Shigeo Shingo: Biografia, Contribuições e Filosofia da Qualidade

Shigeo Shingo era um engenheiro industrial japonês conhecido por sua influência no setor industrial produtivo, graças ao desenvolvimento de conceitos que contribuíram para a melhoria operacional de empresas japonesas e internacionais ao longo do século XX.

Ele nasceu em 1909 e morreu 81 anos depois, em 1990. Ele cresceu e desenvolveu sua carreira no Japão, e teve uma presença profissional influente nos Estados Unidos. Shingo é considerado um líder mundial em práticas e teorias industriais e de manufatura.

Shigeo Shingo: Biografia, Contribuições e Filosofia da Qualidade 1

O Shingo é reconhecido pela existência e aplicação do Sistema Toyota de Produção, que marcou um antes e um depois na simplificação e maximização da eficiência nas etapas operacionais da produção.

Os componentes desse sistema começaram a ser adotados por outras empresas em todo o mundo, com grande influência e presença do próprio Shingo.

Da mesma forma, Shingo exibiu outros conceitos de engenharia industrial aplicáveis ​​aos sistemas de produção, como “poka yoke” e Zero Quality Control.

Ele foi o autor de várias publicações. Hoje, em seu nome, é concedido um prêmio às melhores inovações operacionais na área industrial e produtiva.

Biografia

Shigeo Shingo nasceu na cidade de Saga, no Japão, em 1909. Estudou na Escola Técnica Superior de Engenheiros, onde conheceu os conceitos da Organização do Trabalho Científico, desenvolvida pelo engenheiro americano Frederick Taylor. .

Mais tarde, ele estudou na Universidade Técnica de Yamanashi e em 1930 se formou como engenheiro. Quase imediatamente, Shingo inicia sua experiência profissional trabalhando como técnico de uma empresa ferroviária de Taipei.

Durante esta etapa, o Shingo começa a observar a dinâmica operacional das diferentes etapas do trabalho, bem como a eficiência de seus trabalhadores.

Antes de suas impressões, Shingo reflete e concebe a capacidade de melhorar e maximizar a eficiência dos processos operacionais industriais. Aprofundar os conceitos de Taylor, instruir sobre os fundamentos da gestão científica e da organização e administração do fluxo de operações.

Mais de uma década depois, Shingo é transferido para uma fábrica de munições em Yokohama. Após analisar e estudar as condições operacionais, Shingo praticamente aplicou seus conceitos de operações de fluxo em um dos estágios da fabricação de torpedos, aumentando exponencialmente a produtividade.

No final da Segunda Guerra Mundial, Shingo começa a trabalhar com a Associação Japonesa de Administração, onde é consultor e consultor na melhoria da administração e gerenciamento de processos de produção em fábricas e indústrias. Até meados dos anos 50, Shingo aconselha e aplica seus conceitos em mais de 300 empresas.

Relacionado:  Como iniciar um ensaio: dicas eficazes

Ele começou a trabalhar com a Toyota a partir de 1969, após experiências satisfatórias com empresas como Toyo e Mitsubishi durante os anos 50.

A função inicial do Shingo na Toyota era reduzir o tempo de produção na fase de instalação dos dados, aumentando o tempo devido a erros humanos e mecânicos.

O engenheiro desenvolveu uma técnica por meio de análise operacional que reduziu o tempo de produção. A Shingo desenvolveu sistemas que minimizavam o erro humano e forneciam qualidades ao maquinário para uma montagem precisa.

A eficácia de seus conceitos e aplicações levou Shingo aos Estados Unidos, graças à ajuda de um americano que também foi responsável por traduzir seus artigos e livros para o inglês.

Juntos, eles trouxeram as idéias de Shingo para o Ocidente pela primeira vez por meio de consultoria privada. Da mesma forma, Shingo conseguiu se expor diante dos auditórios das universidades americanas.

Contribuições mais importantes

1- Sistema Toyota de Produção

Embora a crença de que Shingo foi o criador do Sistema Toyota de Produção tenha sido popularizada, ele estava realmente encarregado de analisá-lo em profundidade, além de traduzi-lo e divulgá-lo em todo o mundo.

No entanto, Shingo foi uma peça influente na consolidação desse sistema como um exemplo de eficácia operacional.

O Sistema Toyota de Produção é um mecanismo sociotécnico que abrange todas as técnicas internas de produção, comunicação, marketing, entre outros aspectos, com os quais a Toyota lida.

É governado por uma série de técnicas práticas e filosóficas que transcendem a natureza meramente comercial de uma empresa, proporcionando uma abordagem mais pessoal.

A participação da Shingo na concepção e consolidação desse sistema consistiu no desenvolvimento de técnicas inovadoras, alinhadas às condições físicas existentes e ao desempenho que os gerentes buscavam. O Sistema Toyota de Produção também passou a ter o nome de sistema “bem a tempo”.

Este sistema inclui o cumprimento de objetivos gerais: descartar sobrecarga, inconsistência e desperdício.

O cumprimento desses objetivos está presente em todos os departamentos e níveis de negócios. Essa filosofia é governada pela frase “faça apenas o que for necessário, quando necessário, e apenas a quantidade necessária”.

Relacionado:  Como era a Sociedade Colonial Venezuelana?

A Toyota define os conceitos em torno de seu sistema como “automatismo com um toque humano”.

Alega-se que a implementação desse sistema levou a Toyota a ser a empresa que é hoje e também motivou outras empresas ao redor do mundo a aplicar suas próprias versões do sistema para maximizar sua eficácia.

2- Sistema de empurrar e puxar ( Empurrar e Puxar )

Essa técnica de gerenciamento operacional consiste na sistematização do material necessário a ser fabricado em cada estágio da produção. É dividido no processo de empurrar e puxar, cada um com suas próprias qualidades e níveis de rigidez.

O sistema de tração, ou “tração”, consiste na fabricação ou aquisição de material de acordo com a demanda necessária para estágios posteriores. É considerado um sistema flexível que se adapta aos parâmetros de filosofia e técnica “just in time”.

Esse sistema gerencia a produção com base na demanda, resultando em estoques menores e muitas falhas menores em cada produto. Essa técnica é aplicada nos momentos em que a inovação é buscada.

Por outro lado, o sistema push, ou “push”, organiza sua produção de acordo com cenários futuros ou como um avanço para eles. É uma técnica baseada no planejamento, portanto, é muito mais rígida do que sua contraparte.

A magnitude da produção é projetada em previsões de médio a longo prazo. Apresenta qualidades contrárias ao sistema “pull”, pois gera grandes estoques de produção cujos custos são compensados ​​em diferentes escalas comerciais.

3- Poka yoke

É uma técnica criada por Shigeo Shingo. É um sistema que garante a qualidade de um produto, impedindo que seja utilizado ou operado de forma incorreta.

O poka yoke também se tornou popular informalmente como um sistema infalível, embora seus objetivos sejam de grande importância na qualidade e no desempenho final de um produto.

A Shingo introduziu esse sistema em sua fase de trabalho com a Toyota e concebeu como principais características os seguintes aspectos: não permitir erro humano durante o uso ou operação do produto e, no caso de ocorrer um erro, destacá-lo de maneira que seja Impossível para o usuário ignorá-lo.

É uma técnica de controle de qualidade que se concentra no simples e no simples, referindo-se, em alguns casos, ao senso comum para a detecção de falhas ou erros no produto, evidenciando uma falha no processo de fabricação e para o usuário que não o faz. está condenado à perda de um produto devido ao uso indevido.

Relacionado:  Esboço do Método de Pesquisa: Preparação e Exemplos

A técnica de poka yoke tem efeitos positivos nas cadeias de produção. Alguns deles são: menor tempo de treinamento para os trabalhadores, eliminação de operações relacionadas ao controle de qualidade, descarte de operações repetitivas, ação imediata quando surgem problemas e uma visão do trabalho visando à melhoria.

4- Método Shingo

Consiste em uma série de diretrizes reflexivas e práticas que destacam a filosofia da Shingo em qualidade e dinâmica industrial e de negócios. Este método é aplicado e disseminado através do Instituto Shingo.

O método Shingo abrange uma pirâmide dividida pelas diferentes técnicas japonesas e suas aplicações no cenário da produção industrial.

Essa pirâmide é acompanhada por uma série de princípios que, para Shingo, devem orientar todos os trabalhadores em direção à excelência, independentemente de sua posição hierárquica.

Alguns dos princípios promovidos pela Shigeo Shingo são respeito a cada indivíduo, liderança com humildade, busca da perfeição, pensamento científico , foco no processo, garantia de qualidade desde o início, valor da técnica Push & Puxe , pensamento sistêmico, a criação de constância e propósito e a criação de valor real para o consumidor.

A Shingo, diferentemente de outros inovadores em processos e gestão industrial, levou em consideração o aspecto humano que existe na dinâmica interna das fábricas por meio de seus trabalhadores, e a capacidade de suas técnicas também maximiza a eficácia da força de trabalho. .

Referências

  1. Rosa, F. d., & Cabello, L. (2012). Precursores de qualidade. Universidade Virtual do Estado de Guanajuato.
  2. Instituto Shingo (sf). O modelo Shingo . Obtido no Instituto Shingo. Página inicial do Prêmio Shingo: shingoprize.org
  3. Shingo, S. (1986). Controle de qualidade zero: inspeção de fonte e sistema Poka-yoke. Portland: Productivity Press.
  4. Shingo, S. (1988). Produção não estocável: O sistema Shingo para melhoria contínua. Portland: Productivity Press.
  5. Shingo, S. (1989). Um estudo do sistema de produção de Tovota do ponto de vista da engenharia industrial.
  6. Shingo, S. (2006). Uma revolução na fabricação: o sistema SMED. Imprensa de produtividade

Deixe um comentário