Pensamentos intrusivos: causas, tipos e tratamento

Pensamentos intrusivos são pensamentos indesejados, repetitivos e perturbadores que invadem a mente de uma pessoa de forma involuntária. Eles podem se manifestar de diversas formas, como pensamentos negativos, preocupações excessivas, imagens perturbadoras ou impulsos incontroláveis. Neste artigo, exploraremos as possíveis causas dos pensamentos intrusivos, os diferentes tipos que podem surgir e as opções de tratamento disponíveis para ajudar as pessoas que sofrem com esse problema a lidar com esses pensamentos intrusivos de forma mais eficaz.

Motivos que levam uma pessoa a ter pensamentos intrusivos e indesejados.

Os pensamentos intrusivos são pensamentos indesejados e repetitivos que surgem na mente de uma pessoa de forma involuntária. Muitas vezes, esses pensamentos são perturbadores e causam ansiedade e desconforto. Mas o que leva uma pessoa a ter esses pensamentos intrusivos?

Existem diversos motivos que podem desencadear pensamentos intrusivos, sendo que um dos principais é o estresse. Quando uma pessoa está sob pressão e ansiedade, é mais propensa a ter pensamentos intrusivos, pois o cérebro está sobrecarregado e não consegue controlar adequadamente os pensamentos. Além disso, traumas passados e experiências negativas também podem desencadear pensamentos intrusivos, pois o cérebro tenta processar essas experiências e acaba gerando pensamentos indesejados.

Outro motivo comum para a ocorrência de pensamentos intrusivos é a presença de transtornos mentais, como o Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) e a ansiedade generalizada. Nestes casos, os pensamentos intrusivos são sintomas desses transtornos e requerem tratamento especializado para serem controlados.

Por fim, fatores genéticos e predisposição biológica também podem influenciar na ocorrência de pensamentos intrusivos. Algumas pessoas podem ter uma maior tendência a desenvolver pensamentos intrusivos devido à sua constituição genética e funcionamento cerebral.

É importante buscar ajuda profissional caso esses pensamentos causem um impacto significativo na vida da pessoa, para que seja feito um diagnóstico adequado e um tratamento eficaz.

Origem dos pensamentos intrusivos: entenda por que eles surgem em nossa mente.

Os pensamentos intrusivos são pensamentos indesejados e recorrentes que surgem de forma involuntária em nossa mente. Eles podem ser perturbadores e causar ansiedade, afetando a qualidade de vida da pessoa que os experimenta. Mas de onde vêm esses pensamentos intrusivos?

Existem várias teorias sobre a origem dos pensamentos intrusivos. Uma delas sugere que eles podem ser causados por um desequilíbrio químico no cérebro, afetando a forma como processamos informações. Outra teoria aponta para experiências traumáticas do passado, que podem ressurgir de forma intrusiva na mente da pessoa.

Além disso, os pensamentos intrusivos também podem estar relacionados a padrões de pensamento negativos, como a ruminação e a preocupação excessiva. Esses padrões podem criar um ciclo vicioso de pensamentos intrusivos, alimentando a ansiedade e o estresse da pessoa.

É importante ressaltar que os pensamentos intrusivos são comuns e não significam que a pessoa seja má ou louca. Eles fazem parte da experiência humana e podem afetar qualquer pessoa em determinado momento da vida.

O tratamento para os pensamentos intrusivos pode envolver terapia cognitivo-comportamental, medicação e técnicas de relaxamento. É fundamental buscar ajuda profissional caso os pensamentos intrusivos estejam causando sofrimento significativo e impactando negativamente a vida da pessoa.

Relacionado:  Ansiedade antecipatória: sintomas, causas e tratamento

O importante é entender que esses pensamentos não definem a pessoa e que existem formas de lidar com eles para melhorar a qualidade de vida.

De onde surgem os pensamentos intrusivos que tanto nos perturbam?

Os pensamentos intrusivos são aquelas ideias, imagens ou impulsos indesejados que surgem de forma involuntária em nossa mente, causando perturbação e ansiedade. Mas de onde vêm esses pensamentos que tanto nos incomodam?

Existem diversas teorias sobre a origem dos pensamentos intrusivos, sendo uma delas relacionada ao funcionamento normal do cérebro. Segundo essa teoria, o cérebro humano está constantemente processando informações e pensamentos, e em alguns casos, esses pensamentos podem surgir de forma aleatória e sem um motivo aparente.

Outra teoria sugere que os pensamentos intrusivos podem estar relacionados a experiências passadas, traumas emocionais ou crenças negativas enraizadas em nossa mente. Essas experiências podem ser ativadas por situações cotidianas que desencadeiam esses pensamentos indesejados.

Além disso, fatores como estresse, ansiedade, depressão e transtornos psicológicos também podem contribuir para o surgimento dos pensamentos intrusivos. O estado emocional e mental de uma pessoa pode influenciar diretamente na frequência e intensidade desses pensamentos.

O tratamento para os pensamentos intrusivos pode variar de acordo com a intensidade e frequência dos mesmos. Terapias cognitivo-comportamentais, medicação e práticas de relaxamento e mindfulness são algumas das opções disponíveis para lidar com esse problema. É importante buscar ajuda profissional caso os pensamentos intrusivos estejam causando um impacto significativo em sua qualidade de vida.

Qual é a melhor solução para controlar pensamentos intrusivos de forma eficaz?

Os pensamentos intrusivos são pensamentos indesejados e persistentes que podem causar ansiedade e desconforto. Eles podem surgir em qualquer momento e interferir nas atividades diárias. Mas qual é a melhor solução para controlar esses pensamentos de forma eficaz?

Existem várias abordagens para lidar com pensamentos intrusivos, mas uma das mais eficazes é a terapia cognitivo-comportamental. Nessa terapia, o paciente aprende a identificar padrões de pensamento negativos e a substituí-los por pensamentos mais positivos e realistas. Isso ajuda a reduzir a frequência e intensidade dos pensamentos intrusivos.

Outra estratégia eficaz é a prática da mindfulness, que envolve estar presente no momento presente e aceitar os pensamentos intrusivos sem julgamento. Isso ajuda a diminuir a ansiedade associada aos pensamentos e a desenvolver uma maior capacidade de lidar com eles.

Além disso, a medicação pode ser uma opção para algumas pessoas que têm pensamentos intrusivos graves e persistentes. Os medicamentos antidepressivos podem ajudar a reduzir a intensidade dos pensamentos e a controlar os sintomas de ansiedade.

É importante procurar ajuda de um profissional de saúde mental para encontrar a melhor estratégia de tratamento para você.

Pensamentos intrusivos: causas, tipos e tratamento

Os pensamentos intrusivos são pensamentos inconscientes que perturbam a atenção, sendo capaz de se tornar obsessões difíceis de remover.Essas idéias ou visões involuntárias são geralmente agravadas por distúrbios mentais, como depressão, ansiedade ou transtorno obsessivo-compulsivo.

Pessoas que não sofrem de nenhum tipo de transtorno mental também podem ter pensamentos intrusivos ao longo da vida.No entanto, essas idéias recorrentes começam a ganhar importância clínica quando se tornam obsessões que paralisam a vida normal do indivíduo e não podem ser controladas.

Pensamentos intrusivos: causas, tipos e tratamento 1

Nesses casos, esses pensamentos podem ser sintomas de grandes transtornos mentais que precisam de tratamento médico, especialmente psicoterapia ou ingestão de medicamentos prescritos por especialistas. A prática da meditação também pode ajudar a estar ciente de tais pensamentos.

Caracteristicas

Os pensamentos intrusivos podem ter uma origem interna ou ser causados ​​por um estímulo externo, por exemplo, a visão de um objeto ou uma experiência passada.

A origem desse raciocínio e seu conteúdo depende do transtorno mental ao qual estão associados.A síndrome mais comum à qual os pensamentos intrusivos estão associados é o transtorno obsessivo-compulsivo.

Essa doença consiste em uma sucessão de obsessões e compulsões repetidas na mente do indivíduo e que o impedem de realizar, normalmente, atividades simples, como ir ao trabalho ou passar tempo com amigos ou familiares.

As obsessões que ocorrem com esse distúrbio são pensamentos involuntários e intrusivos, imagens ou impulsos que desencadeiam sentimentos de angústia. Por outro lado, elas podem ser acompanhadas de compulsões, como os comportamentos que o paciente realiza para reduzir essa angústia.

Essas obsessões costumam ter um conteúdo desagradável, que é o que gera essa angústia naqueles que as sofrem.

Tipos de pensamentos intrusivos

Existem dois tipos de pensamentos intrusivos; Negativo e positivo.

Dependendo se o pensamento é negativo ou positivo, a influência que esse raciocínio exerce sobre o humor do indivíduo pode variar.

Pensamentos intrusivos negativos podem prejudicar o humor. Eles são os que ocorrem quando você sofre de um distúrbio mental.

Pensamentos intrusivos negativos são aqueles sofridos por pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo. Dentro dessas idéias com conteúdo negativo, vários temas comuns podem ser distinguidos.

Existem três temas principais que geralmente contêm pensamentos intrusivos: conteúdo blasfema, agressivo ou sexual.

Pensamentos intrusivos blasfemos

O papel das crenças religiosas já é importante no desenvolvimento do transtorno obsessivo-compulsivo. Existem vários estudos científicos que analisam a influência de uma fé específica no curso desta doença.

Essas crenças podem se tornar obsessões em pacientes com transtorno obsessivo-compulsivo.

Alguns exemplos de pensamentos blasfemos intrusivos são:

– imagens obscenas de figuras sagradas como a Virgem Maria.

– Acredite, irracional e continuamente, que você está possuído.

– Medo de não agir de maneira adequada ou correta, de acordo com o que dizem as doutrinas religiosas.

Pensamentos agressivos e intrusivos

Pensamentos invasivos também podem ter conteúdo agressivo. As imagens mentais são recorrentes, nas quais o paciente magoa seus entes queridos ou a si mesmo, assim como qualquer pessoa que vê em uma situação de vulnerabilidade na rua. Por exemplo, uma criança ou uma pessoa idosa.

Alguns casos reais são os seguintes:

– Sinta o desejo de atacar violentamente e matar um cachorro

– Tenha a imagem mental de se jogar ou jogar alguém nos trilhos do metrô

– Sinta o desejo de prejudicar uma criança ou alguém que o indivíduo que sofre do distúrbio considera mais fraco que ele.

Relacionado:  Baixo para ansiedade: quando pedir e para onde ir

Pensamentos sexuais intrusivos

Eles são um sintoma comum de pacientes com transtorno obsessivo-compulsivo.

Exemplos reais de pensamentos sexuais intrusivos:

-A imagem mental recorrente de atos sexuais não naturais. Por exemplo, zoofilia ou incesto.

– Medo de sofrer um desvio do comportamento sexual aceito pela sociedade ou de cometer um crime sexual, como estupro.

– Experimente imagens de sexo obscenas ou explícitas com estranhos

Transtornos mentais associados a pensamentos intrusivos

Pensamentos intrusivos também podem ser experimentados durante o curso de outras doenças mentais ou após experiências traumáticas, além do transtorno obsessivo-compulsivo.

Por exemplo, pessoas com depressão podem ter idéias relacionadas ao suicídio, de forma recorrente. Embora neste caso, eles são mais perigosos, pois o paciente pode realizá-lo.

Aqueles que sofrem de ansiedade podem experimentar obsessão excessiva com a própria morte e temer que ela venha a qualquer momento.

Pessoas que sofrem de TEPT também têm imagens mentais involuntárias. Nesse caso, eles geralmente estão relacionados a traumas ou experiências passadas.

Mulheres com depressão pós-parto também podem sentir vontade de machucar seus filhos pequenos.

Finalmente, um estudo de Thorsteinsdottir e outros publicado em 2016 na revista Psychooncology , mostra que pensamentos intrusivos negativos podem aparecer em pessoas que acabaram de aprender que diagnosticaram um câncer.

Especificamente, esta pesquisa se concentra no câncer de próstata, mas não é surpreendente que essas idéias involuntárias apareçam com outras notícias traumáticas.

Tratamento

Pensamentos invasivos são tratados de maneira semelhante ao transtorno obsessivo-compulsivo. Isso consiste em uma combinação de medicamentos inibidores de recaptação (antidepressivos e ansiolíticos) e psicoterapia.

A psicoterapia não deve inibir pensamentos intrusivos, pois existem estudos que mostram que reprimir pensamentos é contraproducente.

Nesse sentido, um grupo de pesquisadores do Departamento de Psicologia Experimental da Universidade de Maastricht realizou uma análise com pessoas que sofrem de pensamentos preocupantes.

Foi demonstrado que a supressão desses efeitos teve efeitos a curto prazo, mas agravaram os sintomas por um longo período de tempo.

O método mais comum e eficaz de acordo com a Fundação Internacional de Transtorno Obsessivo-Compulsivo é a prevenção de exposição e resposta.Por meio dessa técnica, o terapeuta expõe o paciente aos pensamentos, imagens ou situações que o obcecam e o atormentam, para que ele aprenda a controlá-los sem se comportar compulsivamente.

Enfrentar essas idéias involuntárias que causam ansiedade naqueles que as sofrem é necessário para poder tratá-las efetivamente.

Referências

  1. Belloch, A., Prats, CM, & García-Soriano, G. (2006). Subtipos de obsessão: relações com sintomas obsessivo-compulsivos, crenças disfuncionais e estratégias de controle do pensamento.Jornal de Psicopatologia e Psicologia Clínica, 11 (2). doi: 10.5944 / rppc.vol.11.num.2.2006.4018.
  2. Clark, DA (2005).Pensamentos intrusivos em desordens clínicas: teoria, pesquisa e tratamento . Nova York: Guilford Press.
  3. Geraerts, E., Merckelbach, H., Jelicic, M., & Smeets, E. (2006). Consequências a longo prazo da supressão de pensamentos ansiosos intrusivos e enfrentamento repressivo.Behavior Research and Therapy, 44 (10), 1451-1460. doi: 10.1016 / j.brat.2005.11.001.

Deixe um comentário