Manuel Blanco Romasanta: biografia do lobisomem de Allariz

Manuel Blanco Romasanta (1809-1863) foi um psicopata espanhol que admitiu ter matado 13 pessoas no século XIX, tornando-se o primeiro serial killer que tem registros no país. Condenado à pena de morte, sua sentença foi posteriormente comutada para prisão perpétua como o primeiro caso de licantropia clínica.

Romasanta, depois de confessar seus crimes, disse que não era o culpado pelo que havia feito. Ele disse que foi vítima de uma maldição que o transformou em um lobo. Portanto, ele também era conhecido como “O Lobisomem de Allariz”, os “Sacamantecas” ou o “Homem do Saco”, esses dois últimos apelidos devido ao seu comércio.

Manuel Blanco Romasanta: biografia do lobisomem de Allariz 1

Tudo começou com alguns desaparecimentos estranhos em Allariz, embora a princípio ninguém percebesse. Acontece que o modus operand i desse assassino se baseou no acompanhamento de mulheres que deixaram a cidade em busca de uma vida melhor.Romasanta se ofereceu como guia, porque ele não apenas conhecia as estradas, mas também garantiu que poderia encontrar trabalho para essas pessoas.

Primeiros anos

Manuel Blanco Romasanta nasceu em 18 de novembro de 1809 na vila de Regueiro, localizada na província de Ourense, cidade pertencente à comunidade autônoma da Galiza, onde morou com seus pais Miguel Blanco e María Romasanta.

Uma curiosidade na vida desse assassino é que, em sua certidão de nascimento, ele aparece como Manuela Blanco Romasanta, já que a princípio eles pensavam que ela era uma garota. De fato, diz-se que ele foi criado quando criança até os seis anos de idade, quando um médico descobriu seu verdadeiro sexo.

Família

Não há muitos detalhes sobre seus primeiros anos de vida. Mas acredita-se que ele veio de uma família rica porque Romasanta sabia ler e escrever, uma habilidade rara para a época.

Além disso, Romasanta parecia ter sido criado sob valores cristãos, uma vez que, segundo os registros, aos 15 anos, ele e seus dois irmãos receberam confirmação em abril de 1825.

Aparência física

Romasanta foi descrito como um garoto de aparência física normal, loiro e com traços carinhosos, segundo alguns historiadores. No entanto, diz-se que sua altura era inferior à média, sendo de apenas 1,37m.

Quando criança, ele tinha agilidade mental e muita destreza manual, algo que pode ser deduzido pelos muitos negócios que aprendeu. Ele era lojista, alfaiate, mascate, carpinteiro, entre outros. Foram essas habilidades que no futuro se tornaram seu modo de vida e as que abririam as portas para o terrível caminho que ele empreendera.

Casamento

Aos 21 anos, Romasanta casou-se com Francisca Gómez Vázquez. Eles se casaram em 3 de março de 1831, mas a felicidade não durou muito. Em março de 1834, sua esposa morreu.

Até agora, Romasanta não havia sido libertado como assassino, por isso não tinha nada a ver com a morte de Francisca. O fato de não ter tido filhos facilitou a saída de Romasanta.

Vida nômade

Ele mudou sua vida sedentária para se tornar um vendedor ambulante que inicialmente viajaria por diferentes áreas da província de Esgos, para depois cobrir toda a comunidade da Galiza.

Sendo um homem viúvo e com apenas 24 anos, ele decidiu viajar para outros lugares da Espanha, chegando mesmo a Portugal. Essas viagens não apenas lhe permitiram conhecer caminhos diferentes, mas também o ensinaram a se mover livremente pela floresta, um lugar onde ele mais tarde cometeria seus crimes.

Seu primeiro crime

O primeiro crime que Romasanta cometeu ocorreu em 1843, perto do município de Ponferrada, localizado na comunidade autônoma de Castilla y León. Era um xerife local.

Dizia-se que ele foi apreendê-lo por uma dívida de 600 reais com um comerciante. Depois dessa suposta reunião, o xerife apareceu morto. E por isso o culparam por assassinato. Mas antes de ser julgado, ele fugiu para Rebordechao (Allariz), uma cidade montanhosa localizada na Galiza.

Nos anos seguintes, Romasanta começou a se misturar gradualmente entre a população local. Ele não apenas estabeleceu relações pessoais com eles, mas também se tornou amigo de muitas mulheres, principalmente porque se tornou um tecelão, um comércio quase exclusivo de mulheres.

Naquela época, ele parecia um cidadão, e não um exemplo. Mas foi depois de algum tempo estabelecido na cidade que ele iniciou sua longa cadeia de assassinatos.

Modus operandi

A primeira vítima foi uma mulher chamada Manuela García Blanco, que tinha uma filha de seis anos. Em 1846, Manuela decidiu procurar seu futuro fora da Galiza e planejou ir ao Santander para encontrar uma casa para servir.

Por isso, Romasanta, conhecida como lojista viajante, ofereceu-se para acompanhá-la ao seu destino, para lhe mostrar o caminho e ajudá-la a se instalar no novo local. A mulher se despediu de suas irmãs e saiu com sua filha. Algumas semanas depois, o assassino voltou e disse que o havia deixado bem localizado na casa de um padre.

Outras mulheres do local, encorajadas pela perspectiva de conseguir uma vida melhor como Manuela, decidiram encontrar o caminho também na companhia do assassino. A segunda vítima foi a irmã de Manuela, Benita.

Em 1847, o assassino a convenceu a ir para onde sua irmã estava e a mulher foi embora com o filho de nove anos. Nada foi ouvido das irmãs nem dos filhos. Até então, não havia suspeita, porque o criminoso fez questão de escrever cartas que supostamente foram enviadas por Manuela.

Em 1850, Romasanta atacaria outra vítima. Foi Antonia Rúa, que também tinha uma filha pequena que mal estava nos braços. Ele fez isso com mais duas mulheres. No entanto, naquele momento, muitos começaram a suspeitar que algo poderia ter acontecido às mulheres que o homem acompanhou àquela terra que prometia riqueza e felicidade.

A desconfiança aumentou quando descobriram que o lojista havia vendido algumas roupas das pessoas que ele supostamente acompanhava. Também começaram a se espalhar rumores de que a Romasanta vendia pomadas feitas de gordura humana. Tudo o que foi dito chegou aos ouvidos do assassino, que decidiu fugir da Galícia carregando um passaporte falso.

Detenção e confissão de seus assassinatos

Romasanta começou a ser conhecido pelos habitantes locais como o homem da junta. A voz se espalhou rapidamente e as autoridades começaram a relatar os crimes. Por suspeitar dos assassinatos, uma busca começou a encontrar seu paradeiro. Assim, estando na cidade de Nombela, Toledo, ele foi reconhecido por algumas pessoas e foi preso em 1852.

Após sua prisão, Manuel Blanco Romasanta confessou doze assassinatos. No entanto, em sua declaração, ele disse que eles foram cometidos não em sua forma humana, mas como um lobo.

Segundo o assassino, ele tinha uma maldição familiar que o fez dominar uma força irresistível, que o fez se tornar um lobo. Ao perder a forma humana, foi quando ele atacou suas vítimas para devorá-las e se alimentar de sua carne.

Transposição suposta

Ele disse que a primeira vez que o transformou, ele o fez na montanha Couso. Ele caiu no chão e começou a ter convulsões. Quando tudo parou, ele se tornou um lobo. Ele disse que passou cerca de cinco dias andando pelo local com mais dois lobos que havia encontrado.

Então, quando ele recuperou o corpo, os outros dois animais também. Supostamente eram valencianos a quem Antonio e Don Genaro chamavam. Estes, que também tinham a mesma maldição, tornaram-se companheiros de más ações. Ele alegou ter saído com eles em várias ocasiões para devorar pessoas.

No entanto, depois de todas essas confissões, Romasanta alegou que não estava sofrendo de uma maldição, mas de uma doença. Ele também afirmou que uma vez que recuperasse sua forma humana, poderia se lembrar do que havia acontecido. Esta informação foi decisiva para sua sentença, que chegou em 6 de abril de 1856.

Sentença

Embora suas primeiras declarações certamente parecessem a invenção de um louco, o assassino foi examinado por vários médicos que certificaram sua sanidade legal. Após o julgamento, concluiu-se que ele não estava louco, que não estava sofrendo de nenhuma doença mental.

Além disso, sua culpa havia sido determinada além de sua confissão. Foi demonstrado que ele havia vendido os pertences das pessoas desaparecidas e também deu informações importantes que levaram as autoridades aos restos mortais de algumas de suas vítimas. Ele foi condenado à morte e pagou uma multa de 1000 reais por cada vítima.

Redução de sentença

No entanto, o caso teve tanta atenção da mídia que um hipnotizador francês que acompanhava o caso decidiu enviar uma carta ao Ministro da Graça e Justiça. Nesta comunicação, o especialista expressou dúvidas sobre a condição do assassino, em relação a sofrer ou não licantropia.

O homem disse que curou outras pessoas com hipnose e pediu para ser hipnotizado antes de ser executado. O hipnotizador também enviou uma carta à rainha Elizabeth II solicitando sua intervenção. No final, ele finalmente a convenceu e mais tarde a rainha assinou uma ordem na qual a sentença do assassino da pena de morte era reduzida a prisão perpétua.

Não se sabe muito sobre sua morte. Alguns o colocaram em 14 de dezembro de 1863 em Ceuta. No entanto, também é dito que ele morreu em 1854 na prisão de Allariz, dois anos depois de ser preso. O problema parece ser que não há registros. Embora esteja estabelecido que ele entrou na prisão, não há nada para provar sua partida, viva ou morta.

Por outro lado, em 2009, em um documentário da TVG Europe, foi apontada a possibilidade de o assassino ter morrido no castelo de San Antón (Corunha).

Perfil psicológico de Romasanta

Segundo uma pesquisa do Centro de Investigação e Análise de Crimes Violentos e Sexuais (CIAC) em Romasanta, esta história é um caso arquetípico de um psicopata em série.

O assassino planejou o momento em que cometeria o crime e garantiu que não fosse visto. Ele estava encarregado de esconder os corpos para não serem descobertos e até forjou cartas para cobrir seus rastros. Ele também aproveitou os pertences de suas vítimas vendendo-os.

Esse comportamento indicava aos especialistas que o assassino possuía sanidade suficiente para desenvolver estratégias que o faziam evitar a justiça. Além disso, suspeita-se que o criminoso provavelmente tenha usado algum tipo de arma para subjugar suas vítimas.

Isso ocorre porque, segundo os registros, o homem não tinha mais de 1,37 m. de estatura. O que significa que era difícil para ele subjugar demais as vítimas, especialmente alguns homens que, segundo sua confissão, foram assassinados.

Com todos esses elementos, os especialistas garantiram que Romasanta se encaixava perfeitamente na classificação dos psicopatas.

Os filmes inspirados em Romasanta

Manuel Blanco Romasanta: biografia do lobisomem de Allariz 2

O caso de Manuel Blanco Romasanta, em vez de uma história da vida real, parece mais uma história extraída de um roteiro de filme. Tanto que, de fato, os crimes desse psicopata chegaram à tela grande com duas fitas: “The Wolf Forest” e “Romasanta. A caçada à besta.

“A floresta do lobo” é um filme de drama espanhol lançado em 1971. Escrito e dirigido por Pedro Olea e Juan Antonio Porto. O filme foi baseado no romance “A Floresta dos Ancines”, escrito por Carlos Martínez-Barbeitoestá, que se concentra no caso de Manuel Blanco Romasanta e no mito de que era um licantropo.

“Romasanta. A caça à besta ”é um filme de terror de origem espanhol-italiana e britânica. Foi lançado em 2004 e dirigido por Paco Plaza. Este filme também é baseado em um romance, mas, neste caso, é o de Alfredo Conde. O enredo deste trabalho também se baseia na história verdadeira de Manuel Blanco Romasanta.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies