Mioclonia: sintomas, tipos, causas e tratamento

A mioclonia ou mioclonia são contrações ou solavancos repentinos de um músculo ou grupo de músculos. As pessoas que os experimentam não podem controlar esses espasmos, ou seja, são involuntários.O termo mioclonia pode ser dividido em “mina”, que significa músculo, e “clones” ou “clones” que significam “agitação”.

No mioclono, pode haver contração muscular (chamada mioclonia positiva) e relaxamento muscular repentino e descontrolado (chamado mioclonia negativa). Este último pode fazer com que a pessoa caia ao perder o tônus ​​muscular que a manteve em pé.

Mioclonia: sintomas, tipos, causas e tratamento 1

Sua frequência também varia, podendo ocorrer isoladamente ou muitas vezes em pouco tempo.Mioclonia aparece por uma ampla variedade de causas, embora também seja experimentada por pessoas saudáveis.

Por exemplo, quando temos soluços, estaríamos tendo um mioclono. Como acontece quando ficamos com medo ou adormecemos e nos causamos espasmos em um braço ou perna. São situações completamente normais que não são um problema.

No entanto, o mioclono em outros contextos pode ser um sintoma de alguma doença ou intoxicação. Nesses casos, geralmente são causados ​​por distúrbios do sistema nervoso, como epilepsia, distúrbios metabólicos ou reações a medicamentos. Eles geralmente são caracterizados por afetar mais de uma parte do corpo e ocorrem com mais frequência.

Nos casos mais graves, o mioclono pode afetar o equilíbrio e os movimentos, interferindo nas atividades cotidianas, como caminhar, conversar ou comer.

Para controlar a mioclonia, a melhor opção é tratar o problema subjacente. No entanto, se a causa for desconhecida ou não puder ser tratada especificamente, o tratamento será focado na melhoria da qualidade de vida do paciente.

Sintomas

Mioclonia se apresenta como contrações, espasmos ou espasmos nos músculos involuntários. Eles podem aparecer em apenas um membro ou atingir todo o corpo. O paciente pode indicar que sente um choque incontrolável, como se tivesse recebido um choque elétrico.Mioclonia geralmente tem as seguintes características:

– Eles são involuntários.

De repente.

– curta duração.

– Eles variam em frequência e intensidade.

– Eles podem ocorrer em todo o corpo ou em uma parte.

– Pode ser muito intenso e afetar atividades como caminhar, comer ou conversar.

Tipos

O mioclonia é geralmente dividido em várias categorias para facilitar seu tratamento. Os tipos de mioclonia são:

Mioclonia fisiológico

Este tipo ocorre em pessoas saudáveis ​​e muito raramente requer tratamento. Entre eles, está o mioclono do sono, ou seja, aqueles empurrões involuntários que temos quando adormecemos.

Relacionado:  Balão pálido: características, função, anatomia

Outros exemplos podem ser soluços, que são contrações do diafragma. Além de espasmos devido à ansiedade ou exercício físico, o choque de choque (susto), bem como os espasmos musculares que os bebês sofrem após uma refeição.

Mioclonia essencial

Esse tipo ocorre por si só, ou seja, sem nenhuma anormalidade no sistema nervoso central ou nos nervos. Este tipo de mioclonia é geralmente estável e não se intensifica com o tempo.

A causa desse tipo de mioclonia é geralmente desconhecida, embora possa ser herdada porque, em alguns casos, é repetida na mesma família. Alguns acreditam que pode ser uma forma de epilepsia cuja causa não pode ser detectada.

Mioclonia de ação

Isso é gerado ou intensificado quando a pessoa se move voluntariamente ou pretende se mover. Este tipo de mioclonia é o mais grave.

Pode afetar as extremidades e a face, gerando uma grande incapacidade. Geralmente é devido à falta de oxigênio ou sangue no cérebro.

Mioclonia palatal

É uma contração rápida e regular do palato mole. A maioria dos casos ocorre em adultos e tem duração indeterminada. As pessoas afetadas podem sentir um clique no ouvido quando a contração ocorre.

Epilepsia mioclônica progressiva

É um conjunto de epilepsias que são caracterizadas por mioclonia em várias partes do corpo. Eles são acompanhados por convulsões tônico-clônicas generalizadas (devido à atividade elétrica alterada em todo o cérebro). Bem como alucinações visuais e degeneração neurológica progressiva. Também é frequentemente difícil andar e conversar.

Epilepsia Mioclônica Juvenil

É um tipo de epilepsia que geralmente surge na adolescência. É caracterizada por episódios de agitação intensa principalmente nos membros superiores.

É um dos tipos mais comuns de epilepsia e pode aparecer em 1 indivíduo em 1000. Esses pacientes respondem muito bem ao tratamento, desaparecendo em mais de 80% dos casos.

Mioclonia do reflexo cortical

Eles são considerados um tipo de epilepsia que afeta o neocórtex cerebral, ou seja, a camada mais externa do cérebro. Geralmente ocorre apenas em músculos específicos do corpo, embora possa cobrir muitos músculos. Aparentemente, sua aparência é facilitada com certos movimentos ou sensações.

Mioclonia do reflexo reticular

Aparentemente, é um tipo de epilepsia que ocorre no tronco cerebral. Normalmente, as contrações são observadas em todo o corpo, afetando igualmente os dois lados. Pode surgir tanto por um movimento voluntário quanto pelo surgimento de um estímulo externo.

Relacionado:  Neocórtex: função, estrutura e patologia

Mioclonia sensível a estímulos

Eles aparecem por estímulos externos repentinos, como luzes, ruído ou movimento. Isso é comum na epilepsia fotossensível.

Síndrome de Opsoclono-Mioclonia

É um distúrbio neurológico muito raro que se destaca por movimentos oculares rápidos chamados opsoclones, além de mioclonia, falta de coordenação, irritabilidade e cansaço. Sua causa geralmente consiste em tumores ou infecções virais.

Mioclonia secundária ou sintomática

Este tipo de mioclonia ocorre como resultado de uma condição subjacente. Alguns exemplos são Parkinson, lesões no sistema nervoso central, tumores ou doença de Huntington. A seção a seguir descreve um pouco mais.

Causas

Não se sabe exatamente por que o mioclono é devido. Tipicamente, o mioclono ocorre quando os impulsos elétricos alterados atingem um músculo ou um grupo de músculos.

Esses impulsos vêm do córtex cerebral, do tronco cerebral ou da medula espinhal. No entanto, eles também podem surgir de danos nos nervos (no sistema nervoso periférico ).

Há uma variedade de condições que estão ligadas ao mioclonia. Algumas delas são:

Epilepsia.

– Lesões cerebrais ou da medula espinhal.

– Curso (curso).

– tumores cerebrais.

– Hipóxia (lesões cerebrais que aparecem devido à falta de oxigênio por um período prolongado).

– Doença de Huntington.

– Esclerose múltipla.

– Mioclonia pode ser um sintoma precoce da doença de Creutzfeldt-Jakob.

– doença de Alzheimer.

– Doença de Parkinson, devido à degeneração dos gânglios da base , envolvidos no movimento.

– Demência com corpos de Lewy.

– Degeneração corticobasal.

– Demência frontotemporal.

– Atrofia sistêmica múltipla.

– condições genéticas.

– Compromisso hepático ou renal.

– Intoxicação por produtos químicos, medicamentos ou drogas. Alguns exemplos são metais pesados, brometo de metila, levadopa, carbamazepina, opióides ou antidepressivos tricíclicos (em altas doses).

Infecções.

– distúrbios metabólicos. Por exemplo, hiperglicemia ou hipoglicemia (níveis de açúcar no sangue muito altos ou muito baixos), falta de magnésio ou sódio.

Diagnóstico

Geralmente, o mioclono é detectado através da revisão do histórico médico do paciente e da realização de um exame físico. Uma eletroencefalografia (EEG) também pode ser necessária para registrar a atividade elétrica do cérebro e determinar qual área está causando essas alterações.

Relacionado:  Atrofia cerebral: características, sintomas e causas

Por outro lado, uma eletromiografia (EMG) também é recomendada. Este teste mede a atividade elétrica dos músculos, observando as características do mioclônio e sua origem.

A ressonância magnética (RM) é útil para verificar se há problemas estruturais no cérebro ou na medula espinhal que estão causando mioclonia.

Testes de laboratório, como exames de sangue ou urina, são usados ​​para detectar a presença de drogas ou toxinas, distúrbios metabólicos, diabetes ou doenças renais ou hepáticas.

Tratamento

A eficácia do tratamento depende da possibilidade de determinar a causa subjacente do mioclonia e se é reversível. Desse modo, tratando a origem do problema, o mioclono seria interrompido.

No entanto, na maioria dos casos, as causas exatas não podem ser detectadas. Portanto, o tratamento visa aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Geralmente, medicamentos tranquilizantes, como o clonazepam, são usados ​​no tratamento da mioclonia. No entanto, este medicamento tem vários efeitos colaterais, como sonolência ou perda de coordenação.

Anticonvulsivantes como levetiracetem, ácido valorico e primidona também são usados. Esses medicamentos também têm efeitos colaterais, como náusea, tontura ou fadiga.

Outras terapias usadas são injeções de botox nas áreas afetadas. Isso é útil quando existe uma área específica em que o mioclônio ocorre, uma vez que os mensageiros químicos que geram contrações musculares estão bloqueados.

Nos casos em que mioclonia ocorre como resultado de um tumor ou lesão cerebral, a cirurgia pode ser recomendada.

Recentemente, a estimulação cerebral profunda está sendo usada. É um neuroestimulador implantado cirurgicamente que transmite sinais elétricos para áreas do cérebro que controlam o movimento. Seu objetivo é bloquear os estímulos nervosos anormais produzidos pelo mioclonia.

Referências

  1. Mioclonia geral. (sf). Recuperado em 8 de abril de 2017, de WebMD: webmd.com.
  2. Gonzalez-Usigli, H. (fevereiro de 2017). Mioclonia Obtido no Manual do MSD: msdmanuals.com.
  3. Mioclonia (sf). Retirado em 8 de abril de 2017, da Mayo Clinic: mayoclinic.org.
  4. Mioclonia (sf). Recuperado em 8 de abril de 2017, da Wikipedia: en.wikipedia.org.
  5. Mioclonia (contração muscular). (sf). Retirado em 8 de abril de 2017, da Cleveland Clinic: /my.clevelandclinic.org.
  6. Ficha informativa sobre mioclonia. (sf). Retirado em 8 de abril de 2017, do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame: ninds.nih.gov.
  7. Síndrome de Opsoclono-mioclonia. (sf). Recuperado em 8 de abril de 2017, no Centro de Informações de Doenças Genéticas e Raras: rarediseases.info.nih.gov.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies