17 Atividades para crianças com dislexia

A dislexia é um transtorno de aprendizagem que pode afetar a capacidade de uma criança de ler, escrever e soletrar corretamente. Para ajudar a criança a desenvolver suas habilidades de leitura e escrita, é importante implementar atividades que estimulem o seu processo de aprendizagem. Neste artigo, apresentaremos 17 atividades específicas para crianças com dislexia, que visam melhorar sua compreensão, fluência e precisão na leitura e na escrita. Estas atividades são projetadas para serem divertidas e envolventes, ajudando a criança a superar os desafios que a dislexia pode apresentar.

Atividades adequadas para alunos com dislexia: estratégias para desenvolver habilidades de leitura e escrita.

Para alunos com dislexia, é importante utilizar estratégias específicas para ajudar no desenvolvimento de habilidades de leitura e escrita. Aqui estão 17 atividades que podem ser úteis para crianças com dislexia:

1. Leitura em voz alta: Incentivar a criança a ler em voz alta pode ajudar a melhorar sua fluência e compreensão da leitura.

2. Jogos de palavras: Jogos como caça-palavras, palavras cruzadas e jogo da forca podem ser divertidos e ao mesmo tempo ajudar a criança a reconhecer e memorizar palavras.

3. Uso de cores: Utilizar cores diferentes para destacar palavras-chave ou partes do texto pode facilitar a compreensão e memorização.

4. Gravação de áudio: Permitir que a criança grave a leitura de um texto e depois ouça pode ser uma forma eficaz de praticar a pronúncia e a fluência.

5. Ditado de palavras: Fazer ditados de palavras para a criança escrever pode ajudar a melhorar a ortografia e a memória visual das palavras.

6. Leitura de imagens: Incentivar a criança a descrever o que está acontecendo em uma imagem pode ajudar a desenvolver habilidades de compreensão e expressão oral.

7. Quebra-cabeças de letras: Montar quebra-cabeças com letras pode ser uma forma divertida de praticar o reconhecimento das letras e a formação de palavras.

8. Escrita criativa: Estimular a criança a escrever histórias ou poemas pode ajudar a desenvolver a criatividade e a expressão escrita.

9. Uso de recursos tecnológicos: Aplicativos e softwares específicos para dislexia podem ser úteis para auxiliar no desenvolvimento de habilidades de leitura e escrita.

10. Leitura em dupla: Ler em dupla com um colega ou adulto pode ajudar a criança a praticar a leitura em um ambiente de apoio e encorajamento.

11. Cartões de memória: Criar cartões de memória com palavras-chave e suas definições pode auxiliar no desenvolvimento do vocabulário e da memória.

12. Leitura de textos curtos: Começar com textos curtos e progressivamente aumentar a complexidade pode ajudar a criança a ganhar confiança e melhorar suas habilidades de leitura.

13. Escrita com grafia correta: Incentivar a criança a escrever com grafia correta e revisar o texto juntos pode ajudar a melhorar a ortografia e a atenção aos detalhes.

14. Atividades de associação: Criar atividades que envolvem associar palavras com imagens ou significados pode ajudar a criança a desenvolver a compreensão e a memória das palavras.

15. Teatro e dramatização: Estimular a criança a participar de atividades teatrais pode ser uma forma divertida de praticar a leitura em voz alta e a expressão corporal.

16. Atividades sensoriais: Utilizar materiais sensoriais, como letras de textura diferente ou massinha de modelar, pode ajudar a criança a desenvolver a sensibilidade tátil e a memória muscular das letras.

17. Feedback positivo: Fornecer feedback positivo e encorajador durante as atividades pode ajudar a criança a manter a motivação e a confiança em suas habilidades de leitura e escrita.

Com a utilização dessas atividades adequadas para alunos com dislexia, é possível auxiliar no desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita, promovendo assim o sucesso acadêmico e a autoestima das crianças com dislexia.

Estratégias adequadas para promover o aprendizado de alunos com dislexia.

Para promover o aprendizado de alunos com dislexia, é importante implementar estratégias adequadas que levem em consideração as dificuldades específicas que esses estudantes enfrentam. Aqui estão algumas atividades que podem ser úteis:

1. Utilize materiais visuais: A dislexia está relacionada a dificuldades na decodificação de palavras, então utilizar materiais visuais como figuras, gráficos e diagramas pode ajudar a facilitar o entendimento do conteúdo.

2. Ofereça feedback constante: É importante fornecer feedback regular e construtivo para que o aluno possa corrigir seus erros e melhorar seu desempenho acadêmico.

3. Encoraje a leitura em voz alta: Ler em voz alta pode ajudar os alunos com dislexia a melhorar sua fluência e compreensão de textos.

4. Divida as tarefas em etapas: Dividir as tarefas em etapas menores pode facilitar a realização das atividades e evitar a sobrecarga cognitiva.

5. Utilize jogos educativos: Jogos que estimulem a memória, atenção e habilidades de leitura e escrita podem ser uma forma divertida e eficaz de promover o aprendizado.

6. Incentive a prática da escrita: Estimular a prática da escrita pode ajudar os alunos com dislexia a melhorar sua ortografia e gramática.

7. Proporcione um ambiente de aprendizado positivo: Criar um ambiente de aprendizado acolhedor e encorajador pode ajudar a aumentar a autoconfiança e motivação dos alunos.

Implementar essas atividades e estratégias de forma consistente e adaptada às necessidades individuais de cada aluno com dislexia pode contribuir significativamente para o seu desenvolvimento acadêmico e emocional.

Maneiras de ajudar crianças com dislexia a superar desafios na aprendizagem da leitura.

Para crianças com dislexia, a aprendizagem da leitura pode ser um desafio, mas existem maneiras de ajudá-las a superar essas dificuldades. Aqui estão 17 atividades que podem auxiliar no desenvolvimento das habilidades de leitura dessas crianças.

1. Utilize materiais visuais e táteis para reforçar a aprendizagem. Por exemplo, use letras magnéticas ou blocos de construção para formar palavras.

2. Pratique a leitura em voz alta com a criança, alternando entre você e ela. Isso ajuda a melhorar a fluência e a compreensão da leitura.

Relacionado:  Como incentivar a leitura em crianças e adolescentes: 11 estratégias

3. Explore diferentes estilos de aprendizagem, como visual, auditivo e cinestésico, para descobrir qual funciona melhor para a criança.

4. Incentive a criança a criar histórias e desenhos relacionados às palavras que está aprendendo, para tornar a leitura mais significativa e envolvente.

5. Use jogos educativos e aplicativos que estimulem a prática da leitura de forma lúdica e interativa.

6. Divida as atividades de leitura em partes menores e mais gerenciáveis, para evitar sobrecarregar a criança.

7. Faça pausas frequentes durante a leitura para discutir o texto e garantir que a criança esteja compreendendo o que está lendo.

8. Ofereça reforço positivo e encorajamento constante para manter a motivação da criança em aprender a ler.

9. Trabalhe em parceria com os professores e outros profissionais da educação para criar um plano de intervenção personalizado para a criança.

10. Explore diferentes estratégias de ensino, como a fonética, a memorização visual e a compreensão de contexto, para encontrar a que melhor se adapta às necessidades da criança.

11. Promova a leitura em diferentes contextos, como em casa, na escola e na comunidade, para incentivar a prática constante da habilidade de leitura.

12. Estabeleça metas claras e alcançáveis para a criança, para que ela possa acompanhar o seu progresso e se sentir motivada a continuar aprendendo.

13. Crie um ambiente de aprendizagem positivo e acolhedor, onde a criança se sinta segura e confiante para explorar novas habilidades de leitura.

14. Incentive a criança a ler em voz alta para um público, como familiares ou colegas de classe, para praticar a fluência e a expressão ao ler.

