Narcolepsia: causas, sintomas, tratamento

A narcolepsia é um distúrbio do sono caracterizado por ataques de sono repentinos que ocorrem em qualquer situação e são irresistíveis. Além da sonolência, alguém com esse distúrbio experimenta cataplexia enquanto acordado; uma súbita perda de tônus ​​muscular.

A cataplexia pode durar entre vários segundos e vários minutos, e pode variar entre fraqueza dos músculos faciais e colapso completo do corpo. Duas outras características principais desse distúrbio são paralisia do sono e alucinações hipnagógicas.

Narcolepsia: causas, sintomas, tratamento 1

Normalmente, a narcolepsia começa entre os 15 e os 25 anos, mas pode aparecer em qualquer idade. Em muitos casos, não é diagnosticado e, como conseqüência, não é tratado.

Sintomas

Sonolência diurna excessiva

Sonolência diurna é que uma pessoa com narcolepsia pode repentinamente ficar com sono e adormecer. Esses pequenos “cochilos” podem durar de alguns segundos a vários minutos e podem ocorrer várias vezes ao dia.

Essa situação pode ocorrer mesmo durante uma boa noite de sono e geralmente ocorre em locais e horários inadequados. Parece que as pessoas com esse distúrbio não podem experimentar a quantidade de sono profundo e repousante que as pessoas normais têm.

Embora os “cochilos” pareçam reparadores, esse sentimento de descanso ocorre apenas por algumas horas

Cataplexia

Na cataplexia, parece haver um início repentino do sono REM ou MOR (sono rápido dos olhos). Normalmente, antes de atingir o sono REM, eles passam por quatro estágios anteriores. No entanto, alguém com narcolepsia vai diretamente para o REM.

Durante esse estágio, os neurônios motores não são estimulados pela atividade cerebral e os músculos do corpo não se movem, o que leva à cataplexia.

Paralisia do sono

A paralisia do sono é um distúrbio do sono que ocorre quando, na transição entre sono e vigília, você está totalmente consciente dos sonhos, mas é impossível se mover.

Como isso acontece quando em um estado intermediário entre o sono e a vigília, é possível que haja alucinações auditivas ou visuais que causem uma intensa sensação de presença e movimento ao redor do corpo.

Alucinações hipnagógicas

Uma alucinação hipnagógica é uma alucinação auditiva, visual ou tátil que ocorre pouco antes do início do sono.

Eles podem ser assustadores e muito realistas. Exemplos são voar ou a ilusão de ser pego em um incêndio.

Comportamento automático

Estima-se que até 40% das pessoas com narcolepsia experimentam comportamentos automáticos durante os episódios de sono.

É que a pessoa continua a funcionar (conversando, fazendo as coisas) durante os episódios do sono, embora, ao acordar, não se lembre de ter feito essas coisas.

O primeiro sintoma que aparece na maioria dos casos é o sono repentino e excessivo durante o dia. Os outros sintomas podem começar por conta própria ou em combinação alguns meses após o “cochilo” diurno.

Aproximadamente 20-25% das pessoas com narcolepsia apresentam todos os quatro sintomas. A sonolência diurna geralmente persiste por toda a vida, embora a paralisia do sono e as alucinações hipnagógicas sejam mais raras.

Causas

Narcolepsia: causas, sintomas, tratamento 2

Nos seres humanos, o sonho da narcolepsia ocorre quando de repente se muda de um estado de vigília para o sono REM, sem passar por estágios de sono não REM.

Durante o sono REM, os neurônios motores da coluna vertebral e do tronco cerebral produzem uma atonia quase completa. Essa situação ocorre na cataplexia.

Fatores genéticos

Verificou-se que o alelo HLA-DQB1 do gene humano HLA-DQB1 está em 90% dos pacientes.

Um estudo de 2009 encontrou uma associação com polimorfismos no locus do gene TRAC.

Outro lócus associado à narcolepsia é o EIF3G.

