Transtorno esquizofreniforme: sintomas, causas, tratamento

O transtorno esquizofreniforme é uma condição psiquiátrica caracterizada por sintomas semelhantes à esquizofrenia, porém com uma duração mais curta, entre um a seis meses. Os sintomas incluem alucinações, delírios, pensamento desorganizado, alterações de humor e comportamento social inadequado. As causas do transtorno esquizofreniforme não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que envolvam uma combinação de fatores genéticos, ambientais e neuroquímicos. O tratamento geralmente envolve terapia medicamentosa, terapia cognitivo-comportamental e suporte psicossocial. É importante procurar ajuda profissional ao perceber qualquer sintoma para um diagnóstico correto e um plano de tratamento adequado.

Entenda o transtorno esquizofreniforme e suas características principais de forma simplificada.

O transtorno esquizofreniforme é uma condição psiquiátrica grave que se assemelha à esquizofrenia, mas com uma duração mais curta. Geralmente, os sintomas duram entre um mês e seis meses, sendo necessário um mínimo de um mês de sintomas ativos para o diagnóstico.

As características principais do transtorno esquizofreniforme incluem alucinações, delírios, discurso desorganizado, comportamento desorganizado ou catatônico e sintomas negativos. Os sintomas negativos são deficiências na capacidade de funcionar normalmente e incluem falta de emoção, interesse ou prazer.

As causas exatas do transtorno esquizofreniforme não são totalmente conhecidas, mas acredita-se que uma combinação de fatores genéticos, biológicos e ambientais desempenhe um papel. Fatores de estresse, como eventos traumáticos, também podem desencadear a condição em pessoas geneticamente predispostas.

O tratamento do transtorno esquizofreniforme geralmente envolve uma combinação de medicação antipsicótica e psicoterapia. O objetivo do tratamento é aliviar os sintomas, prevenir recaídas e ajudar o paciente a recuperar a funcionalidade e qualidade de vida.

Entendendo a diferença entre esquizofrenia e esquizofreniforme: o que você precisa saber.

O transtorno esquizofreniforme é muitas vezes confundido com a esquizofrenia, no entanto, existem diferenças importantes entre os dois. Enquanto a esquizofrenia é um transtorno crônico e de longa duração, o esquizofreniforme é uma condição mais breve, geralmente com duração de 1 a 6 meses.

Os sintomas do transtorno esquizofreniforme são semelhantes aos da esquizofrenia, incluindo alucinações, delírios, pensamento desorganizado e mudanças de comportamento. No entanto, o transtorno esquizofreniforme apresenta uma duração mais curta e os sintomas podem desaparecer por conta própria sem tratamento.

As causas do transtorno esquizofreniforme ainda não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que uma combinação de fatores genéticos, biológicos e ambientais possa desempenhar um papel no seu desenvolvimento. O tratamento para o transtorno geralmente envolve medicação antipsicótica, terapia cognitivo-comportamental e suporte psicossocial.

É importante consultar um profissional de saúde mental se você ou alguém que você conhece apresentar sintomas de transtorno esquizofreniforme. Um diagnóstico precoce e um plano de tratamento adequado podem ajudar a gerenciar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

Conheça os quatro tipos de esquizofrenia e suas características específicas para compreender melhor.

O transtorno esquizofreniforme é uma condição mental complexa que afeta a maneira como uma pessoa pensa, sente e se comporta. Existem quatro tipos principais de esquizofrenia, cada um com características específicas que ajudam a distinguir entre eles.

Relacionado:  O que é psicologia criminal?

O primeiro tipo é a esquizofrenia paranoide, que é caracterizada por delírios e alucinações, muitas vezes relacionados a conspirações ou perseguições. Os indivíduos com essa forma de esquizofrenia podem se sentir constantemente ameaçados e desconfiados do mundo ao seu redor.

O segundo tipo é a esquizofrenia desorganizada, onde há dificuldade em manter pensamentos organizados e coerentes. Os sintomas incluem discurso incoerente, comportamento bizarro e dificuldade em realizar tarefas simples do dia a dia.

O terceiro tipo é a esquizofrenia catatônica, que se manifesta através de movimentos repetitivos e anormais, imobilidade extrema e falta de resposta a estímulos externos. Os indivíduos com essa forma de esquizofrenia podem parecer estar em um estado de estupor ou agitação inexplicável.

O quarto tipo é a esquizofrenia indiferenciada, que engloba uma combinação de sintomas dos outros tipos de esquizofrenia. Pode ser mais difícil de diagnosticar, pois os sintomas podem ser variados e inconsistentes.

É importante reconhecer os diferentes tipos de esquizofrenia para que o tratamento adequado possa ser prescrito. O tratamento geralmente inclui uma combinação de medicamentos antipsicóticos, terapia cognitivo-comportamental e suporte familiar.

Tratamento da esquizofrenia: métodos e abordagens para lidar com os sintomas da doença.

O tratamento da esquizofrenia envolve uma abordagem multidisciplinar que visa controlar os sintomas da doença e melhorar a qualidade de vida do paciente. Existem diversos métodos e abordagens que podem ser utilizados, dependendo das necessidades individuais de cada pessoa.

Uma das principais formas de tratamento da esquizofrenia é a terapia medicamentosa. Os medicamentos antipsicóticos são frequentemente prescritos para ajudar a controlar os sintomas psicóticos, como alucinações e delírios. É importante ressaltar que a adesão ao tratamento medicamentoso é fundamental para o sucesso do tratamento.

Além da terapia medicamentosa, a terapia cognitivo-comportamental também pode ser uma ferramenta eficaz no tratamento da esquizofrenia. Essa abordagem terapêutica ajuda o paciente a identificar e modificar padrões de pensamento e comportamento disfuncionais, promovendo uma melhor adaptação social e emocional.

Outras formas de tratamento da esquizofrenia incluem a terapia ocupacional, que ajuda o paciente a desenvolver habilidades para lidar com as atividades do dia a dia, e a terapia familiar, que envolve os familiares do paciente no processo de tratamento e reabilitação.

É importante ressaltar que o tratamento da esquizofrenia deve ser individualizado e adaptado às necessidades específicas de cada paciente. Além disso, a participação ativa do paciente e de sua família no processo de tratamento é essencial para o sucesso a longo prazo.

Em resumo, o tratamento da esquizofrenia envolve uma abordagem multidisciplinar que inclui terapia medicamentosa, terapia cognitivo-comportamental, terapia ocupacional e terapia familiar. A adesão ao tratamento e a participação ativa do paciente e de sua família são fundamentais para o sucesso do tratamento.

Transtorno esquizofreniforme: sintomas, causas, tratamento

O transtorno esquizofreniforme é uma condição na qual os sintomas psicopatológicos da esquizofrenia são experimentadas por vários meses, o envio para tratamento ou por razões desconhecidas.

Relacionado:  Misofobia: sintomas, causas, comorbidade, tratamentos

Os sintomas desse distúrbio são idênticos aos da esquizofrenia, embora durem pelo menos 1 mês e menos de 6 meses. Não é causado por medicamentos, substâncias ou outros transtornos mentais.

Transtorno esquizofreniforme: sintomas, causas, tratamento 1

Sintomas principais

Existem cinco principais sintomas dados pelo DSM-V:

  • Alucinações : escute, veja, cheire ou sinta coisas que não são reais.
  • Ilusões : ter crenças falsas, estranhas para outras pessoas.
  • Pensamento desorganizado : pensamentos que fazem a pessoa de repente parar de falar ou usar palavras sem sentido.
  • Comportamento desorganizado : comportando-se estranhamente em público, acumulando objetos, catatonia (da agitação desenfreada à imobilidade), flexibilidade cerosa (mantendo o corpo e os membros na posição em que alguém os coloca).
  • Sintomas negativos : apatia, elogios, anedonia, afetividade plana.

Causas

Embora as causas exatas do distúrbio esquizofreniforme não sejam conhecidas, acredita-se que sejam devidas a fatores genéticos, químicos e ambientais.

Genetic

É mais provável que ocorra em pessoas que têm parentes com esquizofrenia ou transtorno bipolar. Algumas pessoas têm uma vulnerabilidade genética multifatorial que é desencadeada por fatores ambientais.

Química do cérebro

Pessoas com esse distúrbio podem ter um distúrbio no funcionamento dos circuitos cerebrais que regulam a percepção ou o pensamento.

Atmosfera

Alguns fatores ambientais, como eventos estressantes ou más interações sociais, podem desencadear o distúrbio em pessoas que herdaram a tendência a desenvolvê-lo.

Diagnóstico

É importante distinguir esse distúrbio de outras condições médicas e psiquiátricas. Eles podem ser considerados:

  • Avaliação toxicológica
  • Avaliação médica.
  • Avaliação do estado psicológico.

Critérios de diagnóstico de acordo com o DSM-IV

A) Os critérios A, D e E para esquizofrenia são atendidos.

B) Um episódio do distúrbio (incluindo frases prodrômicas, ativas e residuais) dura pelo menos 1 mês, mas menos de 6 meses. (Quando o diagnóstico precisar ser realizado sem aguardar a remissão, será qualificado como provisório).

Especifique se: Sem características de bom prognóstico.

Com características de bom prognóstico: indicado por dois ou mais dos seguintes itens:

  1. Início dos sintomas psicóticos acusados ​​nas primeiras 4 semanas da primeira grande mudança de comportamento ou atividade habitual.
  2. Confusão ou perplexidade ao longo do episódio psicótico.
  3. Boa atividade social e trabalhista pré-mórbida.
  4. Ausência de achatamento afetivo ou embotamento.

