Perifiton: características, morfologia, componentes, crescimento

Perifiton é uma comunidade de organismos microscópicos que colonizam superfícies submersas em ambientes aquáticos, como rochas, plantas aquáticas e sedimentos. Essa comunidade é composta por uma variedade de organismos, como algas, cianobactérias, protozoários, bactérias e fungos, que se agregam e interagem para formar um ecossistema complexo. O perifiton desempenha um papel fundamental nos ecossistemas aquáticos, contribuindo para a produção primária, a ciclagem de nutrientes e a manutenção da qualidade da água. Seu crescimento é influenciado por fatores como disponibilidade de luz, nutrientes e temperatura, e sua morfologia pode variar de acordo com o ambiente em que estão presentes. Portanto, o estudo do perifiton é essencial para compreender a dinâmica dos ecossistemas aquáticos e sua importância para a vida aquática.

Significado do termo Perifiton: compreendendo a importância desse ecossistema aquático para a biodiversidade.

O termo Perifiton refere-se ao conjunto de organismos que vivem sobre as superfícies de substratos em ambientes aquáticos, como rochas, plantas aquáticas e sedimentos. Este ecossistema aquático é de extrema importância para a biodiversidade, pois abriga uma grande variedade de seres vivos, como algas, protozoários, bactérias, pequenos animais e fungos.

O Perifiton desempenha um papel fundamental nos ecossistemas aquáticos, pois contribui para a produção primária, a ciclagem de nutrientes e a manutenção da qualidade da água. Além disso, serve como fonte de alimento para organismos maiores, como peixes e invertebrados aquáticos.

Em relação às características, o Perifiton é composto por uma grande diversidade de organismos, que se organizam de forma complexa sobre as superfícies submersas. Sua morfologia pode variar de acordo com o tipo de substrato e as condições ambientais, podendo formar estruturas filamentosas, mucilaginosas ou em forma de película.

Os principais componentes do Perifiton são as algas, que desempenham um papel crucial na produção de oxigênio e na fixação de carbono na cadeia alimentar aquática. Além das algas, o Perifiton também pode conter uma grande diversidade de microrganismos, como bactérias e protozoários, que auxiliam na decomposição da matéria orgânica e na ciclagem de nutrientes.

O crescimento do Perifiton está diretamente relacionado à disponibilidade de luz, nutrientes e oxigênio na água. Em ambientes ricos em nutrientes, como lagos e rios eutrofizados, o Perifiton pode se desenvolver rapidamente, formando densas camadas sobre as superfícies submersas.

Em suma, o Perifiton é um ecossistema aquático de grande importância para a biodiversidade, desempenhando diversas funções vitais nos ecossistemas aquáticos. A compreensão de suas características, morfologia, componentes e crescimento é essencial para a conservação e manejo sustentável desses ambientes aquáticos.

Algas Perifíticas: Descubra o que são essas microalgas presentes em ambientes aquáticos.

O Perifíton é um termo que se refere ao conjunto de organismos que vivem associados às superfícies de substratos em ambientes aquáticos, como rochas, sedimentos e plantas aquáticas. Entre esses organismos, destacam-se as algas perifíticas, que são microalgas que se fixam em substratos e realizam fotossíntese para obter energia.

As algas perifíticas apresentam uma grande diversidade de espécies, podendo ser unicelulares ou formar colônias. Elas desempenham um papel importante nos ecossistemas aquáticos, contribuindo para a produção primária e servindo de alimento para diversos organismos.

Em relação à sua morfologia, as algas perifíticas podem apresentar diferentes formas, tamanhos e cores, dependendo da espécie. Elas se fixam nas superfícies dos substratos por meio de estruturas especializadas, como rizoides ou mucilagem.

O crescimento das algas perifíticas está relacionado à disponibilidade de luz, nutrientes e temperatura da água. Em ambientes ricos em nutrientes, como lagos e rios eutrofizados, as populações de algas perifíticas podem se proliferar rapidamente, formando densas camadas sobre os substratos.

Relacionado:  Flora e fauna da Alemanha: características e espécies

Em resumo, as algas perifíticas são organismos essenciais para os ecossistemas aquáticos, contribuindo para a produção de oxigênio, a ciclagem de nutrientes e a sustentabilidade dos ambientes aquáticos. Seu estudo e monitoramento são fundamentais para a conservação da biodiversidade e a manutenção da qualidade da água.

Perifiton: características, morfologia, componentes, crescimento

O periférico , conhecido por alguns como biofilme, pode ser definido como um conjunto de microrganismos que compõem um tipo de camada que cobre ou está ancorada a vários substratos.Os microrganismos que compõem o periférico permanecem unidos graças à presença da matriz extracelular que secretam.

Devido à grande diversidade de microrganismos na periferia, pode ser encontrada em todos os tipos de habitats, mesmo nas condições climáticas mais adversas, como geleiras e até fontes termais.

Perifiton: características, morfologia, componentes, crescimento 1

Perifiton Fonte: NPS Everglades de Homestead, Flórida, Estados Unidos [Domínio público]

Do ponto de vista ecológico, a periferia é muito importante, pois cumpre diversas funções nos ecossistemas, dentre as quais se destaca sua capacidade como indicador dos níveis de poluição.

Características gerais

A periferia é uma rede complexa e em rede que geralmente adere a algum tipo de substrato submerso nas águas. Além disso, como os organismos que o compõem tendem a se reproduzir exponencialmente, a periferia tem um crescimento rápido. Isso ocorre porque no meio existem os nutrientes necessários para o desenvolvimento ideal dos microrganismos.

Da mesma forma, uma das características mais notáveis ​​da periferia é que os organismos que a compõem secretam um tipo de matriz extracelular de consistência gelatinosa que os mantém ligados e ancorados um ao outro e ao substrato.

A periferia é composta por uma grande variedade de microrganismos, como bactérias, protozoários e algas. Cada uma delas contribui com suas propriedades e características particulares para que a periferia prospere, se desenvolva e prevaleça.

Morfologia

Morfologicamente, o periférico é visto como um tapete fino que cobre as diferentes superfícies encontradas nas águas. É constituído por uma ampla gama de microrganismos de diferentes tipos, como algas, bactérias, fungos e protozoários que secretam uma matriz polissacarídica na qual são compactados.

Embora o periférico cubra uma ampla variedade de substratos, novas pesquisas parecem sugerir que ele é encontrado principalmente em plantas.

Alguns especialistas a descrevem como um tipo de grama, cuja espessura pode variar de acordo com o ecossistema em que é encontrada. A textura da periferia é bastante macia, até qualificada como lesma por alguns especialistas. A cor predominante é o verde, expondo a abundância de organismos fotossintéticos em sua composição.

Componentes

Os componentes da periferia são bastante variados, principalmente membros dos reinos Monera e Protista.

Organizações do reino monetário

A quantidade de bactérias presentes na periferia é muito abundante. Obviamente, as espécies bacterianas não são padrão, mas dependem do ecossistema em que são encontradas.

No entanto, levando em consideração vários estudos nos quais a periferia de várias áreas do mundo foi caracterizada, pode-se estabelecer que os gêneros procarióticos presentes nessa área são frequentemente os seguintes:

  • Enterobacter sp : formada por bactérias anaeróbicas que são principalmente decompositores de matéria orgânica. Eles também realizam o processo de fermentação pelo qual metabolizam carboidratos, e também em condições aeróbicas são capazes de oxidar uma ampla variedade de substratos. Alguns também são patógenos reconhecidos do ser humano.
  • Pseudomonas sp : são bactérias na forma de bacilo, gram-negativos, que se desenvolvem principalmente em ambientes ricos em oxigênio. Eles são organismos catalase positivos, portanto podem degradar o peróxido de hidrogênio. Graças à diversidade metabólica, eles têm a capacidade de colonizar uma ampla gama de ambientes, sendo possível encontrá-los como componentes periféricos em muitos ecossistemas.
  • Citrobacter sp : grupo formado por bactérias bacilares com metabolismo aeróbico. Eles são gram-negativos e são capazes de fermentar alguns carboidratos, como a lactose. Eles são habitantes comuns da água e do solo, e é por isso que são componentes regulares da periferia.
  • Outros tipos bacterianos : outros gêneros bacterianos que foram encontrados como constituintes da periferia em muitos ambientes são Chromobacterium sp, Acinetobacter sp, Stenotrophomonas sp e Klebsiella sp, entre outros.
  • Cianobactérias: são geralmente conhecidas como algas verdes azuis. Pigmentos como a clorofila aparecem dentro de suas células, para que alguns possam realizar a fotossíntese. Eles também são capazes de usar nitrogênio atmosférico como fonte desse elemento.
Relacionado:  Páramo danta: características, habitat, reprodução

Organismos do reino protista

Os membros do reino protista que fazem parte da periferia são algas e protozoários, entre os quais:

  • Clorofitas: são chamadas de algas verdes, com abundante clorofila nas células, o que lhes confere a característica cor verde. Devido à presença de clorofila, são organismos autotróficos, capazes de realizar o processo de fotossíntese. Seu tamanho é variável, e algas verdes, macroscópicas e microscópicas, podem ser observadas na periferia. Dentre os gêneros de algas verdes encontradas na periferia, podemos citar Ulothrix, Chaetophora e Oedogonium , entre outros.
  • Rhodophytas: vulgarmente conhecido como algas vermelhas. Eles geralmente são multicelulares e contêm clorofila e outros, como carotenóides, como pigmentos. Estes últimos contribuem para dar a sua cor avermelhada típica. Um dos gêneros de algas vermelhas mais frequentemente alcançados na periferia é Hildebrandia .
  • Diatomáceas: as algas unicelulares são bastante comuns em habitats marinhos. Eles são caracterizados por suas células serem limitadas por uma parede celular que consiste em dióxido de silício hidratado. Eles são capazes de realizar fotossíntese. Os tipos mais comuns de diatomáceas na periferia são Cocconeis, Cymbella e Navicula , entre outros.

Perifiton: características, morfologia, componentes, crescimento 2

Diatomus, um membro regular da periferia. Fonte: Picturepest [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)]
  • Protozoários: são caracterizados como organismos microscópicos eucarióticos, unicelulares e geralmente heterotróficos. Alguns têm flagelos que os ajudam no processo de locomoção. Os gêneros de protozoários comuns na periferia são Stentor, Vorticella, Euplotes e Epistylis , entre muitos outros.

Crescimento

O crescimento e desenvolvimento da periferia é um processo gradual que abrange várias etapas:

  • Contato e ancoragem à superfície: é a fase inicial do processo de formação da periferia. Nesse estágio, as bactérias e outros microrganismos que o formam começam a estabelecer certas conexões com o substrato e se apegam a ele. Inicialmente, essas conexões são um pouco fracas, mas à medida que a quantidade de microorganismos cresce, elas são fortalecidas.
  • Formação de microcolônias: os microrganismos que foram ancorados ao substrato começam a se reproduzir, principalmente assexuadamente por fissão binária.
  • Comunicação entre moléculas e produção da matriz extracelular: através de um mecanismo conhecido como “sensor de quorum”, são estabelecidas conexões entre as várias células. Da mesma forma, a produção de EPS (substâncias poliméricas extracelulares) é aumentada, o que contribui para a proximidade dos microrganismos.
  • Maturação periférica: já nesta fase uma estrutura complexa começa a se desenvolver. Aqui, os organismos que compõem a periferia começam a se adaptar a aspectos como a disponibilidade de oxigênio e alguns nutrientes.
Relacionado:  Huanacaxtle: características, taxonomia, habitat, usos

Perifiton: características, morfologia, componentes, crescimento 3

Estágios de crescimento periférico. Fonte: Aalexopo [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Utilitário

A periferia é um elemento de importância vital nos ecossistemas, pois através dela é possível, por exemplo, determinar o grau de poluição, bem como limpar a água contaminada. Da mesma forma, o periférico serve como fonte de alimento para os peixes no ecossistema em que é encontrado, e também é usado na aquicultura.

Indicador de poluição e qualidade da água

A periferia tem sido usada em vários ecossistemas como um indicador dos níveis de poluição. Isso ocorre porque existem organismos com predileção por certos componentes que podem ser considerados contaminantes.

Nesse sentido, quando você deseja conhecer os níveis de contaminação de um site, pode colher uma amostra da periferia que cresceu lá e identificar os microorganismos presentes nele.

Conhecendo a relação entre alguns microrganismos periféricos e certos poluentes, pode-se concluir sem dúvida se um ambiente está contaminado ou não.

Da mesma forma, o periférico pode ser usado para determinar a qualidade da água devido à sua alta sensibilidade às mudanças e à rápida resposta que gera para elas.

Limpador de ecossistema

Vários estudos mostraram que a periferia é um excelente limpador de ecossistemas. Isso ocorre porque os microrganismos que o compõem são capazes de absorver e metabolizar certos elementos contaminantes, como alguns metais como zinco, cádmio, cobre e níquel.

Ao fazer isso, eles reduzem significativamente os níveis de poluição em certos lugares. Suas habilidades para eliminar substâncias químicas nocivas, bem como para reduzir a turbidez da água, estão atualmente sendo estudadas.

Alimentos para peixes e na indústria da aquicultura

O periférico provou ser uma fonte de alimento para alguns peixes que possuem certas adaptações que lhes permitem raspar a periferia do substrato. Da mesma forma, tem sido utilizado em alguns projetos que envolvem a aquicultura, a fim de servir de alimento para peixes e moluscos criados dessa maneira.

Referências

  1. Aloi, E. (1990). Uma revisão crítica dos métodos recentes de campo de perifíton de água doce. Canadian Journal of Fisheries and Aquatic Sciences. 47. 656-670.
  2. Haiying, L., Feng, Y., Wang, J. e Wu, Y. (2016). Respostas da morfologia, estrutura e função do perifíton à carga extrema de nutrientes. Poluição ambiental 214. 878-884.
  3. Hall-Stoodley, L. e Stoodley, P. (2002). Regulamento de desenvolvimento de biofilmes microbianos. Opinião atual em biotecnologia, 13: 228-233.
  4. Hill, W., Ryon, M., Smith, J. e Marshall, s. (2010). O papel do perifíton na mediação dos efeitos da poluição em um ecossistema de riachos. Gestão Ambiental 45 (3) 563-76.
  5. Rojas, J. (2005). Diversidade bacteriana na periferia de raízes de Eichornia sp, pistia sp e azolla sp, em um pantanal artificial da Earth University. Obtido em: repositoriotec.tec.ac.cr
  6. Voltolina, D., Audelo, J., Romero, E. e Pacheco, M. (2013). Promoção da periferia para o cultivo de camarão branco: rumo a uma aquicultura ecológica. Boletim do Instituto de Pesca de São Paulo. 39
  7. Yadav, R., Kumar, P., Saini, V., Sharma, B. (2017). Importância do perifíton para a aquicultura. Estrela do Aqua 38-43.

Deixe um comentário