses médias (1 a 10 kGy), é utilizado para:

– Prolongue o prazo de validade de peixe fresco ou morangos.

– Melhorar tecnicamente alguns aspectos da alimentação, como: aumento do rendimento de suco de uva e diminuição do tempo de cozimento de vegetais desidratados.

– Eliminar agentes de alteração e microorganismos patogênicos em mariscos, aves e carne (produtos frescos ou congelados).

Doses altas

Em doses altas (10 a 50 kGy), a ionização fornece:

– Esterilização comercial de carnes, aves e frutos do mar.

Relacionado:  10 alimentos salgados comuns que irão surpreendê-lo

– Esterilização de alimentos prontos para consumo, como refeições hospitalares.

– descontaminação de certos aditivos e ingredientes alimentares, como especiarias, gomas e preparações enzimáticas.

Após este tratamento, os produtos não adicionaram radioatividade artificial.

Vantagens

– A preservação dos alimentos é prolongada, uma vez que os perecíveis podem suportar distâncias maiores e tempo de transporte. Os produtos sazonais também são preservados por mais tempo.

– Microrganismos patogênicos e banais, incluindo fungos, são eliminados devido à esterilização total.

– Substitui e / ou diminui a necessidade de aditivos químicos. Por exemplo, os requisitos funcionais de nitritos em produtos de carne curada são substancialmente reduzidos.

– É uma alternativa eficaz aos fumigantes químicos e pode substituir esse tipo de desinfecção em grãos e especiarias.

– Insetos e seus ovos são destruídos. Reduz a velocidade do processo de amadurecimento em vegetais e neutraliza a capacidade de germinação de tubérculos, sementes ou bulbos.

– Permite o tratamento de produtos de uma ampla variedade de tamanhos e formatos, desde pequenas embalagens a granel.

– Os alimentos podem ser irradiados após a embalagem e depois destinados ao armazenamento ou transporte.

– O tratamento por irradiação é um processo “frio”. A esterilização dos alimentos por irradiação pode ocorrer em temperatura ambiente ou congelada, com uma perda mínima de qualidades nutricionais. A variação de temperatura devido a um tratamento de 10 kGy é de apenas 2,4 ° C.

A energia da radiação absorvida, mesmo nas doses mais altas, mal aumenta a temperatura dos alimentos em alguns graus. Consequentemente, o tratamento com radiação causa mudanças mínimas na aparência e fornece boa retenção de nutrientes.

– A qualidade sanitária dos alimentos irradiados torna seu uso desejável em condições em que é necessária segurança especial. É o caso de rações para astronautas e dietas específicas para pacientes hospitalares.

Desvantagens

– Algumas alterações organolépticas ocorrem como resultado da irradiação. Por exemplo, moléculas longas, como a celulose, são quebradas, que é o componente estrutural das paredes das plantas. Portanto, quando irradiadas, as frutas e os vegetais amolecem e perdem sua textura característica.

– Os radicais livres formados contribuem para a oxidação de alimentos contendo lipídios; Isso causa ranço oxidativo.

– A radiação pode quebrar as proteínas e destruir parte das vitaminas, principalmente A, B, C e E. No entanto, em baixas doses de irradiação, essas alterações não são muito mais pronunciadas do que as induzidas pelo cozimento.

– A proteção do pessoal e da área de trabalho na zona radioativa é necessária. Esses aspectos relacionados à segurança do processo e do equipamento afetam um aumento nos custos.

– O nicho de mercado para produtos irradiados é pequeno, mesmo que a legislação de muitos países permita a comercialização desse tipo de produto.

A irradiação como processo complementar

É importante ter em mente que a irradiação não substitui as boas práticas de manuseio de alimentos por produtores, processadores e consumidores.

Os alimentos irradiados devem ser armazenados, manuseados e cozidos da mesma maneira que os alimentos não irradiados. A contaminação pós-irradiação pode ocorrer se as regras básicas de segurança não forem seguidas.

Referências

  1. Casp Vanaclocha, A. e Abril Requena, J. (2003). Processos de preservação de alimentos. Madri: A. Madri Vicente.
  2. Cheftel, J., Cheftel, H., Besançon, P., & Desnuelle, P. (1986).Introdução à bioquímica e à tecnologia de alimentos . Paris: Técnica e Documentação
  3. Conservação de alimentos (sf). Recuperado em 1 de maio de 2018 em laradioactivite.com
  4. Gaman, P. & Sherrington, K. (1990).A ciência da comida . Oxford, Eng.: Pergamon.
  5. Irradiação de alimentos (2018). Recuperado em 1 de maio de 2018 em wikipedia.org
  6. Irradiation des Aliments (sf). Recuperado em 1 de maio de 2018 em cna.ca

Deixe um comentário