Apego à esquiva: características em crianças e adultos, desenvolvimento

A esquiva é um dos quatro tipos de apego descritas por John Bowlby e Mary Ainsworth. É um padrão de relacionamento que se forma durante os primeiros anos da vida de uma pessoa e que geralmente é mantido mesmo durante a vida adulta. Estima-se que aproximadamente 10% da população possua esse estilo relacional.

O apego à esquiva é caracterizado pela incapacidade de expressar os sentimentos, bem como pela falta de compreensão deles em muitos casos. Pessoas com esse padrão relacional têm muitas dificuldades em formar relacionamentos significativos com os outros. Além disso, eles geralmente valorizam sua independência acima de tudo.

Apego à esquiva: características em crianças e adultos, desenvolvimento 1

No entanto, essa busca pela independência geralmente responde à falta de auto-estima por parte do indivíduo. Assim, ele sente que não é digno de amor ou carinho por parte do resto e, portanto, evita confiar em outras pessoas. Geralmente, ele acredita que somente dessa maneira ele pode evitar o sofrimento quando os outros o deixam ou o desapontam.

O vínculo esquivo é formado com base em uma relação muito específica entre a criança e seu cuidador primário durante os dois primeiros anos de vida; Mas pesquisas mostram que ela tende a ser mantida ao longo dos anos. Mesmo assim, às vezes é possível alterá-lo com esforço e perseverança suficientes.

Caracteristicas

Crianças e adultos, pessoas com um estilo de apego a esquiva são incapazes de confiar nos outros. Por causa de suas primeiras experiências, eles acreditam que o resto dos indivíduos tentará tirar proveito deles; e sentem que se abrir para os outros é o caminho mais rápido para o sofrimento e o sofrimento emocional.

Assim, aqueles que apresentam um valor de estilo esquivo tendem a valorizar sua independência acima de tudo. No entanto, longe de ser um reflexo de uma personalidade saudável, geralmente oculta uma significativa falta de auto-estima. Esse problema leva esses indivíduos a acreditar que não são dignos de cuidados ou cuidados.

Pessoas com apego à evitação aprenderam que mostrar suas necessidades ou sentimentos a outras pessoas não funciona.

Assim, eles se aproximam diretamente da possibilidade de se conectar com os outros e buscam maneiras alternativas de conseguir o que precisam. Muitas vezes, isso os leva a desenvolver problemas e vícios de todos os tipos.

Evitando apego em crianças

Apego à esquiva: características em crianças e adultos, desenvolvimento 2

Fonte: pixabay.com

As conseqüências de se ter um estilo de apego esquivo podem ser vistas mesmo em crianças muito pequenas. Antes dos dois anos de idade, as crianças que desenvolvem esse modo de se relacionar se comportam como “pequenos adultos”. A principal estratégia deles não é mostrar emoções ou necessidades quando estão com outras pessoas.

Assim, por exemplo, nos experimentos de Ainsworth, as crianças com apego à evasão eram indiferentes quando seus pais se afastavam delas; e eles não expressaram alegria quando voltaram.

Além disso, muitas vezes eram tão sociais com estranhos quanto com seus próprios cuidadores, algo muito raro nos outros estilos de apego.

Em casos mais extremos, as crianças até evitavam o contato com os pais, embora o fizessem sem demonstrar raiva ou outras emoções negativas. No entanto, quando foram feitas medidas objetivas de seu estado interno, descobriu-se que as crianças realmente se sentiam desconfortáveis.

Assim, por exemplo, sua frequência cardíaca e a condutividade de sua pele eram muito mais altas que o normal, tanto quando seus cuidadores se afastavam quanto quando voltavam.

Ambos os fatores são sintomas de que as crianças realmente se sentiam mal, mas estavam escondendo suas emoções para evitar consequências negativas de seus pais.

Evitando apego em adultos

Apego à esquiva: características em crianças e adultos, desenvolvimento 3

As pessoas que formam um estilo de apego evitado durante a infância também tendem a mantê-lo durante toda a vida adulta. Porque, quando crianças, aprenderam a se desconectar de suas próprias necessidades e a minimizar a importância de suas emoções, geralmente evitam criar relacionamentos íntimos demais com alguém.

Abaixo, veremos algumas das consequências mais importantes do estilo esquivo na vida adulta.

Auto-estima

Como já vimos, o estilo de evitar é formado quando as necessidades de uma criança não são atendidas por seus cuidadores primários.

Assim, a criança adquire a crença de que seus próprios sentimentos não são importantes. Como conseqüência, ele tende a reprimi-los e encontrar maneiras de conseguir o que quer sem depender de mais ninguém.

Durante a vida adulta, essas crenças são mantidas. O efeito mais comum é a tendência dessas pessoas de se verem superiores às outras e de ter atitudes negativas e cínicas em relação ao resto.

No entanto, essa auto-estima aparentemente alta geralmente esconde sentimentos de inferioridade e vulnerabilidade.

Assim, pessoas com apego esquivo reagem especialmente mal a críticas, rejeições e situações semelhantes. Em geral, eles desenvolvem um padrão de personalidade levemente narcísico, usado para esconder baixa auto-estima.

Relacionamentos íntimos

Os relacionamentos íntimos geralmente são uma grande fonte de problemas para as pessoas com um estilo de apego evitado. Por um lado, eles sentem a necessidade de se conectar com outros indivíduos e formar relacionamentos íntimos. Ao mesmo tempo, porém, eles acreditam que isso só lhes causará sofrimento a longo prazo.

Por esse motivo, esses indivíduos tendem a não se mostrar completamente como estão quando estão em um relacionamento romântico. Pelo contrário, eles agirão tentando manter o controle da situação, sempre tentando ter mais poder do que seu parceiro na interação.

Muitas vezes, as pessoas com apego a evitar preferem ter relações puramente sexuais, pois não as forçam a serem emocionalmente vulneráveis.

Quando eles finalmente formam um vínculo romântico, se sentem sobrecarregados com muita facilidade e culpam o parceiro por pedir demais ou tentar controlá-los excessivamente.

Devido a seus próprios problemas, esses indivíduos têm muitas dificuldades para se colocar no lugar de seus parceiros. Como conseqüência, elas geralmente agem de maneiras que podem parecer cruéis ou empáticas e se concentram principalmente em atender às próprias necessidades.

Ruptura

Geralmente, um dos maiores medos das pessoas com apego a evitar é ser rejeitado por alguém que se importa. Por isso, a ruptura de um relacionamento romântico é um dos cenários mais dolorosos para esses indivíduos e um dos esforços mais utilizados para evitar.

Para conseguir isso, as pessoas com esse estilo relacional se afastam de seus parceiros quando detectam que perderam algum interesse por eles. No entanto, como eles estão sempre procurando sinais de rejeição, é muito comum sabotar seus relacionamentos românticos sem perceber.

Assim, esses indivíduos geralmente agirão indiferentemente em relação ao parceiro com o menor sintoma de problemas, enquanto idealizam relacionamentos passados.

Também é frequente que eles decidam terminar com a outra pessoa, mas se arrependem quando estão sozinhos e retornam à interação, isso gera relacionamentos tóxicos.

Quando seus relacionamentos realmente terminam, essas pessoas não buscam apoio dos outros, mas escondem suas emoções, geralmente até para si mesmas. Por esse motivo, eles não conseguem processar o luto adequadamente e geralmente experimentam todos os tipos de problemas de longo prazo.

Desenvolvimento do apego a evitar

Os pais de crianças com um estilo de apego esquivo tendem a não estar emocionalmente disponíveis para lidar com eles. Portanto, eles não respondem às tentativas de chamar sua atenção e são incapazes de lidar com as necessidades corretamente. Em muitos casos, eles podem ser rejeitados quando mostram qualquer sinal de fraqueza, como se chorassem.

Em resposta a essa circunstância, a criança com apego esquivo aprende desde cedo a suprimir seus desejos naturais de procurar seus pais quando estão assustados, tristes ou chateados. Logo, eles associam suas tentativas de se abrir aos outros com rejeição, dor ou punição.

Além disso, eles também descobrem que, escondendo suas emoções, podem pelo menos satisfazer uma de suas necessidades básicas: a de permanecerem fisicamente próximos dos pais.

Por isso, eles geralmente evitam expressar seus sentimentos; e frequentemente desenvolvem mecanismos de defesa que os impedem de realizá-los.

Por outro lado, muitas dessas crianças aprendem a cuidar de si mesmas desde muito cedo. Geralmente, eles desenvolvem a crença de que podem fazer tudo sem depender de mais ninguém; e, como resultado, a ideia de criar uma conexão com outras pessoas geralmente parece muito pouco atraente.

Você tem tratamento?

Várias investigações provaram que, na grande maioria dos casos, as pessoas mantêm ao longo de nossas vidas o estilo de apego que adquirimos quando crianças.

No entanto, também é sabido que, com esforço e um plano de ação adequado, é possível converter o anexo