Nahui Olin: biografia, poesia e pintura

María del Carmen Mondragón Valseca (1893-1978), mais conhecida no mundo literário e artístico como Nahui Olin, foi poeta e pintora mexicana. Sua vida foi marcada desde tenra idade por artes e letras, graças em grande parte à influência de sua mãe.

O trabalho pictórico de Nahui Olin caracterizou-se por ser criativo e natural, enquadrado na corrente ingênua. No caso de sua poesia, ele teve a particularidade de desenvolver aspectos relacionados à mulher e ao feminismo, o que lhe deu notoriedade pelo tempo em que a realizou.

Nahui Olin: biografia, poesia e pintura 1

Carmen Mondragón (Nahui Olin). Fonte: Mexdoomer [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons

A vida deste artista mexicano foi caracterizada por estar cheia de experiências intensas. Ele sofreu a perda de vários entes queridos e passou por alguns relacionamentos amorosos fracassados. Nahui Olin deixou traços tanto no movimento artístico quanto no movimento em favor da mulher e de seus direitos.

Biografia

Nascimento e família

María del Carmen nasceu em 8 de julho de 1893 na cidade de Tacubaya, na Cidade do México. Veio de uma família culta e de boa posição econômica. Seus pais eram os militares Manuel Mondragón e Mercedes Valseca, que pertenciam à alta sociedade mexicana.

Estudos

Em 1897, Nahui e sua família foram morar em Paris por causa do trabalho de seu pai, ele viveu lá até os doze anos de idade. Seus primeiros anos de estudo foram em um internato francês, onde recebeu aulas de teatro, dança, literatura e pintura.

Casamento

Nahui voltou ao México depois de viver mais de uma década na Europa. Pouco depois de chegar, ele se tornou amigo do então cadete (mais tarde pintor) Manuel Rodríguez Lozano. Então eles começaram um relacionamento romântico e em 1913 eles se casaram.

Os noivos foram morar em Paris e rapidamente se relacionaram com a vida cultural da cidade. Quando a Primeira Guerra Mundial começou em 1914, eles partiram para a Espanha, onde se dedicaram à pintura. O casal concebeu um filho que morreu afogado quando bebê.

De volta ao México

O casamento tomou a decisão de retornar ao México após a morte do filho, em busca de novos ares. A partir de 1921, o relacionamento começou a enfraquecer e no ano seguinte eles se separaram. Naquele momento, Nahui Olin iniciou um caso com o pintor Gerardo Murillo Cornado, conhecido como “Dr. Atl. “

A chegada da artista em seu país causou alvoroço na sociedade, devido ao seu modo de ser e de pensar. Naqueles anos, dedicou-se a conhecer e se relacionar com os movimentos artísticos que predominavam no México e entrou em contato com as personalidades mais importantes.

Musa inspiradora

O estilo provocante e ousado de Nahui foi uma fonte de inspiração para vários artistas. Ele foi modelo do pintor Rosario Cabrera López e do francês Jean Charlot. Ela também posou nua para vários fotógrafos da época e fez amizade com Frida Kahlo, Xavier Villaurrutia e Tina Modotti, para citar alguns.

Ativismo artístico

Durante os anos 20, o artista permaneceu totalmente ativo no trabalho cultural. Por seu lado, o relacionamento que começou com o Dr. Atl continuou a avançar por alguns anos. Foi nessa época que ele tomou a decisão de adotar o nome artístico de Nahui Olin.

Nahui Olin: biografia, poesia e pintura 2

Manuel Mondragón, pai do poeta. Fonte: Enviado por Usuário: Tatehuari em 15 de dezembro de 2006 [Domínio público], via Wikimedia Commons

Este nome teve sua origem na língua nahuatl e tem o significado “movimento perpétuo”. Estava relacionado à criação do mundo e seus cinco estágios evolutivos, de acordo com a cultura indígena mexicana. Por outro lado, Modragón o associou ao seu contínuo crescimento profissional.

Novos amores

No final dos anos 20, Nahui Olin encerrou o relacionamento amoroso que ele teve com o Dr. Atl. Depois, teve um caso efêmero com o cartunista Matías Santoyo e juntos foram a Hollywood tentar a sorte. No entanto, ele rejeitou vários personagens no cinema porque não queria ser considerado um símbolo sexual.

Depois de pouco tempo, o relacionamento com Santoyo terminou e um caso começou com um capitão chamado Eugenio Agacino. Eles viajaram para a América e Europa, lugares onde ela ofereceu concertos para piano e desenvolveu várias exposições de arte.

Ideal feminista

Morar na Europa há muito tempo fez de Maria Mondragón um ser evoluído, com ideais avançados sobre os direitos das mulheres. Isso a motivou em 1935 a criar a Liga Feminista de Combate à Toxicodependência.

O objetivo dessa instituição era acabar com os vícios de drogas e álcool, para alcançar uma sociedade melhor. O poeta também lutou pela inclusão das mulheres indígenas na sociedade urbana e pelo direito das mulheres ao voto e à educação.

Perda dolorosa

Nahui Olin sofreu a morte de Eugenio Agacino, que ficou seriamente intoxicado depois de comer comida do mar que estava quebrado. A dor pela perda fez com que a artista se refugiasse na escrita e na pintura, então ela decidiu não ter mais vida social.

Últimos anos e morte

Maria del Carmen Mondragón (ou Nahui Olin) passou a última década de sua dedicação à pintura. Ele trabalhou como professor em uma escola na Cidade do México e o Instituto de Belas Artes lhe concedeu uma bolsa de estudos que o ajudou a ficar financeiramente.

Seus últimos anos de vida foram gastos na casa da família de Tacubaya, onde em épocas anteriores ele passou seus primeiros quatro anos de infância. Naquele local, ele morreu em 23 de janeiro de 1978, aos 84 anos. Seus restos mortais foram enterrados no renomado Panteão Espanhol da capital mexicana.

Poesia

Maria del Carmen Mondragón cresceu cercada de literatura graças ao conhecimento e influência de sua mãe. Isso despertou nela o gosto pela escrita, especialmente a poesia. Embora seu trabalho poético não fosse extenso, ele conseguiu se posicionar como um dos principais intelectuais do século XX.

Seus poemas foram caracterizados pelo uso de uma linguagem culta, precisa e ponderada. Em muitos de seus versos, ele usou metáforas e comparações para impressioná-las com mais beleza e intensidade. Ele desenvolveu um tema relacionado às mulheres e o direito de ser livre em todas as áreas de sua vida.

A seguir, são conhecidas as obras poéticas do autor:

– Óptica cerebral, poemas dinâmicos (1922).

– Câlinement je suis dedans (1923).

– À escola de ensino médio (1924).

– Nahui Olin (1927).

– energia cósmica (1937).

Nahui Olin: biografia, poesia e pintura 3

Manuel Rodríguez Lozano, primeiro amor e marido do poeta. Fonte: Tina Modotti [Domínio público], via Wikimedia Commons

– Nahui Olin: sem começo nem fim. Vida, obra e várias invenções (edição póstuma, 2012). Compilação de vários de seus poemas pela Universidade Autônoma de Nuevo León.

Fragmentos de alguns de seus poemas

“A areia que cobre a pirâmide de bronze”

“A areia que cobre a pirâmide de bronze,

É a areia de um deserto que aterroriza

– E quando sobe, pesa como uma enorme onda que esmaga –

e sobe para cobrir o bronze da pirâmide

– Isso não tem espírito –

e seu assunto é enterrado sem defesa

Sob a força da areia de um deserto aterrorizante.

De um deserto que ocupa um espaço minúsculo

em um enorme continente,

de um deserto que queima matéria que não tem espírito.

O assunto que está enterrando a areia que cobre a pirâmide de bronze ”.

“Supremo egoísmo”

“O supremo egoísmo é o desejo inesgotável,

a ambição excessiva de viver isolado,

egoísmo supremo – satisfação cerebral

Não há nada mais interessante do que o mundo que temos dentro

– não há nada mais ilimitado que o nosso espírito,

e não devemos procurar outra força ou poder

viver ou produzir: você precisa fertilizar suas próprias entranhas e dar à luz –

Finja obter força de todas as coisas e expresse-a,

É impotência, fraqueza, nulidade.

Chega de si mesmo

é a eliminação de toda necessidade

– A solução do problema intelectual -… ”.

Energia Cósmica (1937)

A seguir, um fragmento da reflexão que o escritor fez sobre a teoria da relatividade de Albert Einstein:

“Totalidade”

“A compreensão da totalidade é equivalente a usar com a força consciente, o cérebro a força única, o mistério ou problema da existência do infinito e criar um infinito consciente em cada infinito de moléculas…

“A força que poderíamos usar para liberar nossa miséria e nosso desamparo são pequenas partículas de beleza, movimento que distrai a visão, o pensamento e absorve a matéria de nosso ser, por assim dizer …

“… porque se movermos um pedacinho deste grande aparato – o universo – o todo tomou esse movimento multiplicado pelo esforço daquilo que se move através do nosso movimento …”.

Pintura

A obra pictórica de María Mondragón (Nahui Olin) foi enquadrada dentro do ingênuo movimento artístico. Portanto, suas pinturas foram caracterizadas por serem criativas e expressivas, cheias de cores vibrantes. Suas pinturas deram aos espectadores a liberdade de serem interpretados ou compreendidos.

A artista era responsável por se retratar, exaltando principalmente a cor verde dos olhos. Em muitas de suas pinturas, ele expressou seu país a partir de sua perspectiva, sem descurar as características sensuais e eróticas de sua personalidade.

Referências

  1. Carmen Mondragón (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  2. Francesc, J. (2018). Maria del Carmen Mondragón Valseca (Nahui Olin), 1893-1978. México: Centro Vicente Lombardo Toledano de Estudos Filosóficos, Políticos e Sociais. Recuperado de: centrolombardo.edu.mx.
  3. Carmen Mondragón (Nahui Ollin). (2018). (N / a): História-Biografia. Recuperado de: historia-biografia.com.
  4. Méndez, A. (2018). Biografia de Carmen Mondragón. (N / a): Cultura coletiva. Recuperado de: culturacolectiva.com.
  5. Nahui Olin, uma mulher com espírito apaixonado, criativo e rebelde. (2018). México: o sol do México. Recuperado de: elsoldemexico.com.mx.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies