Marina de Vaquita: características, habitat, reprodução, nutrição

A marina de vaquita ( Phocoena sinus ) é um mamífero placentário pertencente à ordem dos cetáceos (Cetacea). É uma espécie endêmica das águas do Golfo da Califórnia, localizada entre a península de Baja California e o noroeste do México. Atualmente, este está em um estado crítico de extinção .

A espécie Phocoena sinus faz parte do gênero conhecido como toninha. Seu comportamento é tímido e esquivo, passando grande parte do tempo submerso na água turva. Isso resulta, entre outras coisas, que é muito difícil determinar sua abundância dentro do habitat.

Marina de Vaquita: características, habitat, reprodução, nutrição 1

Fonte: flickr.com

Para conhecer sua distribuição atual, bem como o número de espécies existentes, o homem realiza um monitoramento acústico das ondas produzidas por esse animal durante a ecolocalização.

Inter-relações evolutivas

A vaquita marinha pode representar o vestígio de uma espécie ancestral, intimamente relacionada com a botoeira dos óculos e a botoeira Burmeister, que cruzou o equador do sul durante o Pleistoceno.

Isso fazia parte de um processo evolutivo conhecido como especiação alopática. Naquele estágio de desenvolvimento, as espécies primitivas de Phocoena sinus foram geograficamente isoladas no Golfo da Califórnia. Isso ocorreu devido a flutuações climáticas na glaciação.

Depois disso, a seleção natural provocou adaptações de tipos fisiológicos e morfológicos que permitiram ao animal se desenvolver e se reproduzir no novo ambiente.

Perigo crítico de extinção

Em 1997, a marina vaquita foi listada como criticamente ameaçada. Ano após ano, a população vem diminuindo drasticamente. Em 1997, havia 600 cópias deste animal, em 2015 havia 60 e durante 2018 menos de 30 espécies foram contadas.

Além da extinção deste valioso animal, seu desaparecimento do ecossistema marinho pode causar uma superpopulação de peixes e lulas bentônicos, que fazem parte da dieta da vaquita.

Inúmeras medidas ambientais foram realizadas para salvar esse animal, incluindo a criação de uma zona de proteção ambiental. No entanto, os resultados não foram os esperados.

Causas

Vinculação em redes de pesca

O principal fator que causa a morte da vaquita do mar é o afogamento acidental do animal nas redes lançadas ao mar, para capturar o peixe totoaba.

No Golfo da Califórnia, habita o totoaba ( Totoaba macdonaldi ), um peixe que também corre o risco de desaparecer. Isso ocorre porque é capturado excessivamente para vendê-lo ilegalmente nos mercados nacional e internacional.

Seu valor está na bexiga natatória, à qual são atribuídas propriedades medicinais. Para capturá-lo, os pescadores usam redes nas quais as vaquitas marinhas são enredadas, causando sua morte.

Variações ambientais

Outra ameaça para a população de Phocoena sinus é a alteração de seu habitat. Qualquer alteração do ambiente, por menor que seja, modifica a qualidade da água e a disponibilidade de nutrientes.

A represa do rio Colorado teve uma redução no fluxo de água para o Golfo da Califórnia. Embora isso possa não ser uma ameaça imediata, a longo prazo, pode ter um impacto negativo no desenvolvimento das espécies.

Características gerais

Barbatanas

A barbatana dorsal é de forma triangular e é proporcionalmente mais alta que a de outros botos. Os machos têm uma barbatana dorsal maior que as fêmeas. Isso pode estar associado à capacidade de dirigir, manobrar e agilidade ao nadar.

Essa barbatana dorsal é muito larga, o que pode estar associado a uma adaptação da vaca marinha para eliminar o calor das águas do Golfo da Califórnia. Isso seria feito através de um sistema que faria uma troca de calor na contracorrente vascular.

As barbatanas peitorais são longas, comparadas com o comprimento total do corpo do seio de Phocoena . A barbatana caudal é achatada e está localizada horizontalmente.

Tamanho e forma

A marina de vaquita é um dos menores cetáceos do mundo. As fêmeas, em relação ao comprimento total, são maiores que os machos. Dessa forma, as fêmeas medem 150 centímetros e os machos em idade madura são cerca de 140 centímetros.

Recém-nascido, Phocoena sinus pode pesar 7,8 kg e as fêmeas adultas terão um peso máximo de 55 kg.

Melão

Esses animais têm uma estrutura localizada na frente da cabeça que contém uma substância de natureza lipídica. O melão está associado à ecolocalização, pois projeta as ondas emitidas pela vaquita do mar com a intenção de localizar sua presa ou de se localizar dentro do habitat em que é encontrada.

Cabeça

O crânio é pequeno e a cabeça é arredondada. O rosto é curto, com um focinho pequeno e arredondado. Seus dentes são pequenos e curtos, podendo ser achatados ou em forma de pá.

A vaca marinha tem cerca de 34 e 40 dentes unicúspides, distribuídos entre 17 a 20 dentes em cada maxilar.

Cor de pele

Tem manchas pretas ao redor dos olhos e lábios. Além disso, eles têm uma linha que começa na nadadeira dorsal até a boca.

Suas costas são cinza-escuras que se degradam até atingir a cauda cinza-clara. À medida que a vaca marinha atinge a maturidade, os tons de cinza ficam mais claros.

Taxonomia

Reino animal.

Subreino Bilateria

Deuterostomia por infravermelho.

Filum Cordado.

Subfilum de vertebrados.

Superclasse Tetrapoda.

Classe de mamíferos.

Subclasse de Theria.

Eutheria infraclase.

Ordem Cetacea.

Subordem Odontoceti.

Família Phocoenidae.

Gênero Phocoena

Este é um gênero de cetáceos odontocéticos comumente conhecidos como botos. Eles são pequenos animais, seu comprimento varia entre 1,5 e 2,5 metros. Eles têm um focinho muito curto, com uma forma achatada.

Eles geralmente vivem em águas frias do hemisfério norte, Antártica e nas costas da América do Sul do Oceano Pacífico. A exceção são os membros da espécie Phocoena sinus, que habitam as águas quentes do Alto Golfo da Califórnia, no México.

Espécies

Phocoena Dioptric.

Phocoena phocoena.

Phocoena spinipinnis.

Phocoena sinus

Marina de Vaquita: características, habitat, reprodução, nutrição 2

Habitat

A marina vaquita é um animal endêmico na área norte do Golfo da Califórnia. Lá ele vive em lagoas sombrias e rasas, nadando raramente mais de 30 metros.

Segundo o Comitê Internacional para a Conservação da Vaquita, a região oeste do Alto Golfo da Califórnia, perto do porto de San Felipe, é a região onde há maior concentração dessa espécie.

Os corpos de água onde ele mora estão entre 11 e 25 quilômetros da costa, em um fundo formado por lodo ou argila. Eles têm no mínimo 11 metros de profundidade, e no máximo 50 metros.

A razão pela qual essa espécie escolhe um habitat com água turva é que ela contém um alto nível de nutrientes. Isso atrai pequenos peixes e crustáceos, que fazem parte da dieta do seio de Phocoena .

A grande maioria dos botos vive em águas com temperaturas superiores a 20 ° C. A vaca marinha pode tolerar temperaturas de 14 ° C no inverno a 36 ° C durante o verão.

Esses animais têm adaptações corporais que permitem suportar as variações de temperatura típicas desse tipo de habitat.

Reserva do Alto Golfo da Califórnia

Essa reserva está localizada nas águas do Golfo da Califórnia e foi decretada como uma área protegida nacional em 1993. Como qualquer área costeira, inclui três elementos diferentes: um espaço marítimo, uma área terrestre e a costa.

Nesse caso em particular, as interações do espaço terrestre andam de mãos dadas com a dinâmica da economia, a política e os aspectos socioambientais de cada um dos estados que o circundam.

Dentro da Reserva do Alto Golfo da Califórnia fica o rio Colorado, que dá vida às áreas úmidas encontradas no delta do rio Colorado.

O uso desse recurso natural para o desenvolvimento de uma fonte hidrelétrica alterou o regime hidrológico. Isso causa grandes alterações nos diferentes ecossistemas encontrados no Delta.

A vaquita marinha habita essas águas, juntamente com outras espécies marinhas, entre as quais o peixe totoaba ( T. macdonaldi ), cujas populações foram reduzidas devido à pesca descontrolada.

Área de proteção

Para reforçar a declaração da Reserva, em 2005 foi formulada uma área de proteção para o seio de Phocoena, com uma área de 1.263 km2. Em fevereiro de 2018, o Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais do México expandiu essa área de refúgio para 1.841 km2.

Esta decisão responde às sugestões do Comitê Internacional para a Conservação da Vaquita e às investigações que indicam que essa espécie marinha habita espaços localizados acima dos limites anteriores de proteção.

Além de proteger a área marítima, foram estabelecidos regulamentos e controles para o acesso ao equipamento de pesca.

Distribuição geográfica

O seio de Phocoena tem uma distribuição restrita, sendo limitado a uma área na parte norte do Alto Golfo da Califórnia e no Delta do Rio Colorado (30 ° 45 ‘N, 114 ° 20’ W), no México. Por esse motivo, a marina de vaquita é considerada o cetáceo marinho com a menor distribuição mundial.

Geralmente a mesma área vive o ano todo, sem migrar para outras áreas do Golfo. No entanto, é possível que a vaquita experimente deslocamentos em pequena escala na área noroeste do Alto Golfo da Califórnia.

Estudos posteriores expandiram sua distribuição ao norte do Alto Golfo da Califórnia, entre Peñasco, Sonora e Puertecitos. Na zona sul, não foram encontradas evidências consistentes com a presença da marina de vaquita.

A concentração mais alta dessa espécie fica perto de Consag Rocks (31˚18’N, 114˚25 ‘W), em San Felipe, Baja California.

A faixa de localização da vaquita marítima ocupa a maior parte da Reserva do Alto Golfo da Califórnia. A terra é caracterizada pela área ocupada pelo antigo Delta do Rio Colorado, pela faixa costeira e por alguns pântanos. O clima é seco, com temperaturas variando entre 18 e 20 ° C.

Programa de Monitoramento Acústico

O Programa de Monitoramento Acústico é implementado na área protegida do Alto Golfo da Califórnia. Isso permite estimar a tendência da população, mapear rotas e delimitar seu alcance. Também permite avaliar a eficácia das medidas de conservação implementadas nessa área.

Essas técnicas podem ser ativas ou passivas. Nos antigos sonares são utilizados, os quais enviam um sinal que salta sobre o objeto. A análise dessas ondas permite conhecer a distância do objeto detectado.

O monitoramento passivo é baseado na captura de sons do ambiente. Os cetáceos emitem várias vocalizações. No caso dos botos, eles produzem um tipo de cliques em alta frequência.

Isso é vantajoso no caso da marina de vaquita, pois no Alto Golfo da Califórnia não há outras espécies de cetáceos que produzam um som semelhante. Por esse motivo, esse recurso foi explorado pelos pesquisadores, que fabricaram equipamentos automatizados que capturam esses sons.

Os dados acústicos permitem determinar se a população deste animal está crescendo ou diminuindo. Além disso, esses dados forneceram informações que nos permitiram saber que as vaquitas marinhas haviam expandido sua distribuição em mais de 500 km2 desde 2005.

Reprodução

A marina vaquita atinge a maturidade sexual por volta dos três a seis anos de idade. A reprodução é sazonal, levando à existência de uma alternância nos períodos de repouso e atividade reprodutiva.

Existem vários aspectos importantes na estratégia reprodutiva do Phocoena sinus. Um deles é o dimorfismo sexual inverso marcado, onde as mulheres são visivelmente maiores que os homens.

Como resultado, os machos podem nadar mais rápido que as fêmeas, o que é uma grande vantagem durante a reprodução.

Outro aspecto relevante é que esses animais formam pequenos grupos e que seu sistema de acasalamento é polígono. Nisso, um macho entra em uma competição de espermatozóides, fazendo com que ele tente copular com todas as fêmeas que puder.

Nesse tipo de acasalamento múltiplo, a vaquita marinha masculina geralmente possui testículos relativamente maiores, atingindo uma proporção de até 5% a mais de sua massa corporal.

Acasalamento e gravidez

Algum tempo após o período de ovulação, ocorre a fertilização, presumivelmente durante o mês de abril. A grande maioria dos nascimentos ocorre nos primeiros dias de março.

O período de gestação culmina aproximadamente dez a onze meses após o óvulo ter sido fertilizado. A fêmea tem apenas um bebê no final da primavera ou no início do verão.

A fêmea tem uma ovulação não anual, o que causa um intervalo mínimo de um ou mais anos entre cada gravidez. Além disso, se sua longevidade for considerada, é provável que uma fêmea possa ter entre 5 e 7 filhos durante sua vida reprodutiva.

Se a esse aspecto se acrescentar que sua maturidade sexual é tardia, faz com que a taxa de natalidade de Phocoena sinus seja considerada um valor bastante baixo. A taxa de crescimento populacional desta espécie não excede 4% ao ano.

Essa característica, típica desta espécie, deve ser considerada nas diferentes propostas que são realizadas como meio de preservação do animal.

Reprodução

No nascimento, o bezerro mede cerca de 68 ou 70 centímetros. A mãe cuida dele por 8 meses. Durante esse período, ela é cuidada e protegida pela fêmea, até agora elas são capazes de cuidar de si mesmas.

Reprodução assistida

Motivados pelo notável declínio na população dessa espécie animal, estão sendo feitos esforços em todo o mundo para sua preservação. Isso inclui programas de reprodução assistida que contribuem para o aumento do número de filhotes.

Para isso, um santuário foi criado no mar de Cortez. Lá, as vaquitas do mar que habitam o Alto Golfo da Califórnia serão transferidas temporariamente.

A intenção é transferi-los de seu habitat selvagem para um onde as condições sejam controladas, evitando os fatores que influenciam sua quase extinção como espécie. A idéia é conseguir a reprodução em cativeiro naturalmente ou, se a necessidade for avaliada, de maneira assistida.

Uma vez que os elementos que ameaçam o desenvolvimento de Phocoena sinus sejam totalmente controlados , esses animais em cativeiro retornariam ao seu habitat original.

Nutrição

A vaca marinha é um animal carnívoro. Sua dieta é oportunista, consumindo 21 espécies diferentes de peixes, lulas, camarões, polvos pequenos e crustáceos que habitam o Alto Golfo da Califórnia.

Segundo algumas pesquisas, o peixe é a presa fundamental na alimentação de Phocoena sinus, representando 87,5% de sua dieta. Depois, há a lula, com 37,5%, e finalmente os crustáceos, representando 12,5% da ingestão.

De preferência, a vaca marinha captura espécies demersais, que vivem perto do fundo do mar. Eles também podem se alimentar de animais bentônicos, que se desenvolvem nas fundações do ecossistema aquático. Nos dois casos, os animais que compõem sua dieta estão localizados em águas rasas.

Seus hábitos estão associados em maior proporção aos fundos macios, onde há predominantemente um substrato argiloso-siltoso ou arenoso-argiloso-argiloso.

Entre alguns dos peixes que fazem parte da dieta estão o corvina ( Isopisthus altipinnis ) e o conhecido sapo ( Porichthys mimeticus ), bem como lulas como as espécies Lolliguncula panamensis e Lolliguncula diomediae.

Esses animais tendem a capturar suas presas perto das lagoas. Algumas de suas presas comuns são peixes teleósteos, entre os quais grunhidos, robalos e trutas marinhas.

Mugil caphalus

Este peixe, conhecido como lisa ou tainha, pertence à família Mugilidae. Eles são encontrados nas águas quentes do Alto Golfo da Califórnia. Lisa é uma das principais barragens da marina de vaquita.

O corpo do Mugil caphalus é robusto e alongado, com uma coloração verde-oliva no nível dorsal, prateado nas laterais e branco na parte ventral. Alimenta-se geralmente de algas localizadas no fundo do mar.

Esta espécie é agrupada formando escolas nas fundações da areia. Todas as suas características gastronômicas e de socialização combinam perfeitamente com as preferências bentônicas da marina vaquita.

Ecolocalização

Como o habitat da marina de vaquita é de águas turvas, pode ser difícil localizar sua presa, especialmente em períodos em que não há radiação solar suficiente.

Por esse motivo , Phocoena sinus desenvolveu evolutivamente um sistema sensorial chamado ecolocalização. Consiste na emissão de ondas sonoras curtas e agudas, que são repetidas a uma certa frequência na água. Assim, essas ondas viajam longas distâncias, colidem com objetos e retornam.

Os ecos são captados pela mandíbula inferior, transmitindo os sinais para o ouvido interno. Portanto, o impulso nervoso atinge o cérebro, onde é interpretado. Isso permite que a vaca marinha tenha um “desenho” em mente sobre a localização e tamanho da barragem, bem como o ambiente ao redor.

Comportamento

Comunicação

Os vaquitas marinhos emitem sons altos que eles usam para se comunicar. Eles também os usam para ecolocalização, permitindo que encontrem suas presas e naveguem livremente em seu habitat.

Comportamentos sociais

Este membro da família Phocoenidae é extremamente tímido e evasivo. Geralmente ela está sozinha, exceto quando a mulher tem um bebê. Nesse caso, ela cuidará dela e permanecerá com seus filhos por cerca de oito meses.

Em poucas ocasiões, eles foram vistos formando grupos de até 6 animais. Por serem políginos, durante a estação de acasalamento, os machos podem se tornar agressivos. Isso está relacionado à competição entre homens e mulheres.

A vaca marinha não realiza piruetas fora da água. Eles emergem para a superfície se movendo muito lentamente, sem perturbar a água. Quando acordam, respiram e mergulham rapidamente e silenciosamente. Tudo isso é feito em segundos, sem espirrar água, pulando ou pulando.

Esse comportamento dificulta a observação da vaca marinha dentro de seu habitat natural. Outro comportamento é que eles evitam barcos, não se aproximam deles. Esse aspecto é contrário ao dos golfinhos, embora ambos pertençam à ordem dos cetáceos.

Referências

  1. Landes, D. (2000). Phocoena sinus Diversidade Animal Web. Recuperado de animaldiversity.org.
  2. ITIS (2018). Phocoena Recuperado de itis.gov.
  3. Wikipedia (2018). Vaquita Recuperado de en.wikipedia.org.
  4. Semarnat (2003). Estratégia abrangente para gerenciamento sustentável de recursos marinhos e costeiros no Alto Golfo da Califórnia. Programa de ação para a conservação das espécies: Vaquita (Phocoena sinus). Governo Federal dos Estados Unidos Mexicanos. Recuperado de iucn-csg.org.
  5. PESCAS NOAA (2018). Ficha técnica do Vaquita. Recuperado de swfsc.noaa.gov.
  6. Daniela Alejandra Díaz García, Lina Ojeda Revah (2013). A Reserva da Biosfera do Alto Golfo da Califórnia e o Delta do Rio Colorado: planejamento territorial. Scielo Recuperado de scielo.org.mx.
  7. Comissão Nacional de Áreas Protegidas Naturais (2016) Reserva da Biosfera do Alto Golfo da Califórnia e Delta do Rio Colorado. Recuperado de simec.conanp.gob.mx.
  8. Agência EFE (2018). O México expande a área de proteção para a marina de vaquita. Recuperado do efe.com.
  9. Government of Mexico Press (2018). A área de abrigo da marina vaquita no Alto Golfo da Califórnia é ampliada. Recuperado de gob.mx.
  10. Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais, Governo do México (2017). Qual é a detecção acústica da marina vaquita? Recuperado do gob.mex.
  11. Lorenzo Rojas Bracho, Armando Jaramillo Legorreta, Edwyna Nieto García e Gustavo Cárdenas Hinojosa (2016). Caixa de pot-pourri / alfaiate da marina de vaquita. O dia ecológico. Recuperado de Jornada.com.mx.
  12. Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais, Governo do México (2017). Programa de conservação, recuperação, reprodução e repovoamento da marina de vaquita (phocoena sinus) em seu habitat. Recuperado de gob.mx.
  13. Campos Aguilar, M (2012). Interação acústica de cetáceos menores no Alto Golfo da Califórnia, México. Centro de Pesquisa Científica e Ensino Superior em Ensenada, Baja California. Recuperado de cicese.repositorioinstitucional.mx.
  14. Mónica Yanira Rodríguez Pérez (2013). Caracterização ambiental e estrutura trófica do habitat da marina de vaquita, phocoena sinus. Instituto Interdisciplinar do Instituto Politécnico Nacional de Ciências Marinhas. Recuperado de library.cicimar.ipn.mx.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies