Medicamentos alucinógenos: tipos, características e efeitos

Os medicamentos alucinógenos são substâncias psicoativas que alteram a percepção, o pensamento e as emoções de quem as consome. Existem diversos tipos de medicamentos alucinógenos, como o LSD, a psilocibina (presente em cogumelos mágicos) e a DMT. Cada um desses medicamentos apresenta características específicas em relação à intensidade dos efeitos alucinógenos, duração da experiência e potencial de causar danos à saúde. Os efeitos dos medicamentos alucinógenos podem variar desde sensações de euforia e intensificação das cores e formas até experiências de transcendência espiritual e alterações na percepção do tempo e do espaço. No entanto, o uso indiscriminado dessas substâncias pode levar a experiências negativas e desencadear episódios de ansiedade, paranoia e psicose. É importante ressaltar que o uso de medicamentos alucinógenos deve ser feito com responsabilidade e acompanhamento médico, a fim de minimizar os riscos à saúde e garantir uma experiência segura e controlada.

Tipos de drogas alucinógenas: conheça as substâncias que alteram a percepção e consciência.

As drogas alucinógenas são substâncias que têm a capacidade de alterar a percepção, a consciência e o humor das pessoas que as consomem. Essas substâncias podem causar experiências sensoriais intensas, distorções na realidade e até mesmo alucinações. Existem vários tipos de drogas alucinógenas, cada uma com suas próprias características e efeitos.

Uma das drogas alucinógenas mais conhecidas é o LSD, ou dietilamida do ácido lisérgico, que é sintetizado a partir de um fungo chamado ergot. O LSD é conhecido por causar intensas alucinações visuais e auditivas, além de alterações no pensamento e na percepção do tempo. Outro exemplo de droga alucinógena é a psilocibina, encontrada em cogumelos mágicos, que também causa alucinações e mudanças na percepção.

Outras drogas alucinógenas incluem a mescalina, encontrada no cacto peiote, e o DMT, presente na ayahuasca. Todas essas substâncias têm em comum o fato de alterarem a percepção e a consciência do usuário, muitas vezes levando a experiências espirituais ou introspectivas profundas.

É importante ressaltar que o uso de drogas alucinógenas pode ser perigoso e causar danos à saúde mental e física do indivíduo. Além disso, essas substâncias podem ser viciantes e causar dependência. Por isso, é fundamental buscar ajuda profissional caso você ou alguém que você conheça esteja enfrentando problemas com o uso de drogas alucinógenas.

Conheça os diferentes tipos de drogas alucinógenas e seus efeitos no organismo humano.

Os medicamentos alucinógenos são substâncias capazes de alterar a percepção, o humor e a consciência de quem as consome. Existem diferentes tipos de drogas alucinógenas, cada uma com características específicas e efeitos distintos no organismo humano.

Um dos tipos mais conhecidos de drogas alucinógenas são os cogumelos mágicos, que contêm psilocibina. A psilocibina é uma substância que atua no cérebro, causando alucinações visuais e auditivas, além de intensificar as emoções e sensações físicas do indivíduo.

Outro tipo de alucinógeno são as substâncias sintéticas, como o LSD (dietilamida do ácido lisérgico). O LSD é uma droga poderosa, capaz de provocar alucinações intensas e distorções sensoriais, podendo levar a alterações na percepção do tempo e do espaço.

Além disso, temos os entactógenos, como o MDMA (ecstasy), que são drogas que combinam propriedades alucinógenas com efeitos estimulantes e empatogênicos. O MDMA pode alterar a percepção sensorial, aumentar a empatia e a sociabilidade, mas também pode causar efeitos adversos como aumento da temperatura corporal e desidratação.

É importante ressaltar que o uso de medicamentos alucinógenos pode trazer riscos à saúde, como crises de pânico, psicose e até mesmo danos cerebrais. Por isso, é fundamental ter consciência dos efeitos dessas substâncias e buscar orientação médica caso haja necessidade de tratamento.

Medicamentos que podem causar alucinações: conheça quais são os principais em uso.

Os medicamentos alucinógenos são substâncias que podem causar distorções na percepção da realidade, levando a experiências sensoriais intensas e muitas vezes perturbadoras. Alguns medicamentos comuns podem ter esse efeito, seja de forma intencional ou como um efeito colateral não desejado.

Entre os principais medicamentos que podem causar alucinações estão os antidepressivos, os antipsicóticos e os analgésicos. Os antidepressivos, por exemplo, podem causar alucinações visuais ou auditivas em alguns pacientes, especialmente em doses elevadas.

Os antipsicóticos, por sua vez, são medicamentos utilizados no tratamento de transtornos mentais como a esquizofrenia, mas também podem causar alucinações em alguns casos. Já os analgésicos, como os opioides, podem levar a experiências alucinatórias quando utilizados em doses muito altas.

É importante ressaltar que nem todas as pessoas que tomam esses medicamentos terão alucinações, e que os efeitos podem variar de acordo com a dose, a duração do tratamento e as características individuais de cada paciente. Por isso, é fundamental sempre seguir as orientações médicas e relatar qualquer sintoma incomum durante o uso de medicamentos.

Relacionado:  Como ajudar um Ludopath: 10 dicas eficazes

Por isso, é essencial conhecer os principais em uso e estar atento aos sinais de alucinações para buscar ajuda médica quando necessário.

Conheça os 10 tipos de drogas mais comuns e seus efeitos no organismo.

Os medicamentos alucinógenos são substâncias que alteram a percepção, o humor e o pensamento de quem as consome. Existem diferentes tipos de drogas alucinógenas, cada uma com características e efeitos específicos no organismo.

Entre os medicamentos alucinógenos mais comuns estão o LSD, a psilocibina, a mescalina e o MDMA. O LSD é conhecido por causar alucinações intensas e distorções sensoriais, enquanto a psilocibina, encontrada em cogumelos mágicos, pode provocar sensações de euforia e conexão espiritual.

A mescalina, presente no cacto peiote, também é um alucinógeno potente, capaz de alterar a percepção da realidade e induzir estados alterados de consciência. Já o MDMA, popularmente conhecido como ecstasy, é uma droga sintética que combina efeitos estimulantes com alucinógenos, resultando em sensações de empatia e bem-estar.

Além dessas substâncias, existem outros medicamentos alucinógenos menos conhecidos, como o DMT, a ayahuasca e a salvia divinorum. O DMT é um poderoso alucinógeno encontrado em algumas plantas e é conhecido por induzir viagens intensas e curtas. Já a ayahuasca, uma bebida feita a partir de plantas amazônicas, é utilizada em rituais xamânicos para promover experiências espirituais profundas.

A salvia divinorum é uma planta mexicana que contém substâncias alucinógenas e é usada tradicionalmente em cerimônias de cura e introspecção. Seus efeitos são rápidos e intensos, podendo causar distorções na percepção do tempo e do espaço.

É importante estar ciente dos riscos e dos efeitos dessas drogas, buscando sempre informações seguras e acompanhamento profissional em caso de uso.

Medicamentos alucinógenos: tipos, características e efeitos

Os alucinógenos são um tipo de drogas que estão sendo consumidos podem causar alguma experiência alucinatória ou distorções da realidade.De fato, esse tipo de medicamento integra o que é chamado de substâncias perturbadoras do sistema nervoso central, ou seja, são medicamentos que, quando atingem o cérebro, causam alterações no funcionamento neuroquímico.

No entanto, os efeitos que podem produzir esse tipo de substância são múltiplos. Da mesma forma, existem diferentes tipos de drogas alucinógenas, algumas mais viciantes que outras , cada uma com certas características e efeitos.

Medicamentos alucinógenos: tipos, características e efeitos 1

O que são drogas alucinógenas?

Drogas alucinogênicas são substâncias que, quando consumidas, afetam a capacidade das pessoas de perceber a realidade e podem causar distúrbios sensoriais graves ou até alucinações muito vivas.

Assim, o consumidor desse tipo de substância pode sofrer distorções de sua percepção, ver diminuída a capacidade de distinguir entre realidade e fantasia e sofrer um aumento na intensidade de suas reações emocionais.

De fato, o forte impacto que essas substâncias podem produzir nos sistemas perceptivos da pessoa pode fazê-la mudar rapidamente de um estado de humor para outro.

Por outro lado, deve-se notar que, quando um medicamento alucinógeno é consumido, seus efeitos são imprevisíveis, variando de alucinações, afastamento da realidade, exaltação ou mesmo movimentos violentos ou reações de pânico.

Assim, embora cada medicamento alucinógeno contenha certas características, os efeitos que uma pessoa pode causar ao consumi-lo dependem de um grande número de fatores impossíveis de prever.

Essa grande variabilidade dos efeitos dos alucinógenos geralmente não está presente em outros tipos de medicamentos mais previsíveis.

Por exemplo, os efeitos produzidos envenenamento álcool, consumo de tabaco, ou a administração da droga difícil como cocaína s Uelen ser conhecida e, sobretudo, menos imprevisível.

No entanto, o que se sabe sobre drogas alucinógenas é boa parte de seu mecanismo de ação quando introduzido no cérebro .

Os alucinógenos produzem seus efeitos através de uma interrupção da interação das células nervosas e do neurotransmissor da serotonina .

Esta substância (serotonina) é distribuído ao longo de muitas regiões de ambos cerebral da medula espinal , e é responsável por executar tarefas múltiplas cérebro.

O controle dos sistemas comportamentais, a percepção, a regulação do humor , a fome, a temperatura corporal, o comportamento sexual ou o controle muscular e a percepção sensorial são atividades sujeitas à atividade da serotonina.

Assim, quando inserimos uma droga em nosso cérebro que pode modificar tão fortemente o funcionamento da serotonina, espera-se que qualquer uma das funções descritas acima possa ser alterada.

De onde vêm os alucinógenos?

Medicamentos alucinógenos: tipos, características e efeitos 2

A maioria dos medicamentos alucinógenos provém de cogumelos cultivados com muita frequência nos países da América Latina e da África.

Assim, a mescalina é extraída de cogumelos como o peiote cultivado no México . Outro fungo importante em Yagé, que vem da planta do Gabão, também conhecida como Tabernate iboga , cultivada na Colômbia e da qual a ibogaína é extraída .

Na Europa, você também pode encontrar plantas com esse tipo de propriedades, como o Amanita muscarina, um cogumelo alucinógeno usado em vários rituais.

No que diz respeito ao uso desse tipo de medicamento, o movimento hippie deve ser destacado como o “momento da descoberta” dos alucinógenos.

Com o surgimento do movimento hippie, os alucinógenos se consolidaram como uma forma de auto-exploração e introspecção que permitia à pessoa que o consumia entrar em contato direto com os mecanismos mentais do inconsciente.

Hoje, essas teorias ligadas à filosofia mística foram parcialmente abandonadas e o uso de drogas alucinógenas assumiu um significado mais recreativo e incitante à evasão.

Atualmente, o alucinogênio mais consumido na Europa é a dietilmina do ácido lesico, conhecido popularmente como LSD .

No entanto, o LSD não é o único medicamento com propriedades alucinógenas, uma vez que existem muitos outros capazes de produzir esses efeitos na função cerebral.

Assim, concordou-se em indicar 6 tipos diferentes de medicamentos alucinatórios: LSD, mescalina, ecstasy , fenciclidina, derivados da cannabis e dimetiltriptamina.

Drogas alucinogênicas mais comuns

A seguir, explicaremos cada uma dessas drogas e explicaremos quais efeitos e quais consequências seu consumo pode causar.

LSD

Medicamentos alucinógenos: tipos, características e efeitos 3

O LSD é a droga alucinogênica mais conhecida. É um material branco, inodoro e solúvel em água que é sintetizado a partir de ácido lisérgico, um composto derivado do fungo centeio.

Inicialmente, o LSD é produzido em forma cristalina, ou seja, é um cristal puro que pode ser triturado para ser transformado em pó.

Da mesma forma, o medicamento obtido pode ser misturado com agentes aglutinantes e adquirir uma forma de comprimidos que são popularmente conhecidos como tripis.

Por outro lado, o LSD pode ser dissolvido e diluído e aplicado a um papel ou outros materiais, que devem ser sugados para serem consumidos.

Finalmente, a forma mais conhecida que o LSD pode tomar para consumo é a conhecida como “ácido absorvente”, que consiste em impregnar folhas de papel com a substância da droga e perfurá-las em unidades quadradas.

Como podemos ver, as formas que esta droga pode adquirir são múltiplas, porém os efeitos que ela causa são muito semelhantes.

De fato, qualquer que seja a forma de consumo de LSD, esse é o alucinogênio mais potente conhecido atualmente, o que pode alterar o humor e os processos perceptivos com muita facilidade.

Da mesma forma, os efeitos da droga geralmente são muito duradouros. O consumo de baixas doses de LSD (30 microgramas) pode produzir efeitos que duram 8 ou 12 horas.

Como comentamos anteriormente, o efeito que essa droga causa no cérebro é baseado na interrupção dos receptores de serotonina, conhecidos como receptores 5-HT-.

Como vimos, a serotonina realiza atividades cerebrais muito importantes, estando envolvida em processos como pensamento, percepção, humor ou controle do comportamento, sono e apetite.

Assim, a modificação do funcionamento da serotonina pode induzir sensações como perda de realidade, alterações perceptivas, alucinações experimentadas ou mudanças bruscas de humor.

Os usuários de LSD chamam os efeitos da droga de “viagem”, que podem ser bons e ruins. De fato, os efeitos dessas substâncias são tão imprevisíveis que é praticamente impossível saber antes do consumo se os efeitos que elas causarão serão agradáveis ​​ou desagradáveis.

Isso é explicado porque as modificações que o LSD pode fazer no funcionamento interno da serotonina podem produzir ambas as sensações que são experimentadas como agradáveis ​​ou desagradáveis.

Dessa maneira, o humor pode ser aumentado, o controle muscular pode ser relaxado, podem ocorrer distorções perceptivas agradáveis ​​ou o humor pode ser agravado, a tensão e a ansiedade podem ser aumentadas e alucinações altamente desagradáveis.

Da mesma forma, o LSD também pode produzir efeitos fisiológicos, como aumento da pressão arterial, freqüência cardíaca, tontura, perda de apetite, boca seca, sudorese, náusea ou tremor.

Por outro lado, vale ressaltar a grande alteração emocional que esse medicamento produz, o que pode fazer com que o consumidor varie rapidamente de sentimentos de mido a sentimentos de euforia.

No que diz respeito às alucinações e distorções perceptivas, são efeitos que geralmente aparecem com o consumo de LSD.

De fato, o LSD tem efeitos dramáticos nos sentidos. As cores, os cheiros e os sons tendem a se intensificar bastante e, em alguns casos, o fenômeno da sinestesia pode aparecer, onde a pessoa pensa que ouve as cores e vê os sons.

Finalmente, deve-se levar em consideração que o consumo de LSD pode causar o aparecimento de distúrbios psicóticos devido à intoxicação, bem como distúrbios perceptivos alucinogênicos persistentes.

Relacionado:  Escopolamina (burundanga): sintomas e mecanismo de ação

Mescaline

Medicamentos alucinógenos: tipos, características e efeitos 4

A mescalina é um alcalóide do grupo feniletilamina com propriedades alucinogênicas.

A forma mais popular de consumo desta droga é por imersão ou mastigação de botões peiote. No entanto, a mescalina também pode se tornar um pó e até consumi-lo na forma de chá ou outra bebida.

Os efeitos produzidos por essas substâncias são muito semelhantes aos que acabamos de comentar sobre o LSD; portanto, é mantida a grande variabilidade das sensações que podem ser produzidas.

No entanto, os efeitos da mescalina tendem a ser mais duradouros e podem durar entre 10 horas e 3 dias.

Em doses baixas, a mescalina pode produzir sentimentos de relaxamento, enquanto os efeitos mais comuns do LSD geralmente aparecem com o consumo de doses mais altas.

Da mesma forma, propõe-se que esse medicamento possa causar menos distúrbios emocionais que o LSD.Normalmente, seu consumo começa com sentimentos de euforia, seguidos por sentimentos de relaxamento e distorções perceptivas.

Atualmente, é um medicamento de baixo consumo com efeitos muito imprevisíveis, mas seus mecanismos de ação são muito semelhantes aos do LSD, portanto, suas consequências podem ser igualmente devastadoras.

Ecstasy

Medicamentos alucinógenos: tipos, características e efeitos 5

O ecstasy, também conhecido como MDMA, é um medicamento empatogênico pertencente às classes de anfetaminas e feniletilamina.

O ecstasy é uma droga estimulante, por isso pode produzir alguns efeitos positivos, como estimulação mental, calor emocional, aumento de energia ou sensação de bem-estar.

No entanto, esses efeitos que a droga possui não são controlados, portanto os efeitos negativos sempre acabam se sobrepondo.

Assim, o ecstasy não pode ser considerado um medicamento benigno, pois os efeitos adversos que ele pode causar são múltiplos.

A maioria deles é comum com o LSD, como ansiedade, inquietação, irritabilidade, transtornos do humor, distúrbios do apetite e prazer sexual e alterações perceptivas.

Da mesma forma, o consumo de ecstasy demonstrou causar um claro declínio cognitivo. Estudos com primatas revelaram como uma administração de ecstasy por 4 dias causou disfunções cognitivas observáveis ​​6 anos depois.

Fenciclidina

Medicamentos alucinógenos: tipos, características e efeitos 6

Acdx [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

A fenciclidina, conhecido pela sua abreviatura PCP é um anestésico dissociativo que tem ambos os efeitos alucinógenos.

Normalmente, pode ser conhecido como pó de anjo, erva daninha ou pílula da paz e consiste em um pó cristalino solúvel em água ou álcool que geralmente é apresentado como um líquido amarelado, embora também possa ser solidificado e consumido por meio de pílulas.

No início dos últimos séculos, esse medicamento era utilizado como sedativo devido aos seus efeitos anestésicos, porém seu uso foi interrompido devido aos efeitos alucinógenos que originou.

O efeito da droga geralmente dura entre 4 e 6 horas e geralmente causa sentimentos de euforia seguidos de sedação, bem como distorções sensoriais, especialmente alucinações por toque e experiência.

Derivados da cannabis

Medicamentos alucinógenos: tipos, características e efeitos 7

A maconha é proveniente da planta cannabis sativa. Seu principal ativo é o THC , embora também tenha quantidades significativas de CBD. Geralmente é consumido fumado e, apesar de não ser considerado um medicamento alucinógeno, pode causar efeitos semelhantes.

A estrutura dessa droga é geralmente complexa, porém o THC geralmente causa distorções perceptivas elevadas e experimenta alucinações, enquanto o CBD geralmente causa sentimentos de relaxamento, aumento do apetite e sonolência.

O envenenamento agudo por maconha pode causar suspeitas graves, paranóia e reações de pânico, embora os efeitos da droga sejam geralmente muito variáveis ​​e, embora nem sempre sejam observadas alterações alucinogênicas, elas são frequentemente frequentes.

Dimetiltriptamina

Medicamentos alucinógenos: tipos, características e efeitos 8

O Dimetiltriptamina é um pouco fármaco conhecido que pertence à família triptamina. Este medicamento pode ser consumido fumado como base livre, bem como injetado ou inalado.

Seus efeitos geralmente duram entre 5 e 30 minutos e baseiam-se em sensações alucinógenas através da experimentação de uma grande intensidade subjetiva e da experiência de alucinações muito fortes e muito altas.

Referências

  1. BECOÑA, EI, RODRÍGUEZ, AL e SALAZAR, IB (Eds), Dependências de Drogas 1. Introdução Universidade de Santiago de Compostela, 1994
  2. BECOÑA, EI, RODRÍGUEZ, AL e SALAZAR, IB (Eds), Dependências de Drogas 2. Drogas legais. Universidade de Santiago de Compostela, 1995
  3. COOPER, JR, BLOOM, FL & ROTH, RH A base bioquímica da neurofarmacologia. Oxford University Press 2003
  4. KORENMAN, SG e BARCHAS, JD (Eds) Base Biológica do Abuso de Substâncias Oxford University Press, 1993
  5. SCHATZBERG AF, ​​NEMEROFF CB. O American Psychiatric Publishing Textbook of Psychopharmacology. American Psychiatric Publishing, Incorporado, 2003
  6. SNYDER, SH Drogas e cérebro Barcelona: Press.

Deixe um comentário