Psoas sinal: o que é, psoas anatomia muscular

O sinal do psoas é uma resposta clínica associada à irritação do peritônio, que é a camada que cobre a cavidade abdominal. Esse sinal é evidenciado quando o médico realiza a manobra de psoas para dor abdominal.

A manobra consiste em pedir ao paciente para esticar a perna direita para trás enquanto está deitado no lado esquerdo. O sinal é positivo se o paciente sentir dor durante a execução do movimento. A manobra consegue ativar o psoas, que é um músculo grande que está na cavidade abdominal e tem funções importantes na marcha e na estabilidade.

Psoas sinal: o que é, psoas anatomia muscular 1

Por Beth ohara – Trabalho próprio, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=545389

Quando encontrado dentro da cavidade abdominal, o músculo psoas entra em contato com a camada peritoneal. Esse contato consegue que, quando o peritônio é inflamado por um processo infeccioso do abdome, o movimento ativo do psoas causa dor.

Esse sinal é considerado um dos principais a serem levados em consideração quando se suspeita que o paciente esteja passando por um processo de inflamação do apêndice cecal, principalmente quando esse órgão estiver em uma posição posterior próxima ao músculo.

Embora o sinal do psoas seja indicativo de qualquer processo infeccioso que cause inflamação do peritônio, ele é mais frequentemente associado à apendicite aguda. O sinal foi descrito por vários cirurgiões ao longo da história sem atribuir sua descrição a qualquer um em particular.

Anatomia: músculo psoas

O psoas é um músculo localizado dentro do abdômen, atrás da camada peritoneal. É um dos maiores e mais importantes órgãos retro-peritoneais.

Composto por dois fascículos chamados psoas major e psoas minor, é um dos músculos mais importantes para estabilidade e marcha.

Origem

Os tendões de origem do psoas são inseridos nas últimas vértebras dorsais e primeiras lombares.

O fascículo mais longo do psoas, chamado psoas major, se origina nas últimas vértebras torácicas ou dorsais e nas quatro primeiras vértebras lombares. Consiste em dois segmentos, um superficial e outro profundo.

Psoas sinal: o que é, psoas anatomia muscular 2

Por colorized por Michael Gasperl – Gray’s Anatomy, domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=31907215

O segmento profundo é aquele que se origina nas quatro primeiras vértebras lombares (L1-L4), enquanto o segmento superficial se origina na borda externa da última vértebra dorsal (T12), criando uma estrutura tendínea firme ao se unir aos ligamentos adjacentes para os discos vertebrais.

Esses dois segmentos se juntam para formar o corpo muscular do psoas, que em sua porção inferior se une ao músculo ilíaco, dando origem ao músculo conhecido como iliopsoas.

O menor fascículo do psoas, chamado psoas menor, é um segmento fino do psoas que tem sua origem na última vértebra dorsal e primeira lombar (T12-L1). É uma porção longa que atinge o púbis e sua função é apoiar o psoas maior.

Psoas sinal: o que é, psoas anatomia muscular 3

Por Bemoeial – Trabalho próprio, Domínio Público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=28963970

O psoas menor tem muitas variações anatômicas e é considerado um músculo inconstante, pois está ausente em 60% dos indivíduos.

Função

O psoas cumpre importantes funções na marcha e no equilíbrio. Suas inserções tendinosas, que vão da coluna dorsal ao fêmur, conectam o tronco aos membros inferiores.

A ativação do psoas alcança a flexão do quadril, a manutenção da posição ereta e, em conjunto com outros músculos, a incorporação da posição horizontal para a vertical (deitado sobre os pés).

Relações anatômicas

O psoas é músculo retro-peritoneal, o que significa que não é coberto pela lâmina chamada peritônio que cobre os órgãos abdominais.

Sua longa jornada o relaciona a várias estruturas intra-abdominais, incluindo os rins e o cólon.

Psoas sinal: o que é, psoas anatomia muscular 4

Por Henry Vandyke Carter – Henry Gray (1918) Anatomia do corpo humano (consulte a seção «Livro» abaixo) Bartleby.com: Anatomia de Gray, Placa 1038, Domínio Público, https://commons.wikimedia.org/w/index. php? curid = 566984

No lado direito, o cólon está em uma posição mais posterior e, em algumas variações anatômicas, o apêndice cecal está localizado ainda mais em contato com o psoas.

Quando há uma infecção no abdômen, o peritônio reage desencadeando um processo inflamatório que em poucas horas instala um quadro de dor abdominal.

Psoas sinal: o que é, psoas anatomia muscular 5

De Davalos – Embriologia e Genética. Segunda Edição Ofnin editorial. La Paz. 1990, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=63865140

A proximidade do apêndice cecal com o músculo psoas causa uma irritação da camada fibrosa que cobre o músculo, tornando-o inflamado, causando dor com seu movimento.

Qual é o sinal do psoas?

Para mostrar o sinal do psoas, o médico deve executar a manobra de movimento ativo forçado do músculo, isto significa que o próprio paciente deve executar um movimento, sem ajuda, e forçar o máximo possível o membro na direção que for pergunta.

O paciente deve estar deitado no lado esquerdo. Uma vez nessa posição, é solicitado que você estique a perna direita e faça um movimento forçado (o maior possível) para trás. O sinal é positivo se esse movimento causar dor ao paciente, de modo que ele interrompa o movimento.

Outra maneira de obter um sinal positivo de psoas é com o paciente deitado de costas. Nesta posição, você deverá levantar a perna a cerca de 50 cm da cama. O médico coloca a mão na coxa do paciente e exerce pressão para baixo, pedindo ao paciente que tente superar essa força, levantando ainda mais a perna.

O sinal é considerado positivo se for desencadeada uma dor de tal magnitude que o paciente precise interromper o movimento.

Em ambos os casos, o que se busca é a ativação do músculo para que a lâmina peritoneal inflamada salte e cause dor.

Considerações clínicas

O sinal positivo do psoas é indicativo de um processo inflamatório abdominal. Pode ser específico para apendicite aguda quando avaliada em conjunto com outros sinais clínicos e quando relacionada à evolução da dor apresentada pelo paciente.

O apêndice apresenta variações anatômicas em uma porcentagem significativa de pessoas. Um dos mais comuns é o apêndice localizado atrás do cego, chamado apêndice retrocecal.

Psoas sinal: o que é, psoas anatomia muscular 6

Por Grant, John Charles Boileau – Um atlas de anatomia, / por regiões 1962, Domínio Público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=41038416

Na posição retrocecal, o apêndice está em contato direto com o músculo psoas, separado apenas pela lâmina peritoneal fina.

A apendicite aguda é uma condição infecciosa que causa um importante processo inflamatório peritoneal. Esse processo é instalado entre 4 a 6 horas.

Durante esse período e com o passar das horas, os movimentos que recuperam o peritônio causam grande dor no indivíduo afetado.

A inflamação que desencadeia o peritônio também irrita e inflama os órgãos próximos. Dessa maneira, o sinal do psoas causa dor através de dois mecanismos.

No momento da ativação do músculo, e mais se for forçado, a camada de peritônio inflamada possui o movimento de recuperação necessário para destacar a dor. Além disso, o corpo muscular começa a inchar devido à proximidade do órgão infectado, de modo que os movimentos de ativação muscular causam dor.

O sinal do psoas por si só não estabelece um diagnóstico, mas, quando avaliado em conjunto com os demais sinais clínicos, exames e sintomas do paciente, pode levar a diferentes patologias que causam irritação peritoneal.

Referências

  1. Sherman R. (1990). Dor abdominal Métodos clínicos: História, exames físicos e laboratoriais. 3ª edição, capítulo 86. Boston. Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov
  2. Rastogi, V; Singh, D; Tekiner, H; Ye, F., Mazza, J.J; Yale, SH (2019). Sinais Físicos Abdominais e Epônimos Médicos: Parte II. Exame físico da palpação, 1907-1926. Medicina clínica e pesquisa. Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov
  3. Sajko, S; Stuber, K. (2009). Psoas Major: relato de caso e revisão de sua anatomia, biomecânica e implicações clínicas. O Jornal da Associação Canadense de Quiropraxia. Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov
  4. Siccardi MA, Valle C. (2018). Anatomia, Pelve Óssea e Membro Inferior, Psoas Maior. StatPearls Ilha do Tesouro (FL). Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov
  5. Mealie, CA; Manthey, DE. (2019). Exame abdominal StatPearls Ilha do Tesouro (FL). Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov
  6. Jones, MW; Zulfiqar, H; Deppen JG. (2019). Apendicite StatPearls Ilha do Tesouro (FL). Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies