O que é digestão extracelular?

A digestão extracelular é um processo metabólico que ocorre em organismos multicelulares, no qual a quebra de moléculas alimentares em substâncias mais simples é realizada fora das células do organismo. Isso acontece através da ação de enzimas digestivas secretadas por glândulas especializadas no trato digestivo, que atuam sobre o alimento para que ele seja quebrado em moléculas menores que podem ser absorvidas pelas células para fornecer energia e nutrientes necessários ao organismo. Esse tipo de digestão é comum em animais como os seres humanos, que possuem um sistema digestivo complexo e adaptado para realizar esse processo de forma eficiente.

Entenda o processo de digestão dentro das células do organismo humano.

A digestão é um processo fundamental para a nossa sobrevivência, pois é por meio dela que os nutrientes dos alimentos são quebrados e absorvidos pelas células do nosso organismo. Existem dois tipos de digestão: a intracelular e a extracelular.

A digestão extracelular ocorre fora das células do corpo. Ela começa na boca, onde os alimentos são mastigados e misturados com a saliva, que contém enzimas digestivas. Em seguida, o alimento passa pelo esôfago até chegar ao estômago, onde é misturado com ácido clorídrico e enzimas digestivas. Nesse processo, os nutrientes começam a ser quebrados em moléculas menores.

Depois, o alimento parcialmente digerido passa para o intestino delgado, onde ocorre a maior parte da digestão e absorção dos nutrientes. Lá, as enzimas digestivas provenientes do pâncreas e da vesícula biliar continuam a quebrar as moléculas de nutrientes em partes ainda menores, facilitando a absorção pelas células.

Uma vez que os nutrientes estão quebrados em moléculas pequenas o suficiente, são absorvidos pelas células do intestino delgado e levados para a corrente sanguínea, que os distribui para todas as células do corpo. É dentro dessas células que ocorre a digestão intracelular, onde os nutrientes são processados e transformados em energia para o funcionamento do organismo.

Portanto, a digestão extracelular é essencial para garantir que os nutrientes dos alimentos sejam absorvidos pelas células do organismo e utilizados de forma eficiente. É importante manter uma alimentação saudável e equilibrada para garantir que esse processo ocorra da melhor forma possível.

Quais espécies animais realizam digestão fora das células do corpo?

O processo de digestão extracelular ocorre em diversos grupos de animais, principalmente nos filos Porifera, Cnidaria e Platyhelminthes. Nestes organismos, a digestão ocorre fora das células do corpo, em uma cavidade digestiva.

Relacionado:  Somatostatina: características, função e doenças

Nas esponjas, por exemplo, a digestão extracelular ocorre na cavidade do corpo, onde as partículas de alimento são capturadas e digeridas por células especializadas. Já nos cnidários, como as águas-vivas e os corais, a digestão ocorre na cavidade gastrovascular, onde as enzimas digestivas são secretadas para quebrar o alimento em partículas menores.

Os platelmintos, como as planárias, também realizam digestão extracelular em uma cavidade digestiva. Neste caso, as enzimas digestivas são secretadas para fora do corpo do animal, onde o alimento é digerido antes de ser absorvido pelas células do intestino.

Em resumo, as espécies animais que realizam digestão extracelular são aquelas que possuem uma cavidade digestiva onde ocorre a quebra do alimento por enzimas digestivas antes de ser absorvido pelas células do corpo.

Conheça os 3 tipos de digestão presentes no processo de absorção de nutrientes.

A digestão extracelular é um processo que ocorre em organismos multicelulares, onde a quebra dos alimentos em moléculas menores acontece fora das células. Esse tipo de digestão envolve a ação de enzimas digestivas que são liberadas no meio externo ao corpo do organismo, como por exemplo no interior do trato digestivo.

Existem 3 tipos de digestão presentes no processo de absorção de nutrientes durante a digestão extracelular: intracelular, extracelular e quimiossíntese. A digestão intracelular ocorre dentro de células especializadas, como as células dos protozoários, onde as enzimas digestivas atuam dentro de vacúolos digestivos. Já a digestão extracelular é o tipo mais comum, sendo realizada no interior do trato digestivo. Por fim, a quimiossíntese é um tipo de digestão que ocorre em bactérias, onde elas obtêm energia a partir da oxidação de substâncias inorgânicas.

Portanto, a digestão extracelular é um processo fundamental para a absorção de nutrientes nos organismos multicelulares, garantindo a obtenção de energia e nutrientes essenciais para o bom funcionamento do corpo.

Quais organismos realizam digestão tanto dentro quanto fora das células?

Algumas espécies de organismos realizam digestão tanto dentro quanto fora das células. A digestão intracelular ocorre no interior das células, onde enzimas específicas quebram moléculas de alimentos em partes menores para que possam ser absorvidas pela célula. Já a digestão extracelular ocorre fora das células, em um ambiente externo, onde as enzimas digestivas quebram as moléculas de alimentos em partes menores antes que estas sejam absorvidas pelas células.