Os seguintes distúrbios podem ser considerados como um diagnóstico alternativo:

  • Esquizofrenia
  • Transtorno psicótico breve
  • Transtorno bipolar.
  • Depressão
  • Transtorno psicótico induzido por abuso de substâncias.
  • Depressão
  • Transtorno delirante
  • Transtorno de estresse pós-traumático.
  • Lesão cerebral

Tratamento

Para o tratamento do transtorno esquizofreniforme, são consideradas terapia farmacológica, psicoterapia e outras intervenções educacionais.

-Drogas / medicamentos

As drogas são o tratamento mais comum, porque podem reduzir a gravidade dos sintomas em um curto período de tempo.

Normalmente, os mesmos medicamentos são usados ​​como na esquizofrenia. Se um medicamento não tem efeito, outros geralmente são testados, adicione estabilizadores de humor, como lítio ou anticonvulsivantes, ou mude para os antipsicóticos convencionais.

Relacionado:  Síndrome de Koro: sintomas, causas, tratamentos

Antipsicóticos atípicos

Esses medicamentos de segunda geração são geralmente preferidos porque têm um risco menor de desenvolver efeitos colaterais do que os antipsicóticos convencionais.

Em geral, o objetivo do tratamento antipsicótico é controlar efetivamente os sintomas com a dose mínima possível.

Incluir:

  • Aripiprazol
  • Asenapina
  • Clozapina
  • Iloperidona
  • Lurasidona
  • Olanzapina
  • Paliperidona
  • Quetiapina
  • Risperidona
  • Ziprasidona

Antipsicóticos atípicos podem ter efeitos colaterais, como:

  • Perda de motivação
  • Sonolência
  • Nervosismo
  • Ganho de peso
  • Disfunções sexuais

Antipsicóticos convencionais

Essa primeira geração de drogas antipsicóticas tem efeitos colaterais frequentes, incluindo a possibilidade de desenvolver discinesia (movimentos anormais e voluntários).

Incluir:

  • Clorpromazina
  • Flufenazina
  • Haloperidol
  • Perphenazine

O tratamento pode ocorrer em pacientes hospitalizados, não hospitalizados ou semi-hospitalizados.O principal é minimizar as consequências psicossociais do distúrbio no paciente e manter sua segurança e a dos outros.

Para considerar se a hospitalização é necessária, a gravidade dos sintomas deve ser levada em consideração, se houver apoio da família e se o paciente estiver disposto a cumprir o tratamento.

À medida que o tratamento avança, o treinamento em estratégias de enfrentamento, resolução de problemas, psicoeducação e terapia ocupacional tem bons efeitos.

Como as pessoas com esse distúrbio apresentam um rápido início de sintomas, elas geralmente negam sua doença, o que dificulta o uso de terapias orientadas para o insight.

Terapias como psicoterapia interpessoal ou terapia cognitivo-comportamental são mais adequadas para o tratamento com medicamentos.

A terapia de grupo não é recomendada porque as pessoas com esse distúrbio podem sentir estresse ou ansiedade ao observar pessoas com sintomas mais graves.

Consequências na saúde mental

Esse distúrbio pode ter as seguintes consequências na saúde mental:

  • Funcionamento social : se não tratado, pode desenvolver sintomas esquizóides ou paranóicos que interferem no funcionamento da sociedade.
  • Emprego e economia : muitas pessoas com esse distúrbio estão desempregadas e carecem de metas ou propósitos. Eles costumam dormir excessivamente e não seguem uma rotina.
  • Esquizofrenia : se não tratada, pode evoluir para esquizofrenia.
  • Confiança : se não tratada, algumas pessoas podem ficar paranóicas.
  • Isolamento social : algumas pessoas podem se isolar e parar de participar de atividades familiares e sociais.
  • Independência : se não tratada, algumas pessoas podem ter dificuldade em viver sozinhas ou cuidar de si mesmas.
  • Habilidades cognitivas : podem ter dificuldade em se concentrar, lembrar-se de coisas, resolver problemas, motivar-se ou se divertir. Isso torna mais complicado manter empregos, estabelecer relacionamentos pessoais ou controlar a vida cotidiana.

Referências

  1. Associação Americana de Psiquiatria (2000) Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais, (4ª ed., Revisão de texto). Washington, DC: Associação Americana de Psiquiatria.
  2. Troisi A, Pasini A, Bersani G, Di Mauro M, Ciani N (maio de 1991). «Sintomas negativos e comportamento visual nos subtipos prognósticos do DSM-III-R do transtorno esquizofreniforme». Acta Psychiatr Scand 83 (5): 391–4.

Deixe um comentário