15. Utilize recursos de tecnologia assistiva, como softwares de leitura em voz alta e dicionários eletrônicos, para ajudar a criança a superar desafios na leitura.

16. Ofereça suporte emocional à criança, reconhecendo seus esforços e celebrando suas conquistas, por menores que sejam.

17. Nunca desista da criança e lembre-se de que cada criança é única e pode precisar de abordagens diferentes para superar desafios na aprendizagem da leitura.

Ao implementar essas atividades e estratégias, é possível ajudar crianças com dislexia a superar os desafios na aprendizagem da leitura e a desenvolver suas habilidades de forma mais eficaz e prazerosa.

Estratégias para auxiliar alunos com dislexia na aprendizagem em ambiente escolar.

Alunos com dislexia enfrentam desafios na aprendizagem, principalmente em ambiente escolar. É importante que os educadores estejam preparados para auxiliar esses alunos a superarem essas dificuldades. Existem diversas estratégias que podem ser implementadas para ajudar crianças com dislexia a desenvolver suas habilidades de leitura e escrita.

Uma das estratégias mais eficazes é a utilização de atividades que estimulem a memória visual e auditiva. Jogos que envolvam associação de palavras com imagens, por exemplo, podem ajudar a fortalecer a memória visual dos alunos. Além disso, atividades que envolvam a audição, como leitura em voz alta e gravação de áudios, podem ser úteis para estimular a memória auditiva.

Outra estratégia importante é a utilização de recursos tecnológicos. Softwares e aplicativos específicos para dislexia podem ser uma ferramenta valiosa no processo de aprendizagem. Essas ferramentas geralmente oferecem exercícios interativos e jogos educativos que auxiliam no desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita.

É fundamental também que os educadores estejam atentos às necessidades individuais de cada aluno com dislexia. Adaptar o material didático, oferecer suporte extra e incentivar a prática constante são ações que podem fazer toda a diferença no processo de aprendizagem dessas crianças.

Além disso, é importante criar um ambiente escolar acolhedor e inclusivo, onde os alunos se sintam seguros para expressar suas dificuldades e receber o apoio necessário. O estímulo à autoconfiança e à autoestima também são aspectos fundamentais no processo de aprendizagem de crianças com dislexia.

Em resumo, as estratégias para auxiliar alunos com dislexia na aprendizagem em ambiente escolar devem envolver a utilização de atividades que estimulem a memória visual e auditiva, o uso de recursos tecnológicos, a atenção às necessidades individuais de cada aluno e a criação de um ambiente escolar inclusivo e acolhedor. Com o apoio adequado, crianças com dislexia podem superar os desafios e alcançar todo o seu potencial acadêmico.

17 Atividades para crianças com dislexia

Neste artigo, explicarei 17 atividades para crianças com dislexia que ajudarão a superar dificuldades e melhorar o desempenho. A dislexia é um distúrbio de aprendizagem relacionado à alfabetização. Está dentro das dificuldades específicas de aprendizagem (DEA).

Os sujeitos que apresentam essa dificuldade apresentam problemas ao acessar o léxico e podem ter problemas no processamento fonológico, auditivo ou visual.

17 Atividades para crianças com dislexia 1

Uma pessoa com dislexia tem um desenvolvimento cognitivo dentro da normalidade ou pode estar acima da média, e também não sofre de distúrbios sensoriais e acessa a alfabetização regularmente; no entanto, apresentam problemas de acesso ao léxico

17 atividades para crianças com dislexia

1. Conhecimento do próprio corpo

Crianças disléxicas podem ter problemas psicomotores, como no esquema corporal.Trabalhar no esquema corporal envolve trabalhar para que eles conheçam seu próprio corpo e depois o outro.

Qualquer atividade que envolva nomear o próprio corpo pode ajudá-los. Isso pode ser feito em atividades de papel com a silhueta de um menino ou menina para nomear as partes ou mais experimentalmente de seu próprio corpo (no espelho) ou do parceiro.

As noções espaciais do próprio corpo e do outro são trabalhadas. Você pode trabalhar na localização de partes do corpo e também na localização de objetos em relação ao próprio corpo.

Outra idéia para trabalhar o corpo é cortar uma silhueta para que a criança monte o quebra-cabeça para compor todo o corpo humano.

Relacionado:  Heteroavaliação: características, objetivos, vantagens, desvantagens

2. Atividades de orientação espaço-temporal

As crianças com dislexia também têm problemas de orientação espaço-temporal, pelo que devem aprender noções espaciais como de cima para baixo, de frente para trás e noções temporais, como antes e depois da madrugada.

Isso deve ser feito em associação gráfica, mas também dinamicamente.Isso dificulta que as crianças com dislexia localizem as letras e as estruturem no espaço.

Por exemplo, para trabalhar a orientação espacial, você pode pegar objetos diferentes e pedir à criança para colocá-la na frente, atrás, à esquerda, à direita. Você pode trabalhar com seu próprio corpo (coloque sobre a mesa, abaixo, à esquerda).

Você também pode trabalhar em noções de espaço. Um exercício pode ser fazer a imagem de uma criança e vários cães, um de cada lado. Os cachorros olhando na frente e a pessoa no meio. A pessoa pode variar de posição (ele ficará de frente para trás, lateral, lateral).

Uma criança é solicitada a pintar os cães à esquerda da criança de azul e os da direita da criança de verde.

Para trabalhar a orientação temporária, por exemplo, uma atividade que pode ser desenvolvida são os pontos principais. Coloque uma história bagunçada e peça à criança que, através dos desenhos animados, peça a história.

3. Leitura e compreensão de textos e histórias

Outra coisa que pode ser feita é o entendimento de histórias. A partir deles, você pode realizar muitas atividades diferentes.

Ao ler uma história com a criança com dislexia, você pode comentar o que está acontecendo, também pode perguntar a ele o que ele acha que acontecerá a seguir na história ou perguntar-lhe o que aconteceu antes.

Além disso, depois de ler, você pode criar atividades diferentes:

  • Remova as ideias relevantes do texto
  • Realize um final diferente

Você também pode estabelecer histórias curtas e perguntar coisas específicas (que animal sai da história, o que o personagem diz ao amigo, que cor era a casa).

Outra maneira de trabalhar para entender, mesmo que não seja de histórias, é estabelecer imagens de produtos, embalagens de brinquedos, perfumes, qualquer coisa que você possa imaginar, mas que tenha material escrito.

Com isso, por exemplo, com um pacote de cookies (ou sua foto), você pode perguntar quais ingredientes possui, quantos gramas possui, a que marca pertence etc.Você também pode fazer desenhos animados diferentes, onde algumas caixas contêm informações que não correspondem aos quadrinhos.

Você deve perguntar à criança qual é a vinheta que não corresponde à história porque ela não faz sentido. Dessa forma, você deve entender o texto para entendê-lo corretamente.

4. Palavras cruzadas, pesquisas de palavras, jogos de tabuleiro com letras

Para trabalhar a consciência fonológica, qualquer um desses jogos de letras pode nos ajudar.

Podemos criar palavras cruzadas para crianças, pesquisas de palavras ou até jogar jogos no estilo Scrabble para criar palavras, pesquisá-las no texto etc.

5. Atividades de lateralização

Crianças com dislexia também têm problemas motores, lateralidade. Trabalho deve ser feito para identificar dominância lateral.

Você também pode trabalhar a consolidação lateral. Para isso, você pode realizar exercícios de força (levante um cubo com a parte do corpo que deseja prender, segure um livro, uma caixa.

E também atividades de precisão, como aparafusar e desaparafusar porcas, um botão, os cadarços, para proteger as áreas do corpo.

Você pode realizar atividades como: com a mão esquerda, toque o pé direito, fique na frente de um espelho e divida seu corpo em dois com fita isolante, toque com a mão direita apenas a área direita do seu corpo (olhos, bochechas, ombros).

6. Exercícios para soletrar palavras

Podemos trabalhar a ortografia das palavras. Podemos dizer uma palavra e aprender a soletrar (apontando palavras em uma página, pegando uma revista, com placas de rua, o nome de um livro).

É importante trabalhar o som além do nome da letra.

7. Atividades com rimas e enigmas

Atividades de rima são muito benéficas para crianças com autismo. Por exemplo, eles podem ser incentivados a encontrar duas palavras que rimam, para combinar com o nome deles e o de seus amigos ou familiares.

Ou também podemos ajudá-los e incentivá-los a criar enigmas simples.

8. Trabalhe com fonemas

Para trabalhar os fonemas, você pode trabalhar atividades diferentes. Podemos trabalhar a segmentação, substituí-los, omiti-los.

Por exemplo, atividades para trabalhar em como segmentar os fonemas seria pedir à criança para fazer todos os sons de uma palavra, por exemplo, table: table. E assim com palavras diferentes. Enquanto produzimos o som, estamos nomeando a letra.

Você também pode trabalhar a substituição, por isso, solicitamos que você substitua os (e faça o som do ssss) por um som diferente. Por exemplo, em vez de caStillo, você pode dizer caRtillo.

Quanto aos fonemas, também podemos pedir que você pule. Portanto, se pedirmos que você faça isso com a letra S, em vez de caStillo, será indicado ca-tillo.

Para trabalhar os fonemas, também podemos pedir que você encontre o som igual ao encontrado em palavras diferentes. Por exemplo, em casa e na escola ou na água e na pesca.

9. Trabalhar com segmentação de sílabas

É importante trabalhar sílabas com crianças com dislexia para trabalhar a consciência silábica. Diferentes exercícios podem ser desenvolvidos para isso.

Relacionado:  Anexo seguro: recursos, como construí-lo e exemplo

Você pode trabalhar a segmentação de sílabas, onde trabalhamos com a criança a divisão delas. Por exemplo, pedimos que você não diga quantas sílabas a palavra chocolate possui: cho-co-la-te.

Além disso, também podemos trabalhar na substituição das sílabas por palavras, onde perguntamos à criança como seria uma determinada palavra se mudássemos uma das sílabas.

Por exemplo, dizemos a você, vamos substituir a primeira sílaba da palavra leite. A criança primeiro segmentará a palavra le-che e depois pensará em como substituí-la, por exemplo, te-che.

Com as sílabas, você também pode trabalhar a omissão, pela qual solicitaremos que você omita uma sílaba que marcamos. Para fazer isso, você deve primeiro fazer a segmentação e depois ignorá-la.

Por exemplo, dizemos para você pular a segunda sílaba da palavra garrafa e você precisará nos dizer bo-X-lla.

Também podemos fazer o contrário, colocar palavras onde uma sílaba está faltando e que é ele quem deve completar a palavra procurando por uma que ache significativa.

10. Localização e atividades de identificação

Para trabalhar na recepção visual, decodificação visual, que é a referência à capacidade de entender ou interpretar símbolos (um exemplo são palavras escritas).

Podem ser feitos exemplos onde a criança deve localizar as semelhanças e diferenças entre duas palavras, por exemplo, descobrir onde está a diferença.

Outros exercícios que podem ser executados para trabalhar a recepção visual e que são adequados quando o problema está nessa área podem ser identificar objetos que associam o som das letras, cores, números, formas geométricas.

E essas atividades podem ser realizadas tanto em papel quanto em vida.

11. Significados e sinônimos em leitura

Você também pode trabalhar sinônimos após a leitura. Você pode estabelecer um texto com algumas palavras sublinhadas e perguntar à criança o que a palavra significa.

Isso permitirá que você aprofunde seu entendimento, para poder explicar com suas palavras o significado do conceito e procurar sinônimos ou antônimos para entendê-lo melhor.

12. Palavras inventadas ou frases absurdas

Outra atividade divertida que pode ser realizada com crianças com dislexia são as palavras inventadas.

Trata-se de criar colunas de pares de palavras, por exemplo: casa / sasa, leão / theon, caramol / caracol. E peça à criança que escolha qual das duas palavras é inventada.

Para trabalhar, a recepção auditiva também pode realizar atividades para identificar frases absurdas.

13. Jogue para ver com as palavras

É sobre jogar o tradicional jogo Veo-Veo. Podemos trabalhar no início das palavras uma palavra que comece com A, mas também através de sílabas, como indicar à criança uma palavra que comece com sal – ou uma palavra que comece com mu-.

Você também pode trabalhar com a última sílaba, por exemplo, uma palavra que termina em che (carro).

Você também pode trabalhar sem o Veo-Veo, para que, embora não esteja presente ao seu redor, você possa apresentar sílabas diferentes e é a criança que inventa palavras diferentes que podem começar (ou terminar assim).

Por exemplo, propomos sal- e ele pode completá-lo com todas as palavras em que consegue pensar: pular, salmão, pular. Ou vice-versa, terminando em -te: tomate, chocolate.

14. Classificar sílabas

Os exercícios para ordenar sílabas consistem em apresentar à criança palavras desdobradas por sílabas: te-to-ma, por exemplo, sendo a criança que deve colocar a palavra correta de lado.

Podemos então indicar que você cria uma frase em que a palavra mencionada está incluída.

Uma alternativa seria dar o piso com o buraco para ele completar.

15. Trabalhe em cadeias de palavras

Outro exercício é o jogo da cadeia de palavras. Para fazer isso, começaremos com uma palavra, por exemplo, tomate e a criança com dislexia devem dizer outra palavra que termine com a última sílaba, por exemplo, telefone, e a próxima continuação do telefone com outra palavra, por exemplo: nota, calcanhar Sapato Longaniza.

16. Reconhecimento de formas corretas de palavras

Outra atividade que pode ser realizada, embora também dependa da idade da criança, é reconhecer a maneira correta de palavras e frases.

Isso implica saber diferenciar o singular do plural, o tempo, o masculino e o feminino, os adjetivos, os sufixos.

As atividades podem ser adaptadas ao nível da criança. Podemos estabelecer uma lista de palavras para nos dizer se são palavras femininas ou masculinas; podemos estabelecer os sinônimos e dizer a ele para nos dizer como seria no plural etc.

17. Trabalho por campo semântico

Para trabalhar a expressão verbal, que permite à criança comunicar suas idéias, devemos fortalecer as descrições verbais, oferecer sugestões visuais e verbais para estimulá-la.

Para fazer isso, além das descrições que implicam sua experiência, podemos ajudá-los na classificação de objetos por campos semânticos.

Assim, podemos fazer cartões por campos semânticos: a praia, a escola, por exemplo, e adicionar todas as palavras que nos ocorrem em cada campo semântico.

Em seguida, podemos misturá-los com outros cartões que não pertencem a esses campos semânticos, para que seja a criança que os classifique.

E que outras atividades para crianças com dislexia você conhece?

Referências

  1. Ministério da Educação Manual de assistência ao aluno com necessidades específicas de suporte educacional derivadas de dificuldades específicas de aprendizado: dislexia.
  2. Iglesias, MT Alunos com dislexia: estratégias para educadores.
  3. Site da Associação de Dislexia e Família. Extraído de: http://www.disfam.org/dislexia/.
  4. Site de atividades para trabalhar na Dislexia PTYAL.
  5. Rivas, RM e Fernández, P. (2000). Dislexia, disortografia e disgrafia. Pirâmide, coleção de olhos solares.

Deixe um comentário