Socioantropologia: definição, características e escopo

O socioatropología é o ramo antropológico que estuda o ser humano, a partir do próprio indivíduo para formas de relações interpessoais e sociais. Estudar o homem, sua cultura e interação com os outros, tem sido uma questão das ciências sociais analisada desde o final do século XIX e o início do século XX.

Portanto, surgiram disciplinas como psicologia, antropologia, arqueologia e sociologia, que diagnosticam o comportamento individual e social de pessoas com dados empíricos, ideologias, geografia, contexto socioeconômico, entre outros fatores.

Socioantropologia: definição, características e escopo 1

Socioanthropology vs sociology

A sociologia, fundada pelo filósofo positivista Aguste Comte, coloca mais ênfase nas características estatísticas da sociedade humana, como a quantidade de população, eleitores, imigrantes ou o produto interno bruto de um país.

Por outro lado, a socioantropologia dá preponderância ao aspecto cultural (religião, arte, moral, etc.) das sociedades humanas.

A chamada antropologia social também estuda o homem, observando-o em seu tecido social. Ou seja, como as instituições que respondem às suas necessidades sociais são organizadas e construídas.

Os precursores dessa disciplina foram Edward Burnett Tylor e James George Frazer, com seus trabalhos no final do século XIX. Esses pesquisadores experimentaram mudanças em sua metodologia e teoria durante o período entre 1890 e 1920.

Esses autores se interessaram por trabalhos de campo e estudos holísticos, durante vários anos, de comportamento social em espaços, especialmente os naturais.

A ciência social mais jovem

A socioantropologia é a mais nova das ciências sociais, de acordo com o antropólogo britânico Godfrey Lienhardt, autor do livro Antropologia Social .

Seu colega e compatriota, EE Evans-Pritchard, define o antropólogo social como aquele que “estuda diretamente povos primitivos que vivem no meio deles por meses ou anos, enquanto a pesquisa sociológica geralmente é realizada com base em documentos, especialmente estatísticas”.

O interesse da antropologia tem sido o estudo de culturas que cresceram sem ter uma tradição de escrita ou tecnologia. Ou seja, o que para historiadores e sociólogos é um problema, pois eles são baseados no material tangível para trabalhar.

Diante de tal dificuldade, os antropólogos sociais tentam resolver o problema, estudando sociedades mais complexas, embora para EE Evans-Pritchard seja melhor começar com as mais simples para obter experiência.

A importância das pessoas e do meio ambiente para a socioantropologia

A Socioantropologia está interessada em conhecer o homem de diferentes magnitudes. Existem muitas aldeias com condições ambientais únicas que requerem análises especiais para entender seu tipo de organização, religião, cultura etc. É aí que essa disciplina ganha força.

Lienhardt afirma que, por mais fácil que seja descrever uma sociedade, se ela negligenciar seu ambiente natural e sua localização geográfica, o resultado será uma análise incompleta que deixa de fora um aspecto da realidade.

De acordo com essa perspectiva, muitos antropólogos sociais estudam assuntos topográficos e geográficos de uma cidade específica para obter maior precisão em suas investigações.

Alguns povos bastante primitivos podem ser afetados por mudanças ou catástrofes naturais por não terem tecnologias para combatê-los. Algumas tribos da selva amazônica, africanas ou asiáticas, se enquadram nessa categoria.

Para ilustrar isso, Lienhardt dá um exemplo: «Um ano de chuvas tardias, arruinando as plantações e causando fome, pode significar a dispersão de uma comunidade inteira forçando seus membros a viver dispersos entre vizinhos e parentes mais afortunados, ou a se colocar à mercê de estrangeiros »(Lienhardt, 1994: 62).

Ecologia humana

Essa disciplina também está interessada em conhecer a conexão do homem com seu ecossistema. Daí a chamada ecologia humana.

Lienhardt expõe, em seu livro Social Anthropology, o povo dos beduínos árabes, que vivem no deserto, depende dos camelos e interage com outras tribos da região. O ambiente, nesse caso, estabelece limites para os modos de vida pela política que eles aplicam.

Em suma, o ideal do antropólogo social é entender a adaptação de um povo à sua natureza circundante e como ele evolui nessa relação ao longo do tempo, como resultado de sua própria interação social. Godfrey Lienhardt apresenta o seguinte exemplo com o raciocínio de um esquimó:

“Os ursos não vieram porque não há gelo, não há gelo porque não há vento e não há vento porque ofendemos os poderes”. Essa frase exemplifica claramente como uma comunidade entende por que os fenômenos naturais ocorrem.

Realidade política

Para essa corrente, é extremamente importante saber como um povo se organiza politicamente, pois define o escopo ideológico em que atua.

“Os homens não têm prazer, mas, ao contrário, muitos arrependimentos por permanecerem em companhia, quando não há poder capaz de intimidá-los a todos” (Lienhardt, 1994: 87).

O autor se refere à necessidade de um povo se organizar politicamente. Os antropólogos sociais se intrometeram nos tipos de misturas políticas existentes e tentaram entender suas relações internas e externas.

Muitas tribos de caça e coleta são pequenos grupos unidos por parentesco, casamento ou rituais específicos que praticam. Alguns deles subsistem na África.

“Na maioria dos escritos antropológicos atuais, o termo” tribo “é usado para mencionar uma divisão política e territorial maior de um grupo étnico maior” (Lienhardt, 1994: 97).

Links socioeconômicos

Por outro lado, a socioantropologia também analisa a realidade social e econômica dos povos que investiga.

Lienhardt argumenta que, na época da mudança da economia de subsistência para a monetária, surgiu a necessidade de conhecer o conceito de “poder de compra” individual e coletivo dos povos para entendê-los antropologicamente.

O autor menciona uma cidade para exemplificar o acima. Ele diz que foi encontrado entre os índios das costas da Colúmbia Britânica, um grupo de pessoas que possuíam uma forma de economia baseada em grandes celebrações, competições e festas.

O entretenimento coletivo buscava garantir um tipo de estabilidade social e reconhecer os atributos de maior prestígio em uma reunião, que o autor chama de “Plotatch” (ou cerimônia de entrega).

As pessoas deram presentes umas às outras e foram forçadas a aceitá-las para não sofrer descrédito social.

«Helen Codere mostrou que o« Plotatch », do ponto de vista europeu, é uma forma de loucura, mas era a base de uma organização social complexa, que não poderia ser mantida sem ela» (Lienhardt, 1994: 134).

Relação familiar

Para a socioantropologia, o núcleo da sociedade continua sendo a família. Nele, o parentesco desempenha um papel fundamental expresso em nepotismos, típicos de povos ou tribos antigos que não compartilham os cânones das sociedades ocidentais.

Lienhardt acredita que o parentesco é um dos pilares de uma boa organização social. É a base para o estudo de todas as formas de atividade social, segundo ele.

A esse respeito, o antropólogo aponta: «O acasalamento é um fato biológico, o casamento é apenas uma criação da sociedade humana. Da mesma forma, a família e, mais amplamente, o parentesco são concepções sociais não biológicas ”(Lienhardt, 1994: 153).

Na Inglaterra, por exemplo, o núcleo familiar básico consiste em pai, mãe e filhos, que antropologicamente seria o símile animal de homens, mulheres e filhos.

Os antropólogos também viram sociedades patriarcais, onde o homem é um ser social e responsável dos filhos e esposa, a quem ele mantém e sustenta.

Finalmente, temos os valores e sistemas de crenças das pessoas, com seus rituais, ideologias, roupas, artes, linguagem, etc. Aspectos que, somados aos anteriores, compõem o tecido social que a socioantropologia pretende explicar como uma ciência social moderna, baseada no entendimento completo dos povos.

Características da socioantropologia

Abaixo, você encontra alguns dos recursos que se destacam nessa ciência social:

-Esta disciplina fornece uma visão holística que entende o homem individual e socialmente, além de enquadrá-lo em seu contexto cultural e político de realidade complexa.

-Você tem uma visão mais abrangente do corpo humano, uma vez que é estudado em seu contexto sociocultural, as patologias que o afetam e suas modas.

– A ecologia é mais bem compreendida e aponta para o grau e o modo de adaptação de um sistema social ou pessoas, ao seu ambiente.

-A estrutura social é entendida como a organização do homem em comunidade, uma vez que os sistemas socioculturais requerem uma certa ordem institucional para garantir que funcionem de maneira estável.

-Foca na ideologia que abriga uma comunidade, que se refere aos costumes, crenças e características mentais que os grupos têm.

– Contém ferramentas conceituais que contribuem para o entendimento da diversidade, da complexidade do ser humano e de sua interação com a natureza.

– Serve para entender comportamentos agressivos coletivos, determinando causas e consequências como o terrorismo.

-Analise a realidade fazendo uma leitura metodológica de como a sociedade age, o que lhe permite prever futuras tendências sociais de comportamento ou preferências.

– Compreender conceitos como diagnóstico rápido e histórias de vida das pessoas.

-É uma disciplina que se torna um interlocutor entre o conhecimento científico da saúde e o conhecimento local de uma cidade ou comunidade em particular.

Referências

  1. «Antropologia sociocultural e seus métodos» (2003). Gomez, Eloy. Departamento de Antropologia. Universidade da Cantábria, Santander, Espanha.
  2. «Contribuição dos estudos de gênero para as ciências sociais» (2014). Revista Antropológica do Sul, nº 1. Rebolledo, Loreto, Temuco, Chile.
  3. «Introdução à antropologia social e cultural» (2010). Barañano Cid. Departamento de Antropologia Social. Universidade Complutense de Madri, Espanha.
  4. “Democracia providencial” (2004). Schneider, David M. Ensaio sobre igualdade contemporânea. Buenos Aires, Argentina.
  5. Antropologia social (1994). Godfrey Lienhardt, Editorial Economic Culture Fund, México.
  6. «História do pensamento antropológico» (1987). Evans-Pritchard, Edward, Editorial Teorema Chair, México.
  7. Lienhardt, 1994. monographs.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies