Os 4 estágios da depressão e suas características

Os estágios da depressão podem ser divididos em origem, estabelecimento, inibição comportamental de atividades agradáveis ​​e inibição comportamental de atividades obrigatórias.

Quando falamos de depressão, estamos nos referindo a um distúrbio psicológico que pode se tornar muito grave e interferir seriamente na vida da pessoa. Caracteriza-se pela visão negativa do presente e do futuro, com pouca esperança, pouco desejo de fazer as coisas, dormir muito ou pouco, entre outros sintomas.

Os 4 estágios da depressão e suas características 1

A depressão pode afetar todo o funcionamento psicossocial da pessoa e não apenas aqueles que sofrem, mas também seus arredores e toda a sociedade, dado o impacto econômico da depressão nos serviços de saúde.

Quais são as fases da depressão?

Primeira etapa: a origem da depressão

Alguns anos atrás, algumas teorias sustentavam que a depressão era o resultado de uma série de mudanças no nível bioquímico que aconteciam em nosso corpo. Estudos subsequentes propõem que, para uma pessoa ficar deprimida, é necessário que surja em seu ambiente uma situação que ela interpreta como desagradável.

Essa mudança no ambiente percebida é chamada de perda de reforços. A perda de reforços seria a origem da depressão.

A origem do distúrbio pode ser causada por uma série de mudanças vitais, como doença, divórcio, perda de um ente querido, demissão, problemas familiares e outros distúrbios psicológicos.

Como vemos, não existe um momento-chave padrão para todas as pessoas, mas é qualquer experiência que a pessoa interpreta como uma perda ou uma mudança desagradável que não pode adaptar ou não pode enfrentar.

Nem todos os eventos desagradáveis ​​que nos causam desconforto ou tristeza desencadeiam depressão. Tristeza é uma emoção básica que tem uma função biológica específica.

A função da tristeza é diminuir a energia para planejar como podemos lidar com essa perda. Às vezes, esse período de tristeza permanece mais longo porque a pessoa se sente incapaz de enfrentar essa nova situação.

Relacionado:  Luto Perinatal: Como superar a perda de uma criança

Quando essa tristeza é prolongada, a pessoa começa a ficar deprimida e ocorrem uma série de mudanças emocionais, mudanças de pensamento e mudanças de comportamento.

Essa sucessão de mudanças produz alterações no funcionamento bioquímico do sistema nervoso central. O cérebro secreta menos neurotransmissores e facilita a resolução da depressão.

Podemos classificar a perda de reforços da seguinte maneira:

a) Grande estressor ou perda de reforços positivos

Às vezes, as pessoas experimentam a perda de um potenciador muito potente, um evento como um divórcio, uma doença ou morte de um ente querido, uma demissão etc. Eles fazem com que a pessoa experimente essa situação como um evento muito desagradável.

b) Acumulação de pequenas perdas ou pequenos estressores

As pessoas se desenvolvem em vários campos. Quando uma pessoa não se sente realizada em seu trabalho, ela também corre mal com o parceiro, discute com o irmão e geralmente não sai com os amigos por falta de tempo, de repente um pequeno evento insignificante, como, por exemplo, que a televisão o quebra, o transborda e a depressão começa.

c) Aumento da aversividade

O ser humano experimenta eventos positivos e negativos, mas quando a entrada negativa excede o positivo, o primeiro invalida o segundo.

Por exemplo, se uma pessoa sofre de uma doença como a fibromialgia, que sofre muito, e isso o impede de desfrutar, apesar de ter sua família, seus amigos não conseguem sentir prazer.

d) Quebra de cadeia comportamental

Esse início da depressão ocorre quando uma pessoa experimenta uma mudança em sua vida, como um aumento no trabalho.

No começo, é positivo, porém, esse novo papel implica viajar com mais frequência, maior responsabilidade, maior carga de trabalho, altos níveis de estresse, mau relacionamento com seus ex-colegas.

Quando uma pessoa experimenta essa série de eventos, pouco a pouco, uma série de perdas ocorre.

e) perda simbólica

Às vezes, o evento negativo não acontece necessariamente consigo mesmo, mas testemunhando uma situação, você repensa sua vida. Por exemplo, quando você vê que um vizinho que tinha uma idade próxima à sua morreu, você repensa sua vida.

Relacionado:  Depressão em idosos: sintomas, causas e tratamento

Essa perda que se origina de maneira não direta leva a pessoa a repensar sua vida e pensar no que fez no mundo, se alcançou o que sempre sonhou, etc. Às vezes, a pessoa não se sente satisfeita e começa a ficar deprimida.

Segunda etapa: estabelecimento da depressão

Ao experimentar qualquer uma dessas perdas, a pessoa se sente triste. Essa tristeza é prolongada e estabelecida, a pessoa não consegue lidar com essa nova situação e começa a ficar deprimida.

Essa perda de reforços é sentida como crítica e pensar que não pode lidar produz um grande impacto psicológico.

Essa dor emocional se manifesta em duas mudanças, por um lado, pensamentos negativos automáticos e, por outro lado, sensações físicas e emocionais desagradáveis.

Como conseqüência de pensar e se sentir assim, a pessoa está cada vez menos disposta a fazer as coisas. Existe um estado geral de inibição, apatia e falta de motivação, levando ao próximo estágio.

Terceiro estágio: inibição comportamental de atividades agradáveis

Essa dor emocional que se manifesta através de pensamentos e sensações fisiológicas faz com que a pessoa pare de fazer essas atividades agradáveis.

É quando a inércia aparece. É compreensível que, se estivermos de mau humor e com pensamentos negativos, não estamos muito predispostos a fazer as coisas.

O que primeiro paramos de fazer são atividades agradáveis, ou seja, aquelas que gostamos de sair com os amigos, praticar esportes, ler, ouvir música, comer em família. Essas são as atividades voluntárias que fazemos para desfrutar.

O que acontece é que, quando surge a possibilidade de realizar uma atividade agradável, os pensamentos que invadem a mente de uma pessoa deprimida são, por exemplo: “Não me apetece”, “Não quero que eles pensem que estou errado”, “Não quero ser perguntado. “,” Tenho certeza que não me divirto “, esses pensamentos geram desconforto, então a pessoa escolhe não sair e ficar em casa.

Relacionado:  Efeitos colaterais de sertralina (físicos e psicológicos)

Quando uma pessoa decide não realizar essa atividade no curto prazo, sente alívio, pois conseguiu escapar dessa situação que lhe causa desconforto, mas no longo prazo gera mais perdas, pois perde a oportunidade de enriquecer-se com essa atividade.

Parar de fazer coisas legais é uma perda de reforços que aumenta a perda inicial de reforços, fechando assim o circuito da depressão.

Nesse estágio, a pessoa continua realizando as atividades obrigatórias, ou seja, aquelas que, sem gerar prazer, são necessárias para viver, como trabalhar, realizar tarefas domésticas, limpar etc.

Quarta etapa: inibição comportamental de atividades obrigatórias

Quando paramos de fazer as coisas que gostamos, tornamos impossível recuperar o nível apropriado de reforços positivos, piorando a depressão. É quando a pessoa começa a se sentir pior.

Ocasionalmente, a depressão atinge um nível em que a pessoa é incapaz de realizar atividades obrigatórias, como trabalhar, cuidar de sua família, realizar tarefas domésticas e tarefas de autocuidado, como limpeza.

Referências

  1. Associação Americana de Psiquiatria (2014). DSM-5 Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Pan-Americana
  2. Barlow, D. Farchione, T. Fairholme, C. Boisseau C. Allen, L & Ehrenreich-May, J. (2011) Protocolo unificado para o tratamento transdiagnóstico de distúrbios emocionais. Manual do terapeuta e manual do paciente. Aliança Editorial.
  3. Beck, AT; Rush, AJ; Shaw, BF; Emery, G. (2007): terapia cognitiva da depressão .DDB. Lewinshon, PM; Gotlib, IH e Hautzinger, M. (1997): Tratamento comportamental da depressão unipolar. In: Caballo, V.: Manual para o tratamento cognitivo-comportamental de distúrbios psicológicos. Século XXI
  4. Belloch, A., Sandín, B., Ramos, F. (1994) Manual de psicopatologia (volume II). McGrawHill.
  5. Sevillá, J. e Pastor, C. (1996): Tratamento Psicológico da Depressão. Um manual de auto-ajuda passo a passo. Publicações do Center for Behavior Therapy. Valencia

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies