Transtorno da compulsão alimentar periódica: sintomas, causas e tratamento

O Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP) é uma condição caracterizada por episódios recorrentes de ingestão excessiva de alimentos, acompanhados por uma sensação de perda de controle sobre a alimentação. Os sintomas incluem comer rapidamente, comer até sentir-se desconfortavelmente cheio, comer sozinho por vergonha e sentimentos de culpa após as compulsões.

As causas do TCAP podem estar relacionadas a fatores genéticos, psicológicos, sociais e ambientais. Pessoas com histórico de transtornos alimentares, estresse, ansiedade, depressão e problemas de autoestima parecem ter maior propensão a desenvolver o transtorno.

O tratamento do TCAP geralmente envolve uma abordagem multidisciplinar, que pode incluir psicoterapia, terapia cognitivo-comportamental, aconselhamento nutricional e, em alguns casos, uso de medicamentos. O objetivo do tratamento é ajudar o indivíduo a desenvolver uma relação saudável com a comida, aprender a lidar com os gatilhos emocionais e estabelecer padrões alimentares equilibrados. É importante buscar ajuda profissional ao identificar sintomas de TCAP para receber o suporte adequado e melhorar a qualidade de vida.

Principais fatores que desencadeiam o transtorno de compulsão alimentar periódica.

O Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP) é caracterizado pela ingestão de grandes quantidades de alimentos em um curto período de tempo, acompanhada de uma sensação de perda de controle. Os principais fatores que desencadeiam esse transtorno são diversos e podem variar de pessoa para pessoa.

Um dos fatores mais comuns é o estresse. Situações estressantes, como problemas financeiros, conflitos familiares ou pressão no trabalho, podem levar uma pessoa a buscar conforto na comida, desencadeando episódios de compulsão alimentar.

Outro fator importante é a insatisfação corporal. Pessoas que têm uma imagem negativa de seus corpos ou que estão constantemente tentando perder peso podem desenvolver comportamentos compulsivos em relação à comida, levando ao TCAP.

Além disso, a genética também desempenha um papel importante. Estudos mostram que o transtorno de compulsão alimentar periódica pode ocorrer com mais frequência em pessoas com histórico familiar de transtornos alimentares.

Por fim, a disponibilidade de comida também pode ser um fator desencadeante. Ambientes onde há fácil acesso a alimentos calóricos e altamente palatáveis podem estimular episódios de compulsão alimentar em pessoas suscetíveis.

Em suma, o TCAP é um transtorno complexo que pode ser desencadeado por uma combinação de fatores, desde o estresse até a genética. É importante buscar ajuda profissional para identificar esses fatores e desenvolver estratégias de tratamento adequadas.

Tratamentos para compulsão alimentar: opções e recomendações para lidar com esse transtorno.

O Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica é caracterizado por episódios recorrentes de ingestão de alimentos em grandes quantidades, acompanhados de uma sensação de falta de controle. Esses episódios podem trazer consequências físicas e emocionais negativas, afetando a qualidade de vida da pessoa que sofre com esse transtorno.

Existem diversas opções de tratamento para a compulsão alimentar, que podem ser combinadas de acordo com a necessidade de cada indivíduo. Entre as opções disponíveis, destacam-se a terapia cognitivo-comportamental, a terapia nutricional, o acompanhamento psiquiátrico e o uso de medicamentos.

A terapia cognitivo-comportamental é uma das abordagens mais eficazes no tratamento da compulsão alimentar. Ela ajuda o paciente a identificar e modificar padrões de pensamento e comportamento disfuncionais, que contribuem para a compulsão alimentar. Além disso, a terapia nutricional pode auxiliar na reeducação alimentar e no estabelecimento de hábitos saudáveis de alimentação.

O acompanhamento psiquiátrico é importante para avaliar a necessidade de uso de medicamentos no tratamento da compulsão alimentar. Alguns medicamentos, como inibidores seletivos de recaptação de serotonina, podem ser prescritos para ajudar a controlar os sintomas do transtorno.

Além disso, é fundamental buscar o apoio de profissionais especializados no tratamento da compulsão alimentar, como psicólogos, psiquiatras e nutricionistas. O suporte de amigos e familiares também é essencial para o sucesso do tratamento.

Com o apoio adequado, é possível lidar com esse transtorno e melhorar a qualidade de vida.

Sintomas da compulsão alimentar: entenda como identificar e lidar com esse transtorno alimentar.

Transtorno da compulsão alimentar periódica: sintomas, causas e tratamento.

A compulsão alimentar é um transtorno alimentar caracterizado por episódios recorrentes de ingestão excessiva de alimentos, acompanhados por uma sensação de perda de controle. Esses episódios podem causar sentimentos de culpa, vergonha e angústia, afetando significativamente a qualidade de vida da pessoa afetada.

Relacionado:  Sinestesia: Características, Tipos e Funcionamento

Os sintomas da compulsão alimentar incluem a ingestão rápida de grandes quantidades de comida, mesmo quando não se está com fome, a sensação de incapacidade de parar de comer, comer sozinho por vergonha e a sensação de culpa após os episódios de compulsão. Além disso, pessoas com esse transtorno tendem a se isolar socialmente e a ter uma relação conturbada com a comida.

As causas da compulsão alimentar podem estar relacionadas a fatores genéticos, biológicos, psicológicos e ambientais. Traumas emocionais, estresse, pressão social e dietas restritivas também podem desencadear episódios de compulsão alimentar.

O tratamento da compulsão alimentar envolve uma abordagem multidisciplinar, que inclui acompanhamento médico, psicológico e nutricional. Terapia cognitivo-comportamental, grupos de apoio e a prática de atividades físicas regulares podem ser eficazes no tratamento desse transtorno.

É importante buscar ajuda profissional se você ou alguém que você conhece apresentar sintomas de compulsão alimentar. Com o apoio adequado, é possível identificar e lidar com esse transtorno alimentar, melhorando a qualidade de vida e a relação com a comida.

Identificando os sintomas e realizando exames específicos para diagnosticar a Síndrome de Tensão Crânio-Cervical.

Para diagnosticar a Síndrome de Tensão Crânio-Cervical, é importante identificar os sintomas característicos desse distúrbio. Alguns dos sinais mais comuns incluem dor de cabeça constante, rigidez no pescoço, tonturas e irritabilidade. Além disso, podem ocorrer alterações na visão e sensibilidade à luz.

Para confirmar o diagnóstico, o médico pode solicitar exames específicos, como ressonância magnética e tomografia computadorizada para avaliar a região cranio-cervical. Esses exames ajudarão a identificar possíveis compressões nervosas ou lesões que possam estar causando os sintomas.

É importante buscar ajuda médica ao primeiro sinal de sintomas relacionados à Síndrome de Tensão Crânio-Cervical, pois um diagnóstico precoce pode facilitar o tratamento e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Transtorno da compulsão alimentar periódica: sintomas, causas e tratamento

A compulsão alimentar é uma perturbação do comportamento alimentar caracterizado por episódios de compulsão alimentar periódica.Ou seja, uma pessoa que sofre desse distúrbio apresenta uma maneira descontrolada de comer, que se transforma em um aumento notável no peso.

A pessoa com transtorno da compulsão alimentar periódica perde o controle sobre seu comportamento alimentar e continua a ingerir grandes quantidades de comida, apesar de não sentir fome ou até de sentir-se satisfeito.

Transtorno da compulsão alimentar periódica: sintomas, causas e tratamento 1

A origem desse distúrbio alimentar está em um problema psicológico, uma vez que a pessoa perde o controle de seu comportamento e, embora seu corpo indique que não quer mais comida, ele continua a comer em abundância.

Diferenças com bulimia

Se você já viveu de perto com um distúrbio alimentar, seja na primeira pessoa, seja na família ou nos amigos, agora provavelmente está fazendo uma pergunta … Esse distúrbio chamado transtorno da compulsão alimentar periódica é igual à famosa bulimia nervosa?

É um distúrbio muito semelhante, mas diferente, pois difere principalmente pela ausência de comportamentos compensatórios.Em outras palavras: na bulimia nervosa, também existem episódios de compulsão alimentar, nos quais você come excessivamente, com muita ansiedade e incapaz de parar de comer grandes quantidades de comida.

No entanto, após o término do episódio compulsivo, a culpa e a ansiedade aparecem por ter realizado um comportamento indesejado, uma vez que o objetivo de uma pessoa que sofre de bulimia é reduzir o peso devido ao descontentamento do corpo e da imagem corporal.

Essa culpa e ansiedade por ter comido muito fazem com que a pessoa faça comportamentos compensatórios, sejam purgativos, como induzir vômitos ou usar laxantes, ou não-purgativos, como jejuar ou se exercitar de maneira extrema para perder peso.

Em contraste, o transtorno da compulsão alimentar periódica difere nesses dois últimos aspectos:

  1. Após a compulsão, não há comportamento compensatório.
  2. Na ausência de comportamento compensatório, há um maior ganho de peso causado por episódios de compulsão alimentar.

Sintomas

Transtorno da compulsão alimentar periódica: sintomas, causas e tratamento 2

Como acabamos de mencionar, as pessoas que sofrem de transtorno da compulsão alimentar periódica geralmente sofrem de ganho de peso, por isso geralmente estão acima do peso ou obesas.No entanto, nem sempre é o caso. Você pode ter um transtorno de compulsão alimentar e ter um peso normal.

Portanto, veremos quais são os sintomas que melhor definem o transtorno da compulsão alimentar periódica e, se ocorrerem, aumentam a probabilidade de que esse problema esteja sendo sofrido.

  1. Coma grandes quantidades de comida (compulsão alimentar).
  2. Continue comendo quando estiver saciado.
  3. Coma compulsivamente e em alta velocidade durante a farra.
  4. Coma até o ponto em que a grande quantidade de comida ingerida cause desconforto.
  5. Consuma normalmente alimentos com alto teor calórico durante a compulsão alimentar.
  6. Faça bingeing sozinho ou mesmo oculto com freqüência.
  7. Realize compulsão alimentar normalmente e não em ocasiões especiais, como festas ou comemorações.
  8. A compulsão alimentar pode ocorrer em locais diferentes (por exemplo, comece em um restaurante e continue comendo em casa).
  9. Sentindo que você não pode controlar seu comportamento alimentar e não pode parar de fazê-lo.
  10. Apresentar estados de ansiedade ou situações de estresse devido a idéias relacionadas ao peso, silhueta, dieta, etc.
  11. Use compulsão alimentar para reduzir essa ansiedade.
  12. Apresente sentimentos de culpa, nojo, autodepreciação ou depressão por ter feito a compulsão.
  13. Tendo dificuldade em explicar e compartilhar com outras pessoas sentimentos sobre compulsão alimentar.
  14. Fazer dieta frequentemente sem sucesso, ganhando e perdendo várias vezes (dieta ioiô).

Características das pessoas com transtorno da compulsão alimentar periódica

Pessoas que sofrem de transtorno da compulsão alimentar periódica são consideradas a meio caminho entre as pessoas com bulimia nervosa e as com obesidade.

Eles geralmente apresentam altos níveis de disforia e desconforto psicológico devido ao seu problema, além de uma personalidade perfeccionista, completa e controladora ,
com grande preocupação com o fracasso.

Eles tendem a ter uma alta predisposição para a depressão, por isso é provável que tenham sofrido anteriormente um episódio desse tipo.Da mesma forma, eles também frequentemente apresentam ataques de pânico e ansiedade.

Eles têm uma alteração na imagem corporal, superestimando seu peso e altura, embora muito menos do que pode acontecer em pessoas com anorexia ou bulimia nervosa.

No entanto, o fato de geralmente estarem com sobrepeso ou obesos os deixa insatisfeitos com a aparência física e superestimam a obesidade (eles parecem mais gordos do que realmente são).

Complicações

Além do mal-estar psicológico que esse distúrbio na pessoa que sofre, também pode causar sérios problemas de saúde.Essas alterações são geralmente produzidas pela obesidade e incluem, entre outras:

  • Diabetes Mellitus
  • Hipertensão
  • Colesterol alto.
  • Distúrbios do baço
  • Problemas cardíacos.
  • Problemas respiratórios.
  • Câncer de cólon
  • Distúrbios da menstruação
  • Mobilidade reduzida.
  • Transtornos do sono.

Estatisticas

Os dados de prevalência são confusos hoje, pois há alguns anos esse distúrbio é conhecido como uma entidade psicopatológica,

No entanto, dados atuais indicam que é o distúrbio alimentar mais comum entre a população de todo o planeta.Atualmente, diz-se que esse distúrbio afeta aproximadamente 2% da população mundial.

O que está claro é que a prevalência desse distúrbio é muito alta entre as pessoas obesas, uma vez que mais de 20% das pessoas com obesidade também têm transtorno de compulsão alimentar.

Esse distúrbio representa um dos maiores fatores de risco para a obesidade, uma vez que duas em cada dez pessoas obesas são causadas pelo transtorno da compulsão alimentar.Da mesma forma, uma prevalência mais alta desse problema foi identificada em mulheres que em homens.

Causas

Atualmente, não se sabe qual é a causa específica desse distúrbio, embora pareça claro que existem vários fatores associados ao seu desenvolvimento.Como outros transtornos alimentares, parece claro que o transtorno da compulsão alimentar resulta da combinação de fatores biológicos, psicológicos e ambientais.

Fatores psicológicos

No que diz respeito ao aspecto psicológico, parece haver uma certa correlação entre a depressão e o aparecimento desse distúrbio. P metade Quase de pessoas que sofrem de transtorno de compulsão alimentar, presente ou apresentaram um episódio depressivo.

Relacionado:  Transtorno Dismórfico Corporal: Sintomas, Causas, Tratamento

No entanto, a relação entre depressão e transtorno da compulsão alimentar periódica não foi amplamente estudada e não se sabe se os estados depressivos realmente atuam como causa do transtorno da compulsão alimentar periódica.

Da mesma forma, sintomas como tristeza, ansiedade, estresse ou outros sentimentos de descontentamento pessoal também parecem estar intimamente relacionados a esse distúrbio alimentar.

Além disso, impulsividade e abuso de substâncias parecem ser fatores que podem atuar como precipitantes do transtorno da compulsão alimentar periódica.Tudo isso indica que esse distúrbio possui um forte componente emocional, portanto alterações desse tipo podem favorecer sua aparência.

No entanto, um distúrbio emocional não explica a aparência desse distúrbio, parece haver muitos outros fatores em jogo.

Fatores biológicos

Atualmente, a ligação de certos genes com essa patologia está sendo investigada, fato que indicaria que o transtorno da compulsão alimentar periódica também contém um componente hereditário.

Essa psicopatologia é geralmente mais frequente entre as pessoas que têm parentes que já a sofreram antes.Da mesma forma, parece que hormônios como a serotonina também podem estar envolvidos no seu desenvolvimento.

Fatores ambientais

Finalmente, com relação aos fatores ambientais, observou-se que as pessoas que sofrem desse distúrbio geralmente vêm de famílias com maus hábitos alimentares.

Geralmente são famílias que comem demais e dão pouca ênfase à importância de levar uma dieta e estilo de vida saudáveis ​​e não valorizam o componente nutricional dos alimentos.

Parece que não há uma causa única para esse distúrbio, mas se origina devido à conjunção de fatores psicológicos, genéticos e ambientais.

Prevenção

Embora nem todos os transtornos da compulsão alimentar possam ser evitados, as causas dessa psicopatologia que acabamos de mencionar indicam que podemos executar determinadas ações para tentar não aparecer.

Receber uma boa educação alimentar durante a infância e adolescência, adquirindo o valor da nutrição e da saúde física, parece ser um fator importante na sua prevenção.

Da mesma forma, parar no tempo e lidar adequadamente com problemas relacionados a transtornos do humor, problemas de auto-estima ou outros problemas emocionais também pode nos salvar de acabar sofrendo de um transtorno alimentar compulsivo.

Tratamento

O transtorno da compulsão alimentar periódica é uma patologia grave; portanto, se você sofre, é muito importante que você receba o tratamento adequado e faça todo o possível para tentar redirecionar seu comportamento alimentar.

No nível farmacológico, medicamentos como desipramina e imipramina (antidepressivos tricíclicos) têm se mostrado eficazes na diminuição da frequência e duração da compulsão alimentar.

Da mesma forma, o tratamento comportamental cognitivo (psicoterapia) geralmente é útil para melhorar os padrões alimentares.O tratamento psicológico deve ter como objetivo modificar e melhorar todas as áreas da pessoa que não funcionam adequadamente.

Deve-se trabalhar para melhorar a aptidão física e reduzir o excesso de peso, através do estabelecimento de hábitos adequados de ingestão e atividade física saudável.

Da mesma forma, você deve trabalhar diretamente na compulsão alimentar para garantir que eles não apareçam e fazer estratégias para gerenciar a ansiedade e a impulsividade.

Por fim, é mais provável que seja necessário realizar uma reestruturação cognitiva da imagem corporal, para que não fique mais distorcida, e trabalhar para alcançar a estabilidade emocional que permita que a compulsão não apareça novamente.

Referências

  1. Caballo, V. (2011) Manual de psicopatologia e distúrbios psicológicos. Madri: Ed. Piramide
  2. DSM-IV-TR Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (2002). Barcelona: Masson
  3. Hawkins RC & CIement ~ “Desenvolvimento e validação de construto de uma medida de relatório de tendências de compulsão alimentar”. Addictive Behaviors, 1980,5,219-226.
  4. Kolotkin RL. Revis ES, KirkIey BG e Janick L. «Compulsão alimentar na obesidade: eharaeteristics MMPI associado». Journal of Consulting and Clinical Psychology, 1987 , 55 , 872-876.
  5. Os dados foram analisados ​​por meio de questionários, entrevistas, entrevistas e entrevistas com os participantes.«Desordem compulsiva: Amultisitefieldtria! ofthediagnostic
  6. A Cleveland Clinic 1995-2006. Transtorno de compulsão alimentar.Vallejo, J. (2011). Introdução à psicopatologia e psiquiatria. (7a Ed.) Barcelona: Masson.

Deixe um comentário