Os organismos que realizam digestão extracelular incluem a maioria dos animais, fungos e alguns protistas. Nos animais, a digestão extracelular ocorre no trato digestório, onde enzimas digestivas são secretadas para quebrar os alimentos em moléculas menores que podem ser absorvidas pelo organismo. Nos fungos, a digestão extracelular ocorre fora do corpo do organismo, onde enzimas são secretadas para decompor a matéria orgânica antes que possa ser absorvida pelas hifas do fungo.

Em resumo, a digestão extracelular é um processo importante para a obtenção de nutrientes essenciais em diversos organismos, permitindo a quebra eficiente dos alimentos em moléculas menores que podem ser absorvidas. Este processo é fundamental para a sobrevivência e o funcionamento adequado dos seres vivos que o realizam.

O que é digestão extracelular?

A digestão extracelular é um processo pelo qual as células utilizam enzimas que libertam o meio no qual eles são para degradar moléculas estranhas, principalmente, a fim de aceder a fontes de alimentos ou destruir células ou tecidos específicos.

Entre as enzimas mais importantes para a digestão extracelular estão as produzidas pelos lisossomos .

O que é digestão extracelular? 1

Parte de uma célula, incluindo o lisossomo

Enzimas lisossômicas como proteases e outras hidrolases permitem a degradação de proteínas, carboidratos e outros componentes que podem estar dentro ou fora da célula.

Normalmente, o termo digestão extracelular é usado para se referir apenas ao processo que ocorre fora das células no sistema digestivo de vários animais multicelulares.

S o entanto, muitos microrganismos, tais como bactérias e fungos também executar os processos de digestão extracelular.

Digestão extracelular para alimentos

Nos seres humanos, processos de digestão extracelular são realizados principalmente no intestino para a degradação de fontes alimentares.

Verificou-se, por exemplo, que a hidrólise do amido em dissacarídeos e oligossacarídeos é realizada dessa maneira.

Outros organismos multicelulares também realizam processos de digestão extracelular em seus sistemas digestivos.

É o caso dos bivalves, uma espécie de moluscos, incluindo ostras e amêijoas. Os bivalves podem assimilar rapidamente muitas fontes de carbono por digestão extracelular que ocorre no caminho de seus intestinos.

Alguns organismos unicelulares, como os dinoflagelados do gênero Protoperidinium, realizam digestão extracelular de algas e alguns compostos orgânicos liberados pelo fitoplâncton.

Relacionado:  Qual é o metabolismo dos seres vivos

Essa característica evoluiu como um sistema alimentar oportunista e permite que eles acessem fontes de alimentos das quais não poderiam tirar proveito.

Outras funções da digestão extracelular

Um dos processos mais comuns de digestão intracelular está relacionado à destruição do tecido vivo.

As enzimas extracelulares são responsáveis ​​pelos processos de “autodestruição” que ocorrem em muitos organismos como mecanismo de proteção.

Nos seres humanos, além das funções no sistema digestivo, a digestão extracelular se manifesta na degradação dos tecidos ovarianos nas mulheres.

Também na destruição de células velhas do sangue e da pele, para a regeneração constante desses tecidos.

A digestão extracelular também é importante em outros organismos. Um exemplo disso é o processo de regressão das caudas dos girinos durante sua metamorfose.

Outros organismos, como Microsporum canis, também usam enzimas extracelulares para degradar moléculas como queratina, elastina e colágeno.

Aplicações da digestão extracelular

A digestão extracelular é um processo que tem sido utilizado para aplicações biotecnológicas na indústria.

Entre as aplicações mais comuns está a degradação da biomassa recalcitrante usando fungos que liberam enzimas que degradam moléculas como a lignina e a celulose.

Essa biomassa degradada pode ser usada para vários processos de fermentação que produzem álcool ou outros compostos de interesse.

Outras aplicações comuns são o uso de digestão extracelular para auxiliar no tratamento de fontes de água contaminadas e em processos de fitorremediação.

Referências

  1. Cesar F. et al. Atividade proteolítica extracelular e análise molecular de linhagens de Microsporum canis isoladas de gatos com e sem sintomas. Revista Ibero-Americana de Micologia. 2007; 24 (1): 19-23
  2. Dahlqvist A. Borgstrom B. Digestão e absorção de dissacarídeos no Man. Biochemestry Journal. 1961; 81: 411
  3. Decho A. Samuel N. Estratégias flexíveis de digestão e assimilação de traços metálicos em bivalves marinhos. Limnologia e Oceanografia. 1996; 41 (3): 568-572
  4. Gregory G. Taylor F. Digestão extracelular em dinoflagelados marinhos. Jornal de Pesquisa de Plâncton. 1984; 6 (6):
  5. Hirsch I. Lisossomos e Retardo Mental. A Revisão Trimestral de Biologia. 1972; 47 (3): 303-312
  6. Ohmiya K. et al. Aplicação de genes microbianos à utilização de biomassa recalcitrante e conservação ambiental. Jornal de Biociência e Bioengenharia. 2003; 95 (6): 549-561

Deixe um comentário