O que é amigdalite pultácea?

A amigdalite pultácea é uma condição inflamatória das amígdalas, que são glândulas localizadas na parte de trás da garganta. Neste quadro, as amígdalas ficam inchadas, vermelhas e cobertas por placas de pus, o que pode causar dor de garganta intensa, dificuldade para engolir, febre e mal-estar geral. Geralmente, a amigdalite pultácea é causada por infecções bacterianas, sendo a principal bactéria responsável o Streptococcus pyogenes. O tratamento envolve o uso de antibióticos e medidas para aliviar os sintomas, como repouso, ingestão de líquidos e analgésicos. Em alguns casos, pode ser necessário realizar a remoção das amígdalas cirurgicamente.

Quando a amigdalite se torna uma condição grave e requer atenção médica urgente.

A amigdalite pultácea é uma condição em que as amígdalas ficam inflamadas e cobertas por uma substância branca ou amarela, conhecida como pus. Esta condição é geralmente causada por infecções bacterianas, como Streptococcus pyogenes.

Embora a maioria dos casos de amigdalite pultácea seja leve e possa ser tratada em casa com repouso e medicamentos para aliviar os sintomas, há momentos em que a condição se torna grave e requer atenção médica urgente. Alguns sinais de que a amigdalite pultácea está se tornando grave incluem dificuldade para engolir, febre alta, inchaço das amígdalas que dificulta a respiração e presença de pus nas amígdalas por mais de uma semana.

Quando esses sintomas estão presentes, é importante procurar ajuda médica imediatamente. O médico poderá prescrever antibióticos mais fortes para combater a infecção e, em casos mais graves, pode ser necessária a hospitalização para tratamento intravenoso.

Em casos extremos, a amigdalite pultácea não tratada adequadamente pode levar a complicações graves, como abscessos peritonsilares, febre reumática e glomerulonefrite. Por isso, é fundamental estar atento aos sintomas e buscar ajuda médica assim que necessário.

Como ocorre a transmissão da amigdalite bacteriana entre as pessoas?

A amigdalite pultácea é uma forma de amigdalite bacteriana caracterizada pela presença de placas de pus nas amígdalas. Essas placas podem se formar devido à infecção por bactérias como o Streptococcus pyogenes.

A transmissão da amigdalite bacteriana ocorre principalmente através do contato direto com gotículas de saliva infectadas de uma pessoa doente. Isso pode acontecer ao falar, tossir ou espirrar perto de alguém infectado. Além disso, o contato com objetos contaminados, como talheres, copos e toalhas, também pode contribuir para a transmissão da doença.

Por isso, é importante manter hábitos de higiene adequados, como lavar as mãos com frequência, evitar compartilhar objetos pessoais e cobrir a boca ao tossir ou espirrar. O tratamento da amigdalite pultácea geralmente envolve o uso de antibióticos prescritos por um médico, além de repouso e hidratação adequada.

Causas da amigdalite na garganta: o que provoca essa inflamação tão frequente?

Amigdalite pultácea é uma condição comum que afeta a garganta, causando sintomas como dor, dificuldade para engolir e febre. Mas o que exatamente provoca essa inflamação tão frequente nas amígdalas?

Relacionado:  Síndromes pleuropulmonares: tipos, causas e tratamentos

Existem várias causas possíveis para a amigdalite na garganta. Uma das principais é a infecção por bactérias, especialmente o Streptococcus pyogenes, também conhecido como estreptococo. Essas bactérias podem se alojar nas amígdalas e desencadear a inflamação.

Além disso, vírus como o vírus da gripe e o vírus do resfriado também podem causar amigdalite pultácea. Esses microrganismos podem se espalhar facilmente de pessoa para pessoa, principalmente em ambientes fechados e com aglomeração de pessoas.

Fatores como a baixa imunidade, o contato com pessoas infectadas e a falta de higiene bucal também podem contribuir para o desenvolvimento da amigdalite. É importante manter a saúde em dia e adotar hábitos saudáveis para prevenir a ocorrência dessa condição.

Em resumo, a amigdalite pultácea pode ser causada por infecções bacterianas e virais, além de fatores como baixa imunidade e falta de higiene. Para evitar essa inflamação na garganta, é essencial cuidar da saúde e adotar medidas preventivas.

Amigdalite bacteriana: entenda os perigos e complicações que podem surgir dessa infecção.

A amigdalite pultácea, também conhecida como amigdalite bacteriana, é uma infecção das amígdalas causada por bactérias, como o Streptococcus pyogenes. Essa condição pode ser muito desconfortável e dolorosa, afetando principalmente crianças e adultos jovens.

Os sintomas comuns da amigdalite bacteriana incluem dor de garganta intensa, dificuldade para engolir, febre, inchaço das amígdalas e presença de placas de pus nas amígdalas. Se não for tratada adequadamente, a infecção pode se espalhar para outras áreas do corpo, como os ouvidos, causando complicações graves.

É importante buscar ajuda médica assim que os sintomas da amigdalite pultácea aparecerem. O tratamento geralmente envolve o uso de antibióticos para combater a infecção bacteriana. Além disso, repouso e hidratação adequada são fundamentais para ajudar na recuperação.

Complicações como abscesso periamigdaliano, febre reumática e glomerulonefrite podem surgir se a amigdalite bacteriana não for tratada corretamente. Por isso, é essencial seguir as orientações médicas e completar o ciclo de antibióticos prescrito pelo profissional de saúde.

O que é amigdalite pultácea?

A amigdalite de Pultácea é uma presença de placas esbranquiçadas nas criptas das amígdalas ou em toda a superfície da amígdala. Com esse termo, são identificados os processos inflamatórios de início repentino, localizados nas amígdalas palatinas.

As amígdalas são os dois linfonodos localizados em cada lado da parte posterior da garganta. Eles funcionam como um mecanismo de defesa que contribui para prevenir infecções no corpo. Quando as amígdalas são infectadas, o diagnóstico é amigdalite .

O que é amigdalite pultácea? 1

Esse estado é contagioso e pode ser causado por uma variedade de vírus e bactérias comuns, como estreptococos ( estreptococos ).

Relacionado:  O que é natriurese?

Essa imagem pode causar sérias complicações se não for tratada adequadamente. A amigdalite é fácil de diagnosticar e, com o tratamento, os sintomas geralmente desaparecem dentro de sete a dez dias.

Causas de amigdalite amigdalite

As amígdalas são a primeira linha de defesa contra doenças, porque combatem bactérias e vírus que entram pela boca. Esses dois linfonodos produzem glóbulos brancos para combater a infecção.

Mas as amígdalas também são vulneráveis ​​a infecções por vírus e bactérias. Um quadro de amigdalite pode ser causado por um vírus, como o resfriado comum, ou por uma infecção bacteriana, como garganta inflamada.

De acordo com a Academia Americana de Médicos de Família (AAFP), 15% a 30% dos casos de amigdalite são causados ​​por infecção por bactérias. Mais estreptococos.

Sintomas

Dependendo do tipo de amigdalite, existem muitos sintomas possíveis:

1. Dor de garganta grave
2. Dificuldade e dor ao engolir
3. Rouquidão
4. Mau hálito
5. Febre
6. Frio
7.
Dor de ouvido 8. Dor de estômago
9. Dor de cabeça
10. Dor de cabeça 10. Rigidez do pescoço
11. Sensibilidade na mandíbula e no pescoço devido a linfonodos inchados
12. Amígdalas: parecem vermelhas e inchadas
13. Amígdalas: com manchas brancas ou amareladas
14. Em crianças pequenas: irritabilidade, falta de apetite, baba excessiva.

Tipos de amigdalite

  • Amigdalite recorrente : múltiplos episódios de amigdalite aguda por ano.
  • Amigdalite crônica : os episódios duram mais que a amigdalite aguda, com sintomas que incluem: a) Dor de garganta crônica b) Mau hálito (halitose) c) Gânglios linfáticos sensíveis no pescoço.

Quando consultar com o médico

Pode acontecer que a garganta inche tanto que cause dificuldade em respirar. Consulte um médico imediatamente se, além disso, os seguintes sintomas aparecerem:

1. Febre superior a 39 ° C – 103 ° F
2. Fraqueza muscular
3. rigidez no pescoço
4. Dor de garganta que se intensifica após dois dias

Diagnóstico

O diagnóstico é baseado em um exame físico da garganta. O médico pode optar por fazer uma cultura na garganta, esfregando suavemente a parte de trás da garganta com um cotonete.

O material extraído é enviado para um laboratório para identificar a causa da infecção.

Tratamento

Em casos benignos, o tratamento não é necessariamente necessário, especialmente se for causado pelo vírus do resfriado. Nos casos mais graves, os tratamentos podem incluir antibióticos e até amigdalectomia (remoção das amígdalas) Atualmente, as amigdalectomias são recomendadas apenas em pacientes com amigdalite crônica ou recorrente.

Antibióticos são prescritos para combater uma infecção bacteriana. É importante que todo o esquema de tomadas seja concluído. O médico pode pedir ao paciente para agendar uma visita de acompanhamento para garantir os resultados do tratamento.

Relacionado:  Avaliação de Silverman-Anderson: para que serve, critérios, interpretação

Se uma pessoa ficar desidratada devido a amigdalite, ela pode precisar de soro intravenoso. Analgésicos para aliviar a dor de garganta podem ajudar durante o tratamento.

Dicas para aliviar a dor de garganta

  1. Beba muito líquido
  2. Descansar
  3. Gargareje com água morna, sal grosso e suco de limão várias vezes ao dia
  4. Chupar pastilhas para a garganta
  5. Mantenha o ambiente úmido usando um umidificador
  6. Evite fumar
  7. Tente não se automedicar com medicamentos vendidos sem receita. Sempre consulte o médico antes, especialmente para crianças.

Complicações

Pessoas com amigdalite crônica podem apresentar apneia obstrutiva do sono. Quando as vias aéreas superiores ficam inflamadas, a respiração fica difícil e isso faz com que a pessoa não durma bem.

Também é possível que a infecção piore e se espalhe para outras áreas do corpo. Isso é conhecido como celulite tonsilar.

A infecção também pode causar acúmulo de pus atrás das amígdalas ou abscesso peritonsilar no tecido circundante. Isso pode exigir drenagem ou cirurgia.

Os sintomas da amigdalite causada por uma infecção bacteriana geralmente melhoram dias após o início dos antibióticos. A infecção estreptocócica é considerada contagiosa até você começar a tomar antibióticos por um período de 24 horas.

Se uma pessoa não concluir o esquema de antibióticos ou não eliminar as bactérias, existe o risco de desenvolver febre reumática e glomerulonefrite pós-estreptocócica.

Revisão P

A amigdalite é altamente contagiosa. Para reduzir os riscos, você deve ficar longe de pessoas infectadas, lavar as mãos com freqüência, principalmente depois de entrar em contato com alguém com dor de garganta, tosse ou espirro.

Referências

[1] Amigdalite aguda. Medicina Geral Abrangente. Volume II Principais condições nos contextos familiar e social. Parte XV Problemas respiratórios mais frequentes. Capítulo 68. Dor de garganta, nariz e orelhas. Publicações eletrônicas BVS Cuba. Recuperado em http://gsdl.bvs.sld.cu/cgi-bin/library

[2] Amígdalas com pus. Vídeo Recuperado em https://www.youtube.com/watch?v=RS-PGAaW1Z8

[3] Amigdalite. Escrito por Ann Pietrangelo e Rachel Nall. Recuperado em healthline.com.

[4] Equipe editorial da ADAM. Recuperado em medlineplus.gov.

[5] Amígdalas e garganta. Funcionários da Blausen.com. Galeria Blausen 2014. Wikiversity Journal of Medicine. Recuperado em commons.wikimedia.org.

[6] “A técnica cirúrgica clássica é a tonsilectomia extra capsular bilateral, que corresponde à ressecção cirúrgica de ambas as amígdalas palatinas próximas à cápsula, dissecando o espaço periamigdal. Corresponde a um dos procedimentos cirúrgicos mais frequentemente realizados por especialistas em otorrinolaringologia, atingindo, nos Estados Unidos, mais de 500.000 procedimentos anualmente em crianças menores de 15 anos. Ourives AJ. Amigdalectomia, adenoidectomia e UPPP. In: CD Bluestone, Rosenfeld RM, ed. Atlas Cirúrgico de Otorrinolaringologia Pediátrica, 2ª Ed. BC Decker; 2002, p. 379-406. Recuperado em scielo.cl.

[7] Tratamento e prevenção de amigdalofaringite estreptocócica. Recuperado em uptodate.com.

Deixe um comentário