Existe uma correlação entre essas pessoas e variações genéticas no complexo CMH (principal complexo de histocompatibilidade).

Variações desse complexo podem aumentar o risco de uma resposta auto-imune às proteínas produtoras de neurônios no cérebro.

Pessoas com narcolepsia geralmente têm um pequeno número de neurônios que produzem a proteína hipocretina, responsáveis ​​pelo controle do apetite e do sono.

Somente entre 10.000 e 20.000 células cerebrais secretam moléculas de hipocretina.

Fatores evolutivos

A narcolepsia pode ser um atavismo evolutivo; a aparência de um comportamento ancestral. De acordo com essa teoria, o sono REM é a evolução do mecanismo de defesa conhecido como imobilidade tônica.

Esse reflexo também é conhecido como hipnose animal ou simulação da morte e funciona como uma última linha de defesa contra um predador. Consiste na imobilização total do animal.

A neurofisiologia e a fenomenologia dessa reação têm algumas semelhanças com o sono REM, o que pode revelar uma semelhança evolutiva: paralisia, ativação simpática, alterações na termorregulação, controle do tronco cerebral.

Diagnóstico

O diagnóstico de narcolepsia pode exigir passar a noite em um centro médico, onde é realizada uma análise profunda do sono.

Os métodos normalmente utilizados são:

  • História do sono : saiba como o sonho ocorreu ao longo da vida da pessoa afetada. A Escala de Sonolência Epworth pode ser usada.
  • Registros do sono : o paciente pode manter um diário para anotar seus padrões de sono por 1-2 semanas. Um actígrafo (como um relógio de pulso), um dispositivo que mede períodos de atividade e descanso e oferece uma medida indireta de como e quando você dorme, pode ser usado.
  • Polissonógrafo : é um teste que mede o ciclo vigília-sono. Ele mede a atividade cerebral (eletroencefalograma), movimento muscular (eletroculograma), movimento ocular (eletro-oculograma) e movimentos cardíacos (eletrocardiograma). Para este teste, você passará uma noite em um centro médico.
  • Teste de latência múltipla : mede quanto tempo leva para uma pessoa adormecer e os padrões de sono são observados. Pessoas com narcolepsia adormecem logo e rapidamente dormem REM.
  • Teste de hipocretina: a maioria das pessoas com narcolepsia tem baixos níveis de hipocretina. Com este teste, os níveis de hipocretina no líquido ao redor da medula espinhal são medidos.

Critérios de diagnóstico de acordo com o DSM-IV

A) Ataques restauradores irresistíveis do sono que aparecem diariamente por um período mínimo de 3 meses.

B) Presença de um ou de ambos os seguintes sintomas:

  1. Cataplexia
  2. Intrusões recorrentes de elementos do sono MOR nas fases de transição entre sono e vigília, como indicado por alucinações hipnagógicas ou hipnopompicas ou paralisia do sono no final ou no início dos episódios de sono.

C) A alteração não se deve aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância ou doença médica.

Tratamento

Embora não haja cura para a narcolepsia, o tratamento com medicamentos e mudanças no estilo de vida podem ajudar a controlar os sintomas.

Medicação

  • Estimulantes : são medicamentos que estimulam o sistema nervoso central e são utilizados como tratamento primário para permanecer acordado durante o dia. Modafinil ou armodafinil são geralmente usados ​​porque não são tão viciantes e não produzem os altos e baixos típicos de outros estimulantes.
  • Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) e inibidores da recaptação da norepinefrina (ISRN) : aliviam os sintomas de cateplexia, alucinações hipnagógicas e paralisia do sono. Eles incluem fluoxetina e venlafaxina. Problemas digestivos ou disfunções sexuais, entre outros, podem ocorrer como efeitos colaterais.
  • Antidepressivos tricíclicos : são eficazes para a cataplexia, embora geralmente sejam produzidos efeitos colaterais como boca seca e tontura. Exemplos são imipramina ou clomipramina.
  • Oxibato de sódio : é eficaz para a cataplexia e ajuda a melhorar o sono à noite. Em doses altas, você também pode controlar o sono repentino durante o dia.

É importante consultar um médico antes de tomar qualquer um desses medicamentos, pois pode haver interações com outros medicamentos ou outras condições, como hipertensão ou diabetes.

Outros medicamentos, como anti-histamínicos ou remédios para resfriado, podem causar sonolência.

Os tratamentos atualmente em estudo incluem: reposição de hipocretina, terapia genética com hipocretina, células-tronco, manipulação da temperatura corporal e imunoterapia.

Mudanças no estilo de vida

Fazer certas mudanças no estilo de vida pode ajudar a controlar os sintomas da narcolepsia:

  • Estabeleça um horário de sono : tente dormir e acordar ao mesmo tempo. Cochilos planejados podem evitar cochilos repentinos.
  • Evite álcool, cafeína e nicotina : café, chá e bebidas que contêm cafeína são estimulantes e podem interferir no sono se tomados à tarde. A nicotina é outro estimulante que pode produzir insônia. O álcool é um sedativo, embora possa impedir a realização de estágios profundos do sono e, frequentemente, causa perturbações do sono à noite.
  • Exercite-se regularmente : o exercício faz você se sentir mais acordado durante o dia e melhora o sono à noite. Além disso, tem muitos outros benefícios.
  • Faça uma dieta saudável : coma uma dieta rica em grãos integrais, frutas, vegetais, fontes de proteínas com baixo teor de gordura e vegetais. Evite refeições pesadas durante a noite.
  • Evite atividades perigosas : se possível, não conduza, suba ou use máquinas perigosas.
  • Comunicar : informe as pessoas ao seu redor sobre sua condição para que elas possam agir, se necessário.
  • Relaxe : os sintomas da narcolepsia podem ocorrer durante as emoções internas, portanto as técnicas de relaxamento podem ajudar.

Grupos de suporte

Pessoas com narcolepsia podem sofrer de depressão, isolamento social e perturbação do funcionamento normal. Encontrar um psicólogo ou grupo de apoio pode ajudá-lo a lidar melhor com a situação e encontrar apoio social.

Conhecer outras pessoas que têm o mesmo problema reduz o sentimento de isolamento e fornece apoio social. Além disso, pode ser libertador compartilhar experiências e aprender como outras pessoas enfrentam os sintomas.

Complicações

  • Rompimento dos relacionamentos pessoais : o sono pode produzir menos desejo de se envolver em relações sexuais ou problemas diretos durante as relações sexuais.
  • Saúde mental : pode ter tal influência na vida que podem ocorrer distúrbios como ansiedade ou depressão.
  • Problemas trabalhistas : podem diminuir a produtividade no trabalho e no desempenho escolar.
  • Obesidade : as pessoas com narcolepsia têm duas vezes mais chances de ficar obcecadas. O ganho de peso pode ser devido à falta de atividade, deficiência de hipocretina ou uma combinação de fatores.
  • Memória e atenção : problemas para lembrar das coisas e se concentrar.
  • Danos físicos : existe o risco de adormecer durante a condução ou acidentes domésticos, como queimar ao cozinhar, cair …

E que experiências você tem com narcolepsia?

Referências

  1. “Classificação internacional de distúrbios do sono, revisada: Manual de diagnóstico e codificação” (PDF). Academia Americana de Medicina do Sono. 2001. Recuperado em 25 de janeiro de 2013.
  2. «Atualizações recentes nas revisões propostas para o DSM-5: distúrbios do sono e vigília». Desenvolvimento DSM-5. Associação Americana de Psiquiatria
  3. Tsoukalas I (2012). “A origem do sono REM: uma hipótese”. Sonhando 22 (4): 253-283. doi: 10.1037 / a0030790.
  4. Gowda CR, Lundt LP; Lundt (dezembro de 2014). «Mecanismo de ação dos medicamentos para narcolepsia». CNS Spectrums 19 (Suplemento 1): 25–33.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies