Ortorexia: sintomas, causas, tratamento

Ortorexia é um transtorno alimentar caracterizado pela obsessão em consumir apenas alimentos considerados saudáveis e puros. Indivíduos que sofrem desse distúrbio têm uma preocupação excessiva com a qualidade e a origem dos alimentos que consomem, podendo levar a restrições alimentares extremas e prejuízos para a saúde física e mental. Neste artigo, discutiremos os sintomas, as causas e as opções de tratamento para a ortorexia.

Sintomas da ortorexia: Conheça os sinais da obsessão por alimentação saudável.

A ortorexia é um distúrbio alimentar caracterizado pela obsessão por comer apenas alimentos considerados saudáveis. Embora a busca por uma alimentação saudável seja louvável, quando essa preocupação se torna excessiva e prejudicial à saúde, pode ser um sinal de ortorexia. Conheça os principais sintomas dessa condição.

Algumas pessoas com ortorexia apresentam uma preocupação extrema com a qualidade dos alimentos que consomem, evitando qualquer alimento que considerem “impuro” ou “não saudável”. Elas passam horas pesquisando sobre os benefícios e malefícios de cada alimento, planejando suas refeições com meticulosidade e se sentindo culpadas ao comer algo que não consideram saudável.

Outro sintoma comum da ortorexia é a exclusão de grupos alimentares inteiros da dieta, como os carboidratos ou as gorduras, com o objetivo de alcançar um padrão de alimentação considerado ideal. Isso pode levar a deficiências nutricionais e problemas de saúde, como fraqueza, tonturas e desnutrição.

Além disso, as pessoas com ortorexia tendem a se isolar socialmente, evitando eventos sociais que envolvam comida fora do controle delas. Elas podem se sentir ansiosas ou culpadas ao comer em restaurantes ou na casa de outras pessoas, devido ao medo de não conseguir controlar a qualidade dos alimentos.

É importante estar atento a esses sinais e procurar ajuda profissional caso você ou alguém que você conhece apresente esses comportamentos. O tratamento da ortorexia envolve a terapia nutricional e psicológica, com o objetivo de restabelecer uma relação saudável e equilibrada com a comida.

Os fatores que contribuem para o desenvolvimento da ortorexia são diversos e complexos.

Os fatores que contribuem para o desenvolvimento da ortorexia são diversos e complexos. Alguns dos principais fatores incluem a busca constante pela alimentação saudável, a pressão social por corpos perfeitos, a influência da mídia e das redes sociais, a busca por controle e perfeccionismo, e fatores genéticos e psicológicos.

A ortorexia é um transtorno alimentar caracterizado pela obsessão por alimentos saudáveis, levando a uma restrição extrema e compulsiva da dieta. Os sintomas incluem preocupação excessiva com a qualidade dos alimentos, exclusão de grupos alimentares considerados “não saudáveis”, isolamento social em torno da alimentação e sentimentos de culpa ou ansiedade ao “quebrar” a dieta.

O tratamento da ortorexia envolve uma abordagem multidisciplinar, que inclui acompanhamento médico, psicológico e nutricional. É importante buscar ajuda profissional para identificar as causas subjacentes do transtorno e desenvolver estratégias para promover uma relação saudável com a alimentação.

Relacionado:  Malojillo: benefícios, dados nutricionais, contra-indicações

Os impactos negativos da ortorexia na saúde física e mental das pessoas.

A ortorexia é um transtorno alimentar caracterizado pela obsessão em consumir apenas alimentos considerados saudáveis. Embora a busca pela alimentação saudável seja louvável, quando ela se torna uma obsessão, pode trazer diversos impactos negativos para a saúde física e mental das pessoas.

Do ponto de vista físico, a ortorexia pode levar a deficiências nutricionais, uma vez que a pessoa se restringe a um grupo muito limitado de alimentos. Isso pode resultar em carências de vitaminas e minerais essenciais para o bom funcionamento do organismo. Além disso, a rigidez na escolha dos alimentos pode comprometer a ingestão adequada de calorias, levando a problemas como desnutrição e perda de peso excessiva.

Na esfera mental, a ortorexia pode causar ansiedade e isolamento social. A pessoa passa a dedicar uma quantidade excessiva de tempo e energia pensando na comida, planejando refeições e evitando situações em que não possa controlar o que come. Isso pode afetar as relações interpessoais e a qualidade de vida, além de gerar sentimentos de culpa e frustração quando as regras autoimpostas não são seguidas.

O tratamento da ortorexia envolve a busca por ajuda profissional, como psicólogos e nutricionistas especializados em transtornos alimentares. É fundamental trabalhar a relação da pessoa com a comida, promovendo uma alimentação equilibrada e flexível, sem extremismos. O apoio de familiares e amigos também é importante para o processo de recuperação.

Em suma, a ortorexia pode ter impactos significativamente negativos na saúde física e mental das pessoas, prejudicando o bem-estar e a qualidade de vida. É essencial buscar ajuda especializada para superar esse transtorno e adotar hábitos alimentares saudáveis de forma equilibrada e consciente.

Tratamento da vigorexia: abordagens eficazes para combater a obsessão pelo corpo perfeito.

A ortorexia é um transtorno alimentar caracterizado pela obsessão por alimentos saudáveis, levando a uma alimentação restritiva e desequilibrada. Os sintomas incluem preocupação excessiva com a qualidade dos alimentos, exclusão de grupos alimentares e interferência nas atividades sociais.

As causas da ortorexia podem estar relacionadas a pressões sociais, padrões de beleza irrealistas e busca por controle. O tratamento envolve abordagens multidisciplinares, como terapia cognitivo-comportamental, acompanhamento nutricional e suporte psicológico.

É importante reconhecer a ortorexia como um transtorno sério e buscar ajuda profissional. O apoio da família e a conscientização sobre a importância de uma alimentação equilibrada são fundamentais no processo de recuperação.

Ortorexia: sintomas, causas, tratamento

A ortorexia é a obsessão com uma alimentação saudável. É um estilo de vida que começa com boas intenções de se alimentar de forma saudável, mas que pode levar à criação de um monstro perturbado.

O termo ortorexia foi cunhado pelo Dr. Steve Bratman quando ele publicou um artigo para o Yoga Journal em 1997. Nele, ele explicava sua frustração por não encontrar uma teoria universal para a dieta perfeita e sua decepção por ter encontrado o “autêntico desequilibrado por alimentação saudável”.

Ortorexia: sintomas, causas, tratamento 1

Bratman entendeu que a obsessão desses indivíduos era tal que o resultado foi um distúrbio patológico por comer os alimentos certos. O nome deriva de ‘anorexia nervosa’, que significa sem apetite, para modificá-lo pelo prefixo grego ‘orthos’, que significa correto. Ou seja, o apetite certo.

Embora a ortorexia nervosa não apareça como um distúrbio no DSM-V da American Psychological Association (APA) ou em qualquer outra fonte autorizada, ela pode ser definida como comportamento obsessivo-compulsivo pelo consumo, daquilo que o indivíduo pensa que é. alimentos saudáveis.

Ao contrário da bulimia ou anorexia, na qual o objetivo é regular a quantidade de alimento ingerido, a ortorexia concentra-se na qualidade e no benefício.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 28% da população ocidental poderia sofrer desse distúrbio, sendo mulheres, adolescentes e atletas os mais propensos a sofrer.

Sintomas de ortorexia

Parte da controvérsia sobre esse fenômeno se deve ao fato de haver uma linha borrada entre alimentação saudável e ortorexia nervosa. Isso delimita muito para avaliar quais sintomas são os mais bem-sucedidos para classificá-los nesta doença.

Segundo especialistas da área, podemos reconhecer pessoas que começam a sofrer os efeitos desse distúrbio porque geralmente começam a limitar de sua dieta os alimentos processados ​​com conservantes, cores artificiais, antibióticos ou pesticidas e alimentos transgênicos.

Posteriormente, a restrição passa para produtos como ovos, laticínios, açúcares ou carne vermelha. Isso já começa a afetar o indivíduo, já que seu corpo é privado de muitos dos nutrientes e minerais (cálcio, ferro) necessários para o seu bom funcionamento.

A desnutrição não é o único sintoma. A atitude da pessoa começa a variar e desenvolve uma personalidade pedante e arrogante, que resulta em um isolamento social, que pouco parece importar.

Em situações extremas, o indivíduo afetado começa a negligenciar suas atividades sociais e de trabalho devido à importância dos alimentos em sua vida. Estes sintomas podem ser:

  • Dedique-se a organizar a dieta, com um planejamento superior a três horas.
  • Mova longas distâncias de casa para encontrar determinados produtos.
  • Analise minuciosamente os componentes dos alimentos.
  • Desista de compromissos ou reuniões sociais por não consentir em comer fora.
  • Gaste muito tempo educando as pessoas sobre hábitos alimentares.
  • Os problemas de ansiedade ou estresse são incapazes de atender às suas expectativas nutricionais.
Relacionado:  10 propriedades surpreendentes de datas de saúde

Finalmente, tudo isso leva a problemas fisiológicos que afetam o desenvolvimento de desnutrição, anorexia, osteoporose, tireóide, hipocôndria, problemas cardiovasculares, doenças mentais ou problemas cotidianos, como perda de amizades, maus relacionamentos com familiares, demissões no trabalho ou exclusão de determinados campos sociais .

Causas

A obesidade, uma das pandemias globais mais preocupantes deste século, por todas as doenças que resultam dela, promoveu que a nutrição assume grande importância na medicina como remédio natural para evitar esses males.

A nutrição é cada vez mais importante na mídia e na web, sendo bastante fácil obter informações sobre dietas, receitas, benefícios ou malefícios alimentares, etc.

Embora possa ser uma informação bastante confiável, porque carregam a assinatura de nutricionistas ou nutricionistas, esse bombardeio constante se torna uma faca de dois gumes. A pessoa pode ficar obcecada em cumprir todas e cada uma dessas dicas e executá-las até o final, mesmo que esteja prejudicando sua saúde física ou mental.

Por sua vez, observou-se que algumas pessoas que sofreram anorexia nervosa, quando se recuperam, começam gradualmente a incluir alimentos naturais ou orgânicos, mas logo passam à ortorexia.

Tratamento

Dentro da comunidade científica, existe alguma controvérsia sobre se o conceito desenvolvido por Bratman pode ser considerado uma patologia. Como mencionamos anteriormente, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) não o inclui como distúrbio e, portanto, não há terapias oficiais para tratar o caso.

Se aceitarmos a ortorexia como um distúrbio, pode ser necessária ajuda interdisciplinar composta por nutricionistas e nutricionistas com psicólogos para combatê-la.

Em um artigo publicado no portal inglês de correio diário, Markey disse que “frequentemente, padrões alimentares negativos, como ortorexia, podem estar ligados a depressão, vícios e até transtornos de ansiedade, como o transtorno. obsessivo-compulsivo “. O próprio Markey propôs uma solução de terapia cognitivo-comportamental ou por meio de medicação farmacológica.

De qualquer forma, um método de prevenção é influenciar a educação nutricional de crianças desde tenra idade, enviando mensagens de tolerância para consigo e com os outros e fazendo-as entender que os cânones da beleza não devem influenciar um padrão de comportamento estereotipado

Bibliografia

  1. Bratman S (2001) Viciados em comida saudável: Ortorexia Nervosa: superando a obsessão com uma alimentação saudável
  2. Dunn, TM & Bratman, S. (2016). Sobre ortorexia nervosa: revisão da literatura e critérios de diagnóstico propostos. Comportamentos alimentares, 21, 11 -17
  3. Rochman, B. (2010). Ortorexia: a alimentação saudável pode ser um distúrbio? com, 12 de fevereiro. Recuperado em 12/02/2010.

Deixe um comentário