Memória episódica: características, funcionamento, estruturas

A memória episódica é um tipo de memória que nos permite lembrar de eventos específicos e experiências pessoais do passado. Ela é caracterizada pela capacidade de recordar não apenas o que aconteceu, mas também quando e onde ocorreu. Este tipo de memória é essencial para a nossa capacidade de relembrar acontecimentos importantes em nossas vidas e contribui para a construção da nossa identidade e história pessoal. A memória episódica é uma das várias formas de memória que compõem o sistema de memória humana, juntamente com a memória de trabalho e a memória semântica. Ela é suportada por estruturas cerebrais como o hipocampo e o córtex pré-frontal, que desempenham papéis cruciais no armazenamento, recuperação e processamento de informações episódicas.

Entenda o funcionamento da memória episódica em um breve guia explicativo.

A memória episódica é um tipo de memória que nos permite recordar eventos específicos que experimentamos em nossa vida. Ela é responsável por armazenar informações sobre situações, eventos e experiências pessoais, permitindo que possamos recordar detalhes como onde estávamos, com quem estávamos e o que estávamos fazendo em determinado momento.

Para entender o funcionamento da memória episódica, é importante compreender suas características e estruturas. A memória episódica está relacionada ao hipocampo, uma região do cérebro responsável pela consolidação e recuperação de memórias. Quando experimentamos um evento, o hipocampo codifica as informações em forma de memória episódica, associando diferentes aspectos da experiência para formar uma representação coerente.

Quando precisamos recordar um evento específico, o hipocampo atua como um “indexador”, recuperando as informações armazenadas e reconstruindo a experiência na nossa mente. É por isso que muitas vezes conseguimos lembrar detalhes de um evento passado, como se estivéssemos revivendo a situação.

Apesar de ser uma forma poderosa de memória, a memória episódica também pode ser vulnerável a distorções e esquecimentos. Fatores como emoções intensas, estresse e idade podem influenciar a precisão e consistência das recordações. Por isso, é importante compreender como a memória episódica funciona para ajudar a preservar e fortalecer nossas lembranças ao longo da vida.

Conheça os 4 tipos de memória e como cada um funciona em seu cérebro.

A memória episódica é um dos quatro tipos de memória que temos em nosso cérebro. Ela é responsável por armazenar informações sobre eventos específicos em nossa vida, como lembranças de viagens, festas de aniversário ou momentos importantes. A memória episódica é única, pois está relacionada à nossa capacidade de lembrar de experiências pessoais e contextualizadas no tempo e no espaço.

Quando lembramos de um evento passado, estamos acessando nossa memória episódica. Ela nos permite reviver mentalmente experiências passadas e nos ajuda a construir nossa identidade e compreensão do mundo. A memória episódica é fundamental para a nossa capacidade de aprender com experiências passadas e planejar para o futuro.

No cérebro, a memória episódica é processada em várias áreas, incluindo o hipocampo e o córtex pré-frontal. O hipocampo desempenha um papel crucial na formação de novas memórias episódicas, enquanto o córtex pré-frontal ajuda na organização e recuperação dessas memórias.

Ela é uma parte importante do nosso sistema de memória e contribui para a nossa capacidade de aprender, lembrar e planejar. É fundamental cuidar da nossa memória episódica para manter uma mente saudável e funcional ao longo da vida.

Estrutura da memória: como funciona e quais são suas principais características e funções.

A memória episódica é uma forma de memória que nos permite recordar eventos específicos e experiências pessoais em nossas vidas. Ela faz parte de um sistema mais amplo de memória, que inclui também a memória semântica e a memória procedural. A memória episódica é caracterizada pela capacidade de recordar detalhes específicos de um evento, como o local, o tempo, as pessoas envolvidas e as emoções associadas.

Em termos de funcionamento, a memória episódica envolve diferentes estruturas do cérebro, como o hipocampo e o córtex pré-frontal. O hipocampo desempenha um papel crucial na consolidação e recuperação das memórias episódicas, enquanto o córtex pré-frontal está envolvido no processo de organização e integração das informações relacionadas a um evento específico.

Uma das principais características da memória episódica é a sua natureza autobiográfica, ou seja, ela está ligada diretamente às experiências pessoais de cada indivíduo. Isso significa que as memórias episódicas são únicas e pessoais, refletindo a história e a identidade de cada um.

Relacionado:  Corpo caloso: anatomia, estrutura e funções (com imagens)

Além disso, a memória episódica desempenha um papel fundamental na construção da nossa consciência temporal, permitindo-nos viajar mentalmente no tempo e recordar eventos passados. Ela também está relacionada à capacidade de planejamento e antecipação, uma vez que nos permite aprender com experiências passadas e projetar cenários futuros.

Composta por diferentes estruturas cerebrais e caracterizada pela sua natureza autobiográfica, ela desempenha um papel crucial na construção da nossa identidade e na nossa capacidade de aprender com o passado e planejar o futuro.

Principais estruturas cerebrais envolvidas na memória: um guia completo para o seu funcionamento.

A memória episódica é um tipo de memória de longo prazo que nos permite recordar eventos específicos e experiências passadas. Ela envolve a capacidade de recordar não apenas o que aconteceu, mas também onde e quando ocorreu. Neste artigo, vamos explorar as principais estruturas cerebrais envolvidas na memória episódica e como elas funcionam.

Uma das principais estruturas cerebrais envolvidas na memória episódica é o hipocampo. Localizado no lobo temporal medial, o hipocampo desempenha um papel fundamental na consolidação e recuperação de memórias episódicas. Ele atua como uma espécie de “centro de comando” para a memória, ajudando a integrar informações sensoriais e contextuais para formar uma memória coerente.

Além do hipocampo, o córtex pré-frontal também desempenha um papel importante na memória episódica. Esta região do cérebro está envolvida no processo de codificação e recuperação de memórias autobiográficas, ajudando a contextualizar as experiências passadas e a atribuir significado a elas.

Outra estrutura cerebral crucial para a memória episódica é o córtex entorrinal. Esta região do cérebro está envolvida na transferência de informações entre o hipocampo e o córtex cerebral, desempenhando um papel essencial na formação e recuperação de memórias episódicas.

O hipocampo, o córtex pré-frontal e o córtex entorrinal são algumas das principais estruturas envolvidas nesse processo, desempenhando funções específicas para garantir que possamos lembrar com precisão e detalhes das nossas experiências passadas.

Memória episódica: características, funcionamento, estruturas

A memória episódica é o tipo de memória que se relaciona com eventos autobiográficos como tempos, lugares e emoções associadas com estas situações. Ou seja, constitui memória e conhecimento sobre contextos. Por exemplo, lembrar os eventos de um casamento faz parte da memória episódica.

A memória episódica é uma capacidade que permite que as pessoas se lembrem de todas as experiências, situações e eventos que experimentam ao longo de suas vidas. É caracterizado por ser capaz de evocar explicitamente. Ou seja, o armazenamento e a recuperação desse tipo de informação podem ser feitos de maneira literal.

Memória episódica: características, funcionamento, estruturas 1

Juntamente com a memória semântica , a memória episódica forma a memória declarativa, uma das duas principais subdivisões da memória humana. A memória declarativa é caracterizada por ser explícita, enquanto a memória processual forma o outro grande tipo de memória dos seres humanos e é implícita.

Características da memória episódica

Memória episódica é a memória usada para codificar experiências pessoais e recuperar conscientemente eventos e episódios do passado.

Este tipo de memória refere-se à memória de elementos que ocorrem em um determinado momento. Esse momento pode abranger tanto o passado recente (alguns minutos, algumas horas ou alguns dias antes) quanto o passado distante (meses e anos antes).

A memória episódica possui três características principais: temporalidade, informação de contexto e memória consciente.

Informação temporária

A memória episódica tem um caráter temporário. As informações que abrangem esse tipo de memória estão localizadas em um determinado momento no passado.

A contextualização temporal da memória episódica pode ser precisa ou vaga. Ou seja, é possível lembrar exatamente o momento em que os elementos memorizados aconteceram ou podem ser lembrados de maneira vaga e difusa.

Nos dois casos, os elementos lembrados fazem parte da memória episódica, desde que se refiram a experiências pessoais e eventos autobiográficos.

Informações de contexto

A memória episódica inclui informações espaciais e informações perceptivas. A memória incorpora elementos sobre o espaço e o contexto em que o evento ocorreu.

Relacionado:  Fisiopatologia da depressão: principais características

Aparência, forma ou cor são aspectos incorporados à memória episódica, razão pela qual a memória é sempre explícita.

Lembre-se consciente

Finalmente, a memória episódica é caracterizada por gerar uma memória totalmente consciente. A pessoa está ciente de ter vivido e experimentado o evento na primeira pessoa.

A recuperação da informação é sempre realizada de forma explícita e voluntária, para que os elementos da memória episódica não sejam armazenados no inconsciente.

Como é formada a memória episódica?

Para formar, esse tipo de memória passa por quatro processos:

Codificação

Codificação é o processo pelo qual as informações são representadas na memória. Quatro códigos diferentes participam do processo de codificação da memória episódica: ações visuais, acústicas, semânticas e motoras.

Diferentes sentidos participam da captura dos estímulos, que são codificados em diferentes códigos para se tornar parte da memória episódica.

Do ponto de vista evolutivo, a memória episódica se desenvolve no final da infância, atinge seu nível mais alto na idade adulta e se deteriora progressivamente na velhice. Em geral, os adultos têm maior capacidade de lembrar aspectos autobiográficos do que crianças e idosos.

No que diz respeito aos processos de codificação, a memória episódica possui três elementos principais: processamento, processamento e significado.

Quanto maior o processamento, melhor o armazenamento e a recuperação da memória. Isso significa que quanto mais tempo você estiver em contato com um tipo de informação, melhor se lembra.

Por esse motivo, o tempo de exposição do material afeta muito a memória. Quanto maior o tempo de exposição, melhor a memória e o reconhecimento. Por exemplo, um longo estágio em uma cidade será mais lembrado do que ter passado pouco tempo em outra cidade.

Por outro lado, alguns estudos mostraram que a prática distribuída é lembrada melhor do que a prática de massa. Ou seja, eventos que acontecem várias vezes em dias diferentes geralmente são lembrados melhor do que eventos que acontecem por um período de tempo, mas são apresentados apenas uma vez.

Processando ou Processando

A elaboração consiste na formação de memórias.

As informações produzidas superficialmente são aprendidas pior do que quando essas mesmas informações são processadas em um nível profundo. Existem dois tipos de processamento: visual (superficial) e semântico (profundo)

Por outro lado, quanto maior o período de apresentação do estímulo, melhor a memória.

A memória semântica também apresenta uma organização hierárquica. Quando as informações a serem retidas são apresentadas de maneira organizada hierarquicamente, sua retenção é melhor do que quando o material é apresentado sem organização.

Armazenamento

O armazenamento é o processo que permite que as informações capturadas e codificadas sejam armazenadas nas estruturas cerebrais. De acordo com as atuais abordagens neurobiológicas, o armazenamento de informações depende da mudança na conectividade das sinapses entre os neurônios cerebrais.

No entanto, existem algumas controvérsias ao determinar a operação do processo de armazenamento.

Uma teoria razoavelmente aceita é a postulada por Ebbinghaus, que afirmou que o esquecimento ocorre através do desuso. Se a informação armazenada não for usada, ela se deteriora com o tempo e o esquecimento ocorre.

Da mesma forma, a interferência, como McGeoch postulou, também é um elemento importante na determinação do armazenamento de informações. Os eventos que ocorrem entre o momento da aprendizagem e a memória subsequente podem levar ao esquecimento.

Recuperação

Para que a memória episódica cumpra sua função, uma vez que a informação é codificada e armazenada, ela deve ser recuperada. Caso contrário, a memória não será gerada e o processo de memorização falhará.

O processo de recuperação refere-se à atividade de recuperar conscientemente os elementos armazenados na memória.

Os sinais de recuperação desempenham um papel importante na memória episódica. Sinais eficazes que permitem recuperar o material armazenado anteriormente dão origem à operação da memória.

No entanto, a recuperação de informações também pode ser realizada sem sinais. Nesses casos, fala-se em recuperação livre, que, diferentemente da memória por chaves, possui apenas chaves contextuais.

Relacionado:  Escitalopram: características, efeitos colaterais, funções

Estruturas cerebrais envolvidas

A neurociência cognitiva concentrou-se em examinar quais funções cada região do cérebro desempenha e quais estruturas cerebrais participam do desempenho de cada atividade mental.

Lobo temporal medial

No caso da formação de novas memórias episódicas, é necessária a intervenção do lobo temporal medial. Essa estrutura inclui o hipocampo , a região do cérebro mais envolvida nos processos de memória.

Memória episódica: características, funcionamento, estruturas 2

Lobo temporal

Sem a intervenção do lobo temporal medial, seria possível gerar novas memórias processuais. Por exemplo, uma pessoa pode aprender a tocar piano, andar de bicicleta ou escrever.

Memória episódica: características, funcionamento, estruturas 3

Hipocampo

No entanto, sem a intervenção do lobo temporal medial, seria impossível lembrar os eventos experimentados durante o aprendizado. Por exemplo, uma pessoa poderia aprender a andar de bicicleta, mas não se lembraria de como o fez ou do que aconteceu quando praticou.

Por outro lado, o córtex pré-frontal , especificamente a parte do córtex pré-frontal correspondente ao hemisfério cerebral esquerdo, também está envolvido na geração de novas memórias episódicas.

Córtex pré-frontal

Memória episódica: características, funcionamento, estruturas 4

Especificamente, o córtex pré-frontal é responsável pela realização dos processos de codificação da memória semântica. Assim, as pessoas que apresentam essa região cerebral danificada são capazes de aprender novas informações, mas geralmente o fazem de maneira errada.

Mais comumente, indivíduos com um córtex pré-frontal danificado são capazes de reconhecer um objeto que viram no passado, mas apresentam dificuldades em lembrar onde e quando o viram.

Nesse sentido, várias investigações mostraram que o córtex pré-frontal é responsável pela organização da informação para facilitar o armazenamento mais eficiente. Dessa maneira, ele cumpriria um papel dentro do escopo da função executiva.

No entanto, outros estudos sugerem que o córtex pré-frontal estaria mais envolvido no desenvolvimento de estratégias semânticas que favoreçam a codificação da informação, como o estabelecimento de relações significativas entre os conteúdos já aprendidos e as novas informações.

Em resumo, a memória episódica parece ser realizada por duas estruturas cerebrais principais: o lobo temporal medial e o córtex pré-frontal. No entanto, a operação e a atividade deste último são um pouco mais controversas hoje.

Patologias associadas

Atualmente, várias patologias foram descritas que podem causar problemas de memória episódica. A maioria dessas doenças é caracterizada por afetar as estruturas cerebrais discutidas acima.

Autismo

A revisão dos estudos comportamentais do autismo sugere que essa patologia poderia causar danos seletivos ao sistema límbico-pré-frontal da memória episódica.

A relação entre autismo e distúrbios na memória episódica não está claramente estabelecida, mas os sujeitos com essa patologia frequentemente apresentam problemas na memória de eventos autobiográficos.

Amnésia

Amnésia é um termo amplo que se refere à perda de memória. Essa alteração geralmente produz déficits significativos na memória episódica.

Alzheimer

A doença de Alzheimer é uma patologia neurodegenerativa que geralmente afeta o hipocampo e não outras regiões do cérebro. O principal sintoma da patologia é a perda de memória, afetando amplamente a memória episódica.

Síndrome de Korsakoff

A síndrome de Korsakoff é uma doença causada por um déficit de vitamina b1. Geralmente se manifesta em indivíduos que se apresentam com alcoolismo crônico e, entre seus amplos sintomas, há uma condição notável de memória episódica.

Memória autobiográfica

A memória autobiográfica está incluída na memória episódica e refere-se a representações pessoais de eventos gerais ou específicos e experiências pessoais.

A memória autobiográfica também inclui a memória de um indivíduo da própria história da pessoa e é caracterizada por apresentar um caráter construtivo e um alto nível de confiabilidade.

Referências

  1. Eacott MJ, Easton A., Zinkivskay A. (2005). «Recordação em uma tarefa de memória tipo episódio no rato».Mem. (Em inglês) 12 (3): 221-3.
  2. Griffiths D, Dickinson A, Clayton N (1999). “Memória do episódio: do que os animais se lembram do passado?” Tendências em ciências cognitivas . 3 (2): 74–80.
  3. Suddendorf T (2006). «Previsão e evolução da mente humana». Ciência . 312 (5776): 1006-7.
  4. Terry, WS (2006). Aprendizado e memória: princípios, processos e procedimentos básicos . Boston: Pearson Education, Inc.

Deixe um comentário