Sistema de governo no México quando o Texas proclamou sua independência

O México adotava um sistema de governo centralizado, baseado na Constituição de 1824, quando o Texas proclamou sua independência em 1836. Nesse sistema, o país era uma república federal, com um presidente eleito pelo voto popular e dividido em estados autônomos. No entanto, o governo central mexicano enfrentava instabilidade política e conflitos internos, o que contribuiu para a insatisfação dos colonos americanos no Texas e levou à declaração de independência da região. A proclamação da independência do Texas marcou o início de um conflito armado entre o México e os colonos texanos, que resultaria na separação definitiva do território e na criação da República do Texas.

Qual foi a data em que o Texas conquistou sua independência dos Estados Unidos?

O Texas conquistou sua independência do México em 1836, não dos Estados Unidos. Foi em 2 de março de 1836 que o Texas proclamou sua independência do México, tornando-se uma república independente. O sistema de governo adotado pelo Texas foi uma república, com um presidente eleito para liderar o país. Após a proclamação da independência, o Texas enfrentou vários desafios para garantir sua soberania, incluindo conflitos com o México. Em 1845, o Texas tornou-se o 28º estado dos Estados Unidos, encerrando sua breve experiência como uma nação independente.

A história da anexação do Texas: um processo marcado por disputas territoriais e políticas.

A história da anexação do Texas está intimamente ligada ao sistema de governo no México durante o período em que o Texas proclamou sua independência. O território do Texas foi alvo de disputas territoriais e políticas entre o México e os colonos americanos que se estabeleceram na região.

Em meados do século XIX, o México enfrentava instabilidade política e social, o que levou a um enfraquecimento do sistema de governo centralizado. Nesse contexto, os colonos americanos no Texas, insatisfeitos com as políticas do governo mexicano, declararam sua independência em 1836, dando origem à República do Texas.

Apesar da proclamação da independência, o Texas enfrentou dificuldades para se estabelecer como uma nação soberana. A região estava constantemente sob ameaça de invasões mexicanas e enfrentava problemas econômicos e diplomáticos. Em 1845, o Texas decidiu se juntar aos Estados Unidos, em um processo de anexação que foi marcado por intensas negociações e debates políticos.

A anexação do Texas pelos Estados Unidos foi um marco na história da expansão territorial americana, mas também gerou tensões diplomáticas com o México. A questão da fronteira entre os dois países foi motivo de disputas por muitos anos, culminando na Guerra Mexicano-Americana em 1846.

O sistema de governo no México desempenhou um papel fundamental nesse contexto, influenciando as decisões dos colonos americanos e as relações diplomáticas entre os Estados Unidos e o México.

Qual foi o primeiro líder do Texas após a independência do México?

No sistema de governo do México, quando o Texas proclamou sua independência, o primeiro líder do Texas foi Sam Houston. Em 1836, após a Batalha de San Jacinto, o Texas conquistou sua independência do México e Sam Houston foi eleito presidente da República do Texas. Houston desempenhou um papel crucial na formação do novo país e na sua integração aos Estados Unidos em 1845.

Relacionado:  Unificação alemã: causas, características, etapas

Exploração e colonização do Texas: quem foram os responsáveis por sua conquista territorial?

A exploração e colonização do Texas foram realizadas principalmente por exploradores espanhóis e mexicanos, que buscavam expandir o território de seus impérios e estabelecer novas fronteiras. Entre os responsáveis por essa conquista territorial estavam figuras como Alonso Álvarez de Pineda, que mapeou a costa do Golfo do México em 1519, e Martín de León, que fundou a cidade de Victoria em 1824.

No entanto, a colonização do Texas também foi impulsionada por colonos americanos que buscavam terras baratas e oportunidades econômicas na região. A presença desses colonos levou a conflitos com as autoridades mexicanas, que tentavam controlar a expansão dos Estados Unidos em seu território.

Em 1836, o Texas proclamou sua independência do México, em um momento de instabilidade política no país. O sistema de governo no México passava por mudanças constantes, com diferentes facções lutando pelo poder. A proclamação da independência do Texas levou a uma guerra entre as duas nações, que culminou na derrota das forças mexicanas na Batalha de San Jacinto.

Após a independência do Texas, o território passou a ser disputado entre os Estados Unidos e o México, até que foi finalmente anexado pelos americanos em 1845. Esse evento marcou o início de uma nova fase na história do Texas, que se tornou um estado dos Estados Unidos e deixou para trás sua história de exploração e colonização por diferentes potências.

Sistema de governo no México quando o Texas proclamou sua independência

O sistema de governo no México, quando o Texas proclamou sua independência, era conhecido como República Centralista, sendo organizado sob um regime estatal unitário (com um único centro de poder político que se estendia por todo o Estado).

A disputa em curso entre conservadores e liberais, o caos político e as muitas divergências com algumas reformas feitas pelo governo liberal motivaram ações para que os conservadores dissolvessem o sistema federal.

Sistema de governo no México quando o Texas proclamou sua independência 1

Embora a República Centralista tenha sido formalmente estabelecida em 1836, um ano antes da constituição federal de 1824 já havia sido anulada, esse sistema funcionou aproximadamente onze anos, mais especificamente de 1836 a 1846.

As sete leis constitucionais: passo anterior ao problema do governo mexicano e do Texas

Em 30 de dezembro de 1836, foram decretadas as Sete Leis Constitucionais que legitimavam o novo governo, que já havia proclamado suas Bases Constitucionais em 23 de outubro do ano anterior.

Essas leis foram:

1 – Esta lei trata dos direitos e deveres dos cidadãos. Onde se destaca o dever de professar a religião do país, neste caso o católico.

2 – É estabelecido o Poder Supremo Conservador, composto por 5 membros eleitos a cada dois anos. O Poder Supremo Conservador poderia desativar qualquer um dos outros poderes da república (Legislativo, Executivo ou Judiciário).

3-É estabelecido um congresso composto por senadores e deputados, que ocuparam os cargos por um período de 6 e 4 anos, respectivamente, e foram eleitos pelos membros do governo.

Relacionado:  Quem venceu a Primeira Guerra Mundial?

4 – Esta lei trata do processo de eleição do poder executivo. O Supremo Tribunal, o Senado e a Junta Ministerial nomearam 9 candidatos (3 para cada instituição) e os deputados elegeram o Presidente e o Vice-Presidente entre eles.Com esta lei também são criados 4 ministérios: Interior, Relações Exteriores, Finanças e Guerra.

5 – Com o mesmo processo de eleição anterior, esta lei é estabelecida para eleger o Supremo Tribunal de Justiça, isso não deve ser confundido com o Supremo Poder Conservador.

6-Os estados federados são substituídos por departamentos. Os governadores desses departamentos foram eleitos pelo presidente.

7 – Esta lei era uma medida de segurança que proibia o retorno ao sistema anterior por um período de seis anos. Além disso, embora tenha sido concedida ao Congresso a capacidade de resolver problemas ou reformas constitucionais, eles não poderiam ser praticados após seis anos após a promulgação da nova Constituição.

Chegada de colonos anglo-saxões ao Texas

Foi precisamente o estabelecimento do regime centralista que causou a revolução que daria lugar à independência do Texas. Os falantes de inglês texano foram afetados pelos acordos que tinham com o México devido à queda da República Federal.

Para entender um pouco melhor as razões que levaram à revolução e à independência do Texas, devemos voltar à era colonial, antes que o México se tornasse independente da Espanha.

Devido aos grandes problemas econômicos que os Estados Unidos tinham na época, um banqueiro chamado Moses Austin chegou em 1819 ao território do Missouri para desenvolver um projeto que atraísse americanos para essa região. Assim, Austin pede à Espanha licenças para permitir que colonos americanos se estabeleçam nesses territórios.

No final de 1820, Austin recebeu a concessão espanhola e morreu mais tarde, então seu filho Stephen Austin é responsável por iniciar o processo de colonização.

Início do conflito do Texas com o México

Em 1921 e após uma longa disputa de onze anos, o México conseguiu se tornar independente da Espanha. Nesse mesmo ano, os americanos começaram a chegar por mar e terra ao território do Texas, mas os acordos não foram reconhecidos pelo novo governo mexicano.

Stephen Austin viajou para a Cidade do México e, após vários anos de negociação, conseguiu os acordos aceitos.

Para que esses novos acordos fossem possíveis, Austin teve que ceder a certos pontos (os colonos tiveram que se converter à religião católica, obter a nacionalidade mexicana e mudar seu nome para o equivalente em espanhol) e, em troca, cada colonizador recebeu 16 km².

Com o passar do tempo, a população no território cresceu e os Estados Unidos se interessaram pelo estado. Em 1927, ele ofereceu um milhão de dólares para o Texas e depois aumentou a oferta para cinco milhões, mas em ambas as ocasiões o México os rejeitou.

Embora o México tenha rejeitado as ofertas americanas, cada vez mais imigrantes chegavam e nem todos eram legais, então o governo proibiu a criação de novas colônias ou mais pessoas. Além disso, tudo isso foi adicionado a novos impostos.

Relacionado:  José López Portillo y Rojas: Biografia e Obras Principais

Se tudo se acrescentar que houve queixas por causa da proibição da escravidão ou que não havia liberdade de culto, os colonos começaram a professar suspeita e desconforto reais em relação ao governo mexicano.

Em 1835, no estado de Zacatecas, iniciou-se uma rebelião contra o governo centralista que acabou sendo reprimido e, como resultado, deixou muitos civis massacrados. Isso causou mais revoltas contra o governo e Stephen Austin foi preso por suspeita de incitar uma.

A província do Texas já estava indignada porque, além do que aconteceu em Zacatecas e da prisão de Austin, que por falta de provas acabou sendo libertada, um colono foi morto por um soldado mexicano.

Finalmente, como as relações entre o governo, sob o mandato do então presidente Antonio López de Santa Anna e a província do Texas não eram as melhores, este último decidiu se armar para proclamar sua independência.

Vitória e independência do Texas

Sistema de governo no México quando o Texas proclamou sua independência 2

Da esquerda para a direita: Antonio López de Santa Anna, Stephen Austin, Samuel Houston, nomes próprios para Texas Independence

A rebelião texana foi comandada pelo general Samuel Houston. Embora os texanos tenham vencido muito poucas batalhas, várias delas foram importantes e ocuparam vários lugares importantes, como San Antonio ou a Baía do Espírito Santo, que mais tarde foram recuperadas por Santa Anna.

O general Houston fez com que uma parte de suas tropas cumprisse algumas ordens em Goliad e Alamo.

Isso fez com que Santa Anna se aproveitasse da desvantagem numérica em que o exército estava e derrotou as duas tropas. No entanto, ele acabou sendo derrotado em San Jacinto pelo general Houston e a parte do exército que ficou com ele.

Sendo prisioneira de guerra, Santa Anna é finalmente obrigada a assinar o Tratado de Velasco (cujo nome é o local onde foi assinado) onde, em troca de sua libertação, a independência do Texas foi reconhecida.

Referências

  1. Barker, CE (1910). Stephen F. Austin e a independência do Texas. . Em EC Barker, The Quarterly da Associação Histórica do Estado do Texas, (pp. 13 (4), 257-284.).
  2. Brack, GM (1975). O México vê o destino manifesto, 1821-1846: um ensaio sobre as origens da Guerra do México. Imprensa da Universidade do Novo México.
  3. Costeloe, MP (2002). República Central do México, 1835-1846: ‘Hombres de Bien’in the Age of Santa Anna. Cambridge University Press.
  4. De la Peña, JE (2010). Com Santa Anna no Texas: uma narrativa pessoal da revolução. Imprensa da Universidade do Texas A&M.
  5. Green, SC (1987). República Mexicana: a primeira década, 1823-1832. . Universidade de Pittsburgh Pre.
  6. Schroeder, JH (1985). Anexação ou independência: a questão do Texas na política americana. Em JH Schroeder, The Southwestern Historical Quarterly (pp. 89 (2), 137-164.).
  7. Winston, JE (1912). Kentucky e a independência do Texas. Em JE Winston, The Southwestern Historical Quarterly (pp. 16 (1), 27-62).

Deixe um comentário