Pré-história: estágios, características, vida, armas, arte

O p rehistoria foi o período que começou com o aparecimento dos primeiros ancestrais dos seres humanos até a invenção da escrita, por volta do ano 3300 aC Esta definição cronológica é contestada por muitos historiadores como os eventos marcados como o início eo fim ocorreu em tempos diferentes de acordo com a área do planeta.

O que existe em consenso é considerar esse período como o mais longo da história da humanidade. Os seres humanos evoluíram, começaram a usar a linguagem oral, domesticaram animais, descobriram o fogo e começaram a trabalhar na agricultura.

Pré-história: estágios, características, vida, armas, arte 1

Um Diorama que mostra homens das cavernas na pré-história. Museu Nacional da história da Mongólia em Ulaanbaatar, Mongólia.

Os especialistas dividem a pré-história em dois períodos diferentes: a Idade da Pedra e a Idade do Metal, embora algumas correntes historiográficas se refiram a esta como Proto-história. A Idade da Pedra, por sua vez, é dividida em Paleolítico, Mesolítico e Neolítico, enquanto a dos Metais compreende a era do cobre, bronze e ferro.

O ser humano primitivo experimentou grandes mudanças em seu comportamento. Sua organização era tribal e eles eram nômades até o surgimento da agricultura, ligada à mudança do clima, começar a tornar os assentamentos mais fixos. Ele também desenvolveu alguns dos hábitos culturais mais característicos da espécie, como religião ou arte.

Etapas

Não há consenso científico para estabelecer quando a pré-história começou. Além disso, a falta de documentos escritos significa que todos os estudos nesse período devem se basear nos restos arqueológicos encontrados.

Por outro lado, quase todos os especialistas apontam que terminou com o aparecimento da escrita, por volta de 3300 aC, data que é considerada o começo da história.

A pré-história é o período mais longo cronologicamente falando. Por esse motivo, ao estudá-lo, ele foi dividido em várias etapas . O primeiro é a chamada Idade da Pedra, subdividida por sua vez no Paleolítico, no Mesolítico e no Neolítico.

Por seu lado, o segundo estágio seria a Idade do Metal. Nem todos os historiadores a incluem na pré-história, pois alguns preferem categorizá-la como um período diferente: a Proto-História. Por sua vez, essa idade do metal é dividida entre a idade do cobre, a idade do bronze e a idade do ferro.

Um aspecto que deve ser levado em consideração na cronologia desses estágios é que eles não ocorreram ao mesmo tempo em todas as regiões do planeta. Por esse motivo, existem diferenças notáveis ​​entre, por exemplo, a pré-história africana e americana.

-Idade da Pedra

Pré-história: estágios, características, vida, armas, arte 2

Fonte: Acedemia play, youtube.

A Idade da Pedra é dividida em Paleolítico, Mesolítico e Neolítico.

Paleolítico

O paleolítico, cujo nome significa “pedra antiga”, foi o estágio mais longo de toda a pré-história. Nesse período, o ser humano começou a desenvolver algumas ferramentas na África. A data de seu início depende do local do planeta, enquanto sua conclusão ocorreu em 12000 AP (Antes do Presente).

A população humana daquele período era eminentemente nômade. A busca por comida e a luta pela sobrevivência forçaram esses ancestrais a se mudarem de um lugar para outro. Um dos eventos mais marcantes nesse período foi a descoberta do fogo , algo que mudou os hábitos dos primeiros seres humanos

Para estudá-lo melhor, os especialistas dividiram o Paleolítico em três fases diferentes. O primeiro é chamado Paleolítico Inferior, no qual o ser humano estava evoluindo lentamente.

A segunda subdivisão é chamada Paleolítico Médio. Isso começou quando as primeiras ferramentas começaram a ser fabricadas, incluindo armas que ajudavam o ser humano a sobreviver.

Finalmente, há o Paleolítico Superior, que durou até cerca de 12.000 AP. Durante esse estágio, surgiram algumas das primeiras culturas humanas, como Magdaleniana, Gravetiana ou Solutrense.

Mesolítico

O Mesolítico foi o período de transição entre o Paleolítico e o Neolítico, conforme indicado pelo nome (entre pedras). Começou em 12.000 AP e durou 3000 anos, embora as datas variem dependendo do local do planeta que é tomado como referência.

O fim da era glacial ocorrida durante o Pleistoceno permitiu que os seres humanos melhorassem suas condições de vida. Uma das conseqüências foi que eles deixaram as cavernas e começaram a viver no exterior.

Embora ainda não possa ser considerada uma atividade principal, a agricultura reduzida começou a ser praticada nesta fase. Gradualmente, isso encorajou alguns grupos a abandonar o nomadismo e começar a se estabelecer em lugares fixos. Isso, no entanto, não se estendeu até o Neolítico.

Os historiadores dividem esse período em duas partes: o epipaleolítico e o protoneolítico.

Neolítico

O nome deste período pode ser traduzido como “Nova Pedra”. Essa denominação se deve ao fato de o homem começar a polir a pedra e a dar novos usos em todas as áreas. Esse foi um dos fatores, embora não o único, que transformou o neolítico em um estágio de profunda transformação para o ser humano.

Outro fator foi a mudança climática iniciada no Mesolítico e que continuou nesta etapa. O calor fez derreter parte do gelo que cobria grandes áreas da Europa, Ásia e América e grandes áreas da tundra foram transformadas em florestas.

Os animais migraram em busca de adaptação, o que teve um impacto negativo na caça. Por outro lado, espécies comestíveis de plantas como milho, arroz, cevada ou milho foram espalhadas.

O desenvolvimento da agricultura e pecuária foi essencial para a mudança do nomadismo para o sedentarismo

Todas essas mudanças foram o que levou os especialistas a falar sobre “Revolução Neolítica”. A principal conseqüência foi o surgimento dos primeiros assentamentos humanos e, com eles, uma organização social, política e econômica muito mais complexa.

A partir desse momento, o que foi obtido da agricultura passou a substituir a caça como principal meio de subsistência.

-Idade dos metais

Pré-história: estágios, características, vida, armas, arte 3

Fonte: Sr. Ryan, youtube.

A idade do metal é dividida na idade do cobre, bronze e ferro.

Idade do cobre

O fim do Neolítico também foi o começo de uma nova era, a Era dos Metais. Dentro disso, o primeiro estágio é chamado de idade calcolítica ou de cobre, uma vez que este foi o primeiro metal que começou a ser utilizado em massa.

Não existem dados exatos sobre quando o cobre começou a funcionar, mas algumas descobertas sugerem que poderia ser de cerca de 9500 aC

A princípio, o ser humano usava cobre em seu estado natural, pois ainda não sabia como derretê-lo. As técnicas utilizadas foram martelando e tremendo, todas frias. Quando ele aprofundou o uso do fogo, ocorreu o nascimento da metalurgia.

Entre os utensílios fabricados com cobre, além do meramente ornamental, estão as agulhas e os socos. Posteriormente, o aprimoramento das técnicas metalúrgicas permitiu a criação de ferramentas mais complexas e até alguns símbolos religiosos.

Relacionado:  Quem descobriu as Linhas de Nazca?

Da mesma forma, o ser humano começou a fabricar armas com esse metal. Isso aumentou sua capacidade de caçar animais e, também, de se defender ou atacar outros assentamentos.

Idade do Bronze

O ser humano não estava satisfeito com o trabalho do cobre, mas começou a experimentar e misturá-lo com outros materiais. O resultado foi o surgimento do bronze, uma liga entre cobre e estanho que deu nome à segunda etapa da Idade do Metal, entre 1700 e 800 aC.

A idade do bronze é dividida em três etapas: o Bronze Antigo, o Bronze Médio e o Bronze Final, dependendo da evolução na qualidade desse metal. Sua origem está localizada no Oriente Médio, de onde se espalhou para outras áreas do planeta.

O bronze era muito mais duro que o cobre, o que permitia que ele fosse usado para melhorar armas e ferramentas. No primeiro caso, parece que o uso de armas fabricadas com esta liga pelos acaus foi uma das causas do desaparecimento da civilização minóica.

Além das conseqüências diretas do uso desse metal, um efeito colateral foi o início de intensas pesquisas de campo. Ao mesmo tempo, o comércio se fortaleceu e os contatos entre diferentes culturas se intensificaram.

Idade do Ferro

O último período da pré-história foi a Idade do Ferro. Embora existam diferenças geográficas importantes, em geral seu início está localizado em 1500 aC e sua conclusão em 500 aC

A principal característica dessa etapa, e o que lhe dá nome, é o uso do ferro como matéria-prima mais importante. Não se sabe ao certo como e quando esse elemento foi descoberto, mas sua dureza e sua maior abundância fizeram com que ele se tornasse muito popular em todas as áreas.

O ferro tornou-se essencial para a fabricação de novas ferramentas para a agricultura, como espigões ou machados. Da mesma forma, foi usado para tornar os martelos ou tangerinas mais resistentes.

No entanto, a área em que o ferro se tornou mais importante estava na guerra. Sua dureza fez deste metal o melhor material para fazer espadas, pontas de lança, capacetes e até armaduras.

Caracteristicas

O conhecimento que se tem da pré-história, estágio em que a escrita não existia, provém dos diferentes sítios arqueológicos encontrados ao redor do planeta. Graças a esses restos, os especialistas conseguiram detalhar algumas das características desse período.

Mudanças nas costas

As mudanças nas condições ambientais desempenharam um papel importante na evolução do ser humano. Um bom exemplo foi a mudança nas costas marinhas que ocorreu durante o Quaternário.

O nível da água do mar foi durante a estação das geleiras muito mais baixo do que hoje. Segundo especialistas, as costas podem chegar a 120 metros a mais do que são hoje.

Mudanças no clima

O clima também sofreu grandes variações durante o longo período que inclui a pré-história. Alguns continentes foram comunicados durante a glaciação, o que causou migrações humanas e animais entre eles.

O ser humano teve que se adaptar ao clima existente em todos os momentos e aproveitar os recursos que a natureza lhe ofereceu. Uma das razões da revolução neolítica foi precisamente o fim da era glacial, que amenizou as condições de vida e permitiu o surgimento da agricultura.

Descoberta de fogo

A descoberta do fogo ou, melhor dizendo, a aprendizagem dos seres humanos sobre como controlá-lo foi um dos eventos mais importantes para a espécie. A princípio, eles tiveram que se contentar em usar o fogo quando isso ocorria naturalmente, como raios.

Posteriormente, embora o momento exato não seja conhecido, o ser humano aprendeu a ligá-lo, manipulá-lo e conservá-lo.

Entre os efeitos dessa descoberta está o seu uso para cozinhar alimentos. Isso permitiu uma melhor absorção de nutrientes e a conservação dos alimentos por mais tempo. Também permitiu aquecer casas no inverno e fornecer alguma iluminação e proteção aos consentimentos.

Nomadismo

Durante os estágios iniciais da pré-história, o ser humano era essencialmente nômade ou semi-nômade. Os diferentes grupos tiveram que se deslocar de um lugar para outro para procurar fontes de alimento, sejam vegetais ou animais.

Não foi até o surgimento da agricultura e pecuária, quando começaram a construir assentamentos fixos.

Criação de ferramenta

O uso e fabricação de ferramentas são elementos presentes desde o surgimento dos primeiros hominídeos. Aqueles que conseguiram adquirir as melhores habilidades nessa área tiveram grandes vantagens evolutivas. Além disso, a introdução de carne na dieta permitiu que seus cérebros aumentassem em capacidade e inteligência.

A princípio, as ferramentas utilizadas foram o que encontraram ao seu redor, como paus e, acima de tudo, pedras. Mais tarde, o ser humano começou a usar os ossos de animais para criar novos utensílios.

O incêndio também representou um avanço nesse sentido. Colocar as varas afiadas no fogo foi capaz de endurecê-las e, portanto, elas eram mais resistentes.

Com o tempo, o homem aprendeu a polir e esculpir as pedras e criou uma grande variedade de ferramentas e armas. Finalmente, durante a Idade do Metal, essas se tornaram a principal matéria-prima para elaborar suas criações.

Caça, coleta e agricultura

Os primeiros seres humanos foram coletores e caçadores. Isso implica que sua dieta dependia dos frutos e raízes que encontraram e dos animais que podiam capturar. Alguns especialistas apontam que poderia haver algum tipo de troca de produtos entre os vários clãs, embora isso não fosse usual.

Na última parte da pré-história, a partir do Neolítico, a situação mudou de maneira muito importante. A agricultura e a pecuária começaram a se tornar as principais atividades do homem, o que causou o surgimento dos primeiros assentamentos fixos.

Da mesma forma, o comércio começou a ser mais frequente. Essa circunstância não era apenas economicamente importante, mas também permitia trocas culturais entre as várias tribos que comercializavam entre si.

Marketing e troca de mercadorias

Durante esse período, os homens produziram bens que trocavam com seres humanos de outras regiões. Isso decorre das descobertas de certos produtos, como cobre e estanho, em locais onde eles não foram produzidos.

Invenção de agulhas

Quando os homens se mudavam de um lugar para outro, especificamente de lugares mais quentes para lugares mais frios, eles se protegiam do frio com a pele dos animais que caçavam.

Para que a pele se adaptasse mais às necessidades de proteção, uma das técnicas inventadas nesse período foi a da agulha, feita de veado ou chifre de rena.

Relacionado:  Hernán Cortés: biografia, expedições

Modo de vida humano

Restos fósseis sugerem que os hominídeos começaram a aparecer entre 7 e 5 milhões de anos atrás. A cronologia dos primeiros estágios evolutivos ainda não foi totalmente estabelecida, embora os depósitos descobertos estejam fornecendo cada vez mais dados.

Hominização é definida como o processo pelo qual o ser humano se separava evolutivamente do resto dos primatas até que se tornasse Homo sapiens. A teoria mais amplamente aceita afirma que o berço da humanidade está na África e que, a partir daí, os hominídeos se expandiram para o resto do planeta.

Organização tribal

Na pré-história, as primeiras formas de organização social se desenvolveram. Os primeiros grupos foram baseados em relacionamentos familiares, sendo os mais fortes líderes. O grupo permitiu maior probabilidade de sobreviver, defender-se contra perigos e caçar por comida.

Gradualmente, essas famílias se tornaram clãs familiares cada vez mais poderosos. Finalmente, a união de vários clãs resultou no aparecimento de tribos. Eles precisavam de novas formas de organização social e econômica e levaram a sociedades hierárquicas e empregos especializados.

O Paleolítico: uma economia de coleta e caça

Durante o Paleolítico, diferentes grupos humanos basearam seus alimentos na caça, pesca e coleta. Embora sempre tenha sido apontado que houve uma diferenciação do trabalho de acordo com o sexo, os últimos resultados sugerem que as mulheres também participaram da captura de animais.

Nesse período, os clãs, formados por 30 ou 40 pessoas, eram nômades ou semi-nômades. Assim, procuraram lugares onde houvesse água e caça e se estabeleceram até esgotar os recursos, quando mudaram para outra área.

Para descansar e se proteger, o mais frequente era procurar locais onde existiam cavernas. Caso o tempo permita, o grupo poderá ficar ao ar livre. Enquanto dominavam o fogo, as possibilidades se multiplicaram, pois permitiram combater o frio, iluminar as cavernas e assustar os animais.

O neolítico e a agricultura

Os humanos começaram a deixar seus abrigos em cavernas e cavernas devido ao aumento da temperatura. A melhoria das condições climáticas permitiu-lhes começar a erguer aldeias ao ar livre que serviriam de base para os primeiros assentamentos fixos. Para isso, devemos acrescentar o crescente domínio do trabalho agrícola.

Todos os itens acima deram origem ao que é conhecido como “revolução neolítica”, o processo pelo qual o ser humano deixou de ser nômade, caçador e coletor e se tornou sedentário, fazendeiro e fazendeiro.

A transformação de seu modo de vida também significou mudanças na organização social e nas ferramentas que ele usou. Nesse segundo aspecto, destacaram as novas técnicas de polimento de pedras que permitiram a fabricação de ferramentas agrícolas. Da mesma forma, os seres humanos começaram a trabalhar cerâmica e têxteis.

Por outro lado, os assentamentos estavam sempre próximos às fontes de água, um elemento vital para a agricultura e pecuária. As primeiras casas eram pequenas cabanas e erguiam-se em terrenos um pouco altos.

Entre as novidades que surgiram dentro da organização social está o surgimento do conceito de propriedade privada. No curto prazo, isso levou ao surgimento de diferenças econômicas e, portanto, à necessidade de uma estrutura de poder.

Culto dos Mortos

Pesquisadores descobriram restos que sugerem rituais funerários desde o Paleolítico. No entanto, foi no Neolítico quando essas práticas se tornaram mais comuns.

Os resultados mostram que os mortos foram enterrados com enxoval. Da mesma forma, foram encontradas evidências de que alguns ritos religiosos foram desenvolvidos.

A construção de grandes monumentos de pedra de natureza funerária, como os menires, os cromeleques ou os dolmens, são mais uma prova de que o ser humano da época havia desenvolvido uma série de ritos associados à morte.

Primeiras cidades metálicas

A próxima grande onda de mudanças, após a “revolução neolítica”, ocorreu com a expansão do uso de metais. As transformações cobriram todas as áreas, da economia à sociedade.

Por um lado, os trabalhadores da época tinham que diversificar. Não havia apenas agricultores e pecuaristas, mas eram necessários mineiros, ferreiros, artesãos e comerciantes.

Além disso, graças ao uso desses novos materiais, mais maleáveis ​​e resistentes que os anteriores, foram fabricadas ferramentas mais eficientes para trabalhar a terra.

Com o tempo, os dois fatores tornaram as aldeias mais prósperas. A população aumentou e as primeiras cidades começaram a aparecer. Por sua vez, isso fez com que a sociedade fosse mais complexa. Alguns estavam acumulando grande parte da nova riqueza gerada. Juntamente com o poder econômico, os privilegiados acabaram assumindo poder político.

Página inicial

Os primeiros homens desse período se refugiaram do lado de fora dos prédios, como na entrada das cavernas. Dessa forma, eles poderiam tirar proveito da luz que sai do exterior naturalmente, enquanto aproveitam as paredes e os tetos como refúgio natural.

A construção da caverna foi escolhida considerando a posição do sol e qual era o local onde havia a possibilidade de ter mais horas de luz.

Decoração de casa

Muitas das decorações das casas da época são consideradas parte da arte desenvolvida na época.

A decoração foi feita a partir da entrada da caverna e dentro dela. A decoração consistia em pinturas e gravuras feitas com restos de comida, instrumentos de pedra, tochas para colorir, entre outros materiais.

Religião

O fato religioso estava presente desde a pré-história, embora não como religião organizada. No começo, o ser humano praticava cerimônias para obter uma boa caçada ou para que a colheita fosse abundante. Da mesma forma, a fertilidade foi outra das motivações pelas quais eles começaram a realizar esses rituais.

Suas crenças eram politeístas e as divindades mais importantes eram as deusas que representavam a fertilidade e os deuses encarregados da caça. Da mesma forma, muitos grupos eram animistas e adoravam animais ou animais selvagens que eles representavam em totens.

Como não havia casta sacerdotal, a princípio foram os anciãos da tribo que dirigiram os rituais. Com o tempo, os padres começaram a aparecer e uma hierarquia religiosa foi organizada.

Os túmulos

Depois que uma pessoa morreu, o corpo foi introduzido em uma caverna localizada ao lado de uma montanha e decorada de maneira diferente. Em outros casos, os corpos foram colocados em montes de terra cobertos de pedras.

Em alguns casos, nas câmaras funerárias também havia objetos relacionados à pessoa, como móveis, roupas, tecidos, entre outros.

Sociedade

As sociedades tribais da pré-história mal tinham uma organização hierárquica. No entanto, à medida que o ser humano se tornou sedentário, o sistema social evoluiu até diferentes níveis se formarem no interior.

Relacionado:  Sentimentos da nação (documento): características e consequências

Na esfera política, governantes e padres apareceram como classes mais poderosas. Depois deles, foram criadas classes formadas por guerreiros, artesãos e camponeses.

Já na era dos metais, surgiu um novo grupo social que ocupava a parte mais baixa da pirâmide: escravos.

Armas

O ser humano logo se equipou com armas, seja para caçar animais ou para se defender contra tribos rivais. No início, como nas ferramentas, eles usavam pedras, ossos ou paus. Mais tarde, com os avanços nas técnicas de talhar a pedra, começaram a fabricar armas mais letais e resistentes.

Muitas dessas armas primitivas serviram de base para as que seriam construídas mais tarde, já durante a Idade do Metal.

Primeiros materiais

Pré-história: estágios, características, vida, armas, arte 4

Fotografia de objetos neolíticos. © Michael Greenhalgh. WIkimedia commons

Após o tempo em que o ser humano era usado como arma, qualquer que fosse o elemento que encontrava, a pedra se tornou o material mais importante na hora de fabricá-las.

As variedades utilizadas foram de quartzo a quartzito, embora, sem dúvida, o mais conhecido fosse o sílex. Cada um desses tipos tinha qualidades diferentes; portanto, o uso que foi dado a cada um também era diferente.

Em geral, esses tipos de pedras tinham uma estrutura concoide e, principalmente o sílex, eram muito valiosos para a construção de armas destinadas ao corte.

Primeiras armas

A habilidade dos primeiros humanos em fabricar armas permitiu que ele tivesse uma grande variedade à sua disposição. Entre eles, destacavam-se o machado, o bastão, a lança e as flechas. Sua primeira tarefa foi caçar e tudo relacionado ao tratamento da carne que recebiam.

Seguindo a ordem cronológica, a primeira arma usada pelo ser humano foi a pedra. A princípio, essas pedras eram usadas para quebrar frutas ou ossos ou abrir conchas.

Depois que aprenderam a trabalhar a pedra, o homem começou a fazer machados de mão. Para construí-los, eles usaram o sílex, um tipo de material que combinava a facilidade de ser esculpido com sua dureza.

Outro avanço importante, principalmente por permitir a caça à distância, foi a flecha e o lançador. Nos dois casos, o importante é que eles foram bem aguçados para aumentar sua eficácia.

Algo semelhante pode ser dito das lanças. As primeiras cópias eram simplesmente varas com uma ponta afiada. Quando o fogo foi controlado, essa ponta aproximou-se do fogo para endurecer. Mais tarde, uma dica elaborada com pederneira bem afiada foi anexada.

Revolução do Metal

Como em muitas outras áreas, a Idade do Metal representou uma revolução na fabricação de armas. Durante o primeiro estágio, o do cobre, o ser humano começou a usá-lo para melhorar sua função. Com esse cobre foram feitos os primeiros punhais, equipados com lâminas triangulares e bastante largas.

Já no final da pré-história, na era do ferro, as armas adquiriram uma nova dimensão. Esse metal, além de abundante, era facilmente moldável e sua dureza o tornava perfeito para a fabricação de espadas a capacetes.

Arte

A expressão artística por excelência da pré-história foi a pintura rupestre. O ser humano usou as paredes das cavernas para registrar seu modo de vida e seu modo de ver o mundo ao seu redor.

Muitos especialistas, no entanto, diferem em considerar a arte como tais manifestações. Por essa corrente, os autores dessas pinturas não pretendiam apreciar a visão de sua obra, pois possuía uma função ritual e mística.

Arte no período paleolítico

O rock ou a arte parietal foi o protagonista durante o Paleolítico. O habitual era tirar proveito das paredes das cavernas nas quais o ser humano vivia para fazer as pinturas. Em alguns casos, também foi pintado do lado de fora.

Quase todos os exemplos desse tipo de arte foram encontrados no sul da Europa, especificamente a partir do limite marcado pelo gelo produzido pela glaciação de Würm.

A principal característica dessas pinturas era o naturalismo. Muitos deles refletiam cenas de caça, com muitas figuras representando presas e caçadores. Uma das teorias existentes indica que as pinturas tinham uma função ritual, de modo que as capturas eram abundantes.

Os primeiros artistas da humanidade usaram técnicas bastante simples. As pinturas tinham apenas uma ou duas cores, obtidas de vários pigmentos minerais.

Arte no período neolítico

A “revolução neolítica” também teve seu reflexo na arte. Durante esse período, o ser humano aproveitou o final da glaciação para começar a viver fora das cavernas. Isso, juntamente com o desenvolvimento da agricultura e pecuária, fez com que ele abandonasse o nomadismo e se mudasse para assentamentos estáveis.

Todas essas mudanças foram refletidas nas manifestações artísticas. Como no Paleolítico, muitos dos trabalhos usavam a pedra como material primário, mas as novas técnicas de polimento tornavam o resultado muito mais refinado.

Outro material que começou a ocupar o centro do palco foi a cerâmica. Embora as criações fossem puramente utilitárias, principalmente recipientes para preservação de alimentos, considera-se que representaram o nascimento de um novo tipo de representação artística.

Por outro lado, também foram feitas pequenas figuras que representavam figuras femininas relacionadas à fertilidade. Os materiais mais utilizados para fabricá-los foram pedra e barro.

Arte na era do metal

Ao começar a trabalhar os metais, o ser humano possuía um novo material para elaborar seus trabalhos artísticos. No primeiro estágio, a Idade do Cobre, o ser humano usava esse metal para fazer itens meramente decorativos, como anéis ou pulseiras.

O período seguinte, a Idade do Bronze, foi caracterizado pela diversidade de criações artísticas e diferenças regionais. Os utensílios domésticos começaram a ser decorados com imagens e as estátuas eram mais realistas.

O surgimento de diferentes setores sociais e econômicos também se refletiu no campo artístico. Os mais privilegiados tinham como sinal de distinção a possibilidade de possuir objetos mais luxuosos e mais bem decorados, algo que se refletia nos costumes funerários e religiosos.

Referências

  1. Mundo antigo Etapas da pré-história. Obtido em mundoantiguo.net
  2. Briceño, Gabriela. Pré-história Obtido de euston96.com
  3. Departamento de Educação, Universidades e Pesquisa do Governo Basco. Arte Pré-Histórica Obtido de hiru.eus
  4. Enciclopédia do Novo Mundo. Pré-história Obtido em newworldencyclopedia.org
  5. Eduljee, idades pré-históricas de KE. Obtido em heritageinstitute.com
  6. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Período Paleolítico. Obtido em britannica.com
  7. Hendry, Lisa. Homo erectus, nosso ancestral antigo. Obtido em nhm.ac.uk
  8. National Geographic Marcos humanos primitivos. Obtido em genographic.nationalgeographic.com

Deixe um comentário