Ornitofobia (fobia de aves): sintomas, causas, tratamentos

O ornitofobia é um tipo específico de fobia está experimentando um medo excessivo, anormal e irracional contra as aves. Consiste em um transtorno de ansiedade, onde os elementos temidos são todos os tipos de pássaros.

Pessoas com ornitofobia têm medo excessivo de pássaros, fato que lhes causa respostas de ansiedade muito altas sempre que são expostas a eles.

Ornitofobia (fobia de aves): sintomas, causas, tratamentos 1

Da mesma forma, devido ao medo que produz, a pessoa com ornitofobia sempre evitará o contato com esses tipos de animais. Esse fator é um elemento muito importante do distúrbio e modifica o comportamento normal do indivíduo.

A medição de aves é um fenômeno relativamente comum na sociedade. No entanto, nem todo medo desses animais deve ser incluído no distúrbio da ornitofobia, cuja prevalência é muito menor.

Este artigo apresenta as principais características da ornitofobia. Seus sintomas, seu diagnóstico e suas causas são revisados ​​e explicados os tratamentos a serem realizados para superar a fobia das aves.

Características da fobia das aves

A ornitofobia é um distúrbio de ansiedade atualmente bem estudado e corretamente definido. Consiste em um tipo particular de fobia específica na qual o elemento temido são os pássaros.

Dessa forma, as pessoas com ornitofobia temem de maneira totalmente desproporcional, excessiva e irracional esse tipo de animal, fato que lhes traz consequências negativas para o seu bem-estar .

O medo em relação aos pássaros é tão alto que gera a principal manifestação dessa psicopatologia: a experimentação de altos sentimentos de ansiedade sempre que se está em contato com um pássaro.

Além disso, o medo típico da ornitofobia é caracterizado por alterar e afetar negativamente o padrão comportamental do indivíduo. O medo dos pássaros é tão intenso que leva a pessoa a evitar o contato com eles o tempo todo.

Dependendo do contexto, evitar permanentemente o contato com os pássaros pode ser complicado. Nos ambientes rurais e urbanos, os pássaros são animais que podem ser rotineiramente correspondidos.

Nesse sentido, a prevenção de pássaros geralmente motiva o desenvolvimento de mudanças visíveis no comportamento normal da pessoa. O indivíduo com ornitofobia fará qualquer coisa o tempo todo para evitar o contato com os pássaros.

Medo de pássaros

O medo dos pássaros é um fenômeno que não é incomum entre os seres humanos. Isso deriva da imagem ameaçadora de algumas aves de rapina, que podem gerar sentimentos de medo ou suspeita em relação a esses animais.

No entanto, temer algum tipo de pássaro ou suspeitar de aves de maneira generalizada não implica necessariamente a presença de distúrbio da ornitofobia.

Para falar sobre ornitofobia, é necessário que o medo experimentado em relação às aves seja caracterizado por ser fóbico. Da mesma forma, em geral, indivíduos com esse tipo de fobia experimentam sentimentos de medo antes de qualquer tipo de pássaro.

Obviamente, aves de rapina, como abutres, corujas ou corujas, são frequentemente interpretadas como mais ameaçadoras e geram mais sentimentos de medo do que outros animais, como periquitos ou pássaros menores.

No entanto, o medo da ornitofobia não é governado por processos racionais de pensamento; portanto, qualquer tipo de pássaro pode ser temido. Para definir o medo fóbico experimentado na ornitofobia, as seguintes características devem ser atendidas:

1- Medo excessivo

Os pássaros são animais que podem ser mais ou menos ameaçadores, dependendo do animal e do contexto. Obviamente, encontrar uma águia ou um abutre no meio da floresta pode gerar mais do que o justificado medo devido à ameaça real que sua presença pode representar.

No entanto, para falar sobre ornitofobia, o medo dos pássaros sempre deve ser excessivo. Isso significa que o medo experimentado não está relacionado às ameaças reais da situação à qual o sujeito está exposto.

Pessoas com ornitofobia experimentam altos sentimentos de medo em situações aparentemente inofensivas onde não há perigo real.

2- Irracional

O medo excessivo das aves é explicado através dos mecanismos cognitivos pelos quais o medo da ornitofobia é governado.

O medo fóbico dos pássaros é caracterizado por ser irracional. Isso significa que os sentimentos de medo não aparecem através de pensamentos congruentes ou coerentes.

Esse fator pode ser observado e avaliado por terceiros e pelo indivíduo que sofre de ornitofobia.

O indivíduo que sofre desse distúrbio sabe que seu medo de pássaros é excessivo e injustificado, no entanto, ele continua a experimentá-lo sempre que é exposto a qualquer um desses animais.

3- Incontrolável

O fato de a irracionalidade do medo não ser um fator importante o suficiente para extinguir o medo dos pássaros reside em suas propriedades de aparência.

O medo fóbico da ornitofobia é caracterizado por ser totalmente incontrolável. Ou seja, a pessoa não tem controle sobre seus sentimentos de medo e não pode fazer nada para que não apareça.

4- O medo leva à evasão

Para poder relacionar o medo dos pássaros à ornitofobia, é necessário que o medo experimentado tenha algum impacto direto no indivíduo.

Nesse sentido, evitar todo contato com as aves é um dos critérios diagnósticos mais confiáveis ​​da doença.

O medo experimentado na ornitofobia é tão alto que leva a evitar o contato desses animais permanentemente.

5- Medo persistente

Em certas ocasiões, as pessoas podem ter respostas mais altas ou normais de medo ou ansiedade . Ao determinar essas respostas, existem muitos fatores situacionais e ambientais que podem participar.

No entanto, a pessoa com ornitofobia experimenta o medo fóbico das aves persistentemente, independentemente da situação ou contexto. Indivíduos com ornitofobia respondem com alta resposta ao medo sempre que entram em contato com os pássaros.

6- O medo não depende da idade

Animais em geral e pássaros em particular são elementos que geralmente são temidos durante a infância. Durante a infância, é comum que o medo desses animais seja maior que o normal.

No entanto, a ornitofobia é um distúrbio independente da idade. Isso pode aparecer tanto na infância quanto na idade adulta, mas, em qualquer caso, é caracterizado por ser permanente e persistente.

Uma pessoa com ornitofobia continuará experimentando o medo fóbico das aves durante toda a vida, a menos que inicie os tratamentos necessários.

Sintomas

A ornitofobia é classificada de acordo com os manuais de diagnóstico como um transtorno de ansiedade, uma vez que os sintomas da psicopatologia são caracterizados por serem principalmente ansiosos.

Indivíduos com esse distúrbio respondem com altos sentimentos de ansiedade sempre que são expostos ao seu elemento temido. No entanto, o estado de nervosismo pode desaparecer quando não há pássaros por perto ou o medo de que exista.

Assim, o principal fator que gera o aparecimento dos sintomas da ornitofobia é o medo das aves. As manifestações de ansiedade do distúrbio são caracterizadas por serem graves, embora raramente atinjam a intensidade dos ataques de pânico .

Atualmente, existe um alto consenso em agrupar os sintomas da ornitofobia em três grandes categorias: sintomas físicos, sintomas cognitivos e sintomas comportamentais.

1- Sintomas físicos

A ornitofobia, como em todos os transtornos de ansiedade, é caracterizada por alterações no funcionamento físico da pessoa.

As manifestações ansiosas relativas ao organismo podem variar em cada caso. No entanto, esses sintomas sempre respondem a um aumento da atividade do sistema nervoso periférico do cérebro .

Nesse sentido, uma pessoa com ornitofobia pode apresentar alguns dos seguintes sintomas sempre que for exposta a um pássaro:

  1. Aumento da frequência cardíaca.
  2. Aumento da frequência respiratória.
  3. Sensações de asfixia, palpitações ou taquicardias.
  4. Aumento da tensão muscular.
  5. Dor de estômago e / ou cabeça.
  6. Dilatação pupilar
  7. Aumento da transpiração corporal.
  8. Boca seca, tontura, náusea ou vômito.

2- sintomas cognitivos

O principal elemento da ornitofobia é o medo fóbico dos pássaros. Esse medo é caracterizado por ser irracional, por isso é modulado por uma série de pensamentos disfuncionais.

Os sintomas cognitivos do distúrbio se referem a todos os pensamentos irracionais que uma pessoa com ornitofobia tem sobre os pássaros.

Esses pensamentos podem assumir múltiplas formas e conteúdos, mas são sempre caracterizados por gerar atribuições negativas aos pássaros e habilidades pessoais para lidar com esses animais.

O aparecimento de pensamentos irracionais de ansiedade é realimentado com sintomas físicos e aumenta o estado nervoso da pessoa.

3- Sintomas comportamentais

Finalmente, a ornitofobia é um distúrbio caracterizado por afetar o comportamento do indivíduo. Nesse sentido, existem dois sintomas que podem ser vistos: evasão e fuga.

Evitar refere-se a todos os comportamentos que o indivíduo desencadeia para evitar o contato com os pássaros. Esses comportamentos podem afetar negativamente a vida da pessoa, pois podem forçá-la a modificar seu comportamento habitual.

A fuga, por outro lado, é o comportamento que aparece quando o indivíduo falha em evitar o contato com os pássaros. Nesses momentos, a pessoa tentará ficar o mais longe possível e o mais rápido possível de seu elemento temido.

Diagnóstico

Para estabelecer o diagnóstico de ornitofobia, os seguintes critérios devem ser atendidos:

  1. Medo acusado e persistente que é excessivo ou irracional, desencadeado pela presença ou antecipação de um pássaro (estímulo fóbico).
  1. A exposição ao estímulo fóbico quase invariavelmente causa uma resposta imediata à ansiedade.
  1. A pessoa reconhece que esse medo é excessivo ou irracional.
  1. O estímulo fóbico é evitado ou suportado à custa de intensa ansiedade ou desconforto.
  1. Comportamentos de prevenção, antecipação ansiosa ou desconforto causados ​​pelo estímulo fóbico interferem acentuadamente na rotina normal da pessoa, nas relações de trabalho (ou acadêmicas) ou sociais, ou causam um desconforto clinicamente significativo.
  1. Em crianças menores de 18 anos, a duração desses sintomas deve ter sido de pelo menos 6 meses.
  1. Ansiedade, crises de angústia ou comportamentos de fuga fóbicos não podem ser melhor explicados pela presença de outro transtorno mental.

Causas

Atualmente, argumenta-se que a ornitofobia é uma psicopatologia que não é gerada por uma única causa. Vários estudos demonstraram quantos fatores podem estar envolvidos no desenvolvimento do distúrbio.

No entanto, a experiência de experiências traumáticas ou negativas com aves parece ser um fator importante que pode participar do desenvolvimento da ornitofobia.

Outros elementos, como visualizar imagens ou receber informações verbais negativas sobre pássaros, fatores genéticos, traços de personalidade ansiosos ou estilos cognitivos focados no dano que pode ser percebido, são outros fatores que podem desempenhar um papel importante na etiologia do distúrbio.

Tratamento

O tratamento de primeira escolha para a ornitofobia é a psicoterapia, que demonstrou taxas de eficácia muito mais altas que a farmacoterapia na intervenção desse distúrbio.

Especificamente, indivíduos com ornitofobia geralmente respondem adequadamente ao tratamento comportamental cognitivo .

Este tratamento é baseado principalmente na exposição a elementos fóbicos. O terapeuta elaborará um plano de abordagem progressiva para os pássaros, para que o sujeito aprenda a se expor a eles, a controlar suas respostas ansiosas e a se acostumar com os elementos temidos.

Outras ferramentas que esse tratamento geralmente incorpora são treinamento de relaxamento e terapia cognitiva.

O relaxamento serve para reduzir a ansiedade gerada por estímulos fóbicos e facilitar o processo de exposição às aves. Por outro lado, a terapia cognitiva é usada para modificar e corrigir pensamentos irracionais sobre pássaros.

Referências

  1. Barlow D. e Nathan, P. (2010) O Oxford Handbook of Clinical Psychology. Oxford University Press.
  1. Caballo, V. (2011) Manual de psicopatologia e distúrbios psicológicos. Madri: Ed. Piramide.
  1. DSM-IV-TR Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (2002). Barcelona: Masson.
  1. Obiols, J. (Ed.) (2008). Manual de Psicopatologia Geral. Madri: Nova Biblioteca.
  1. Sadock, B. (2010) Kaplan & Sadock manual de bolso de psiquiatria clínica. (5ª Ed.) Barcelona: Wolters Kluwer.
  1. Spitzer, RL, Gibbon, M., Skodol, AE, Williams, JBW, First, MB (1996). Livro de casos do DSM-IV. Barcelona: Masson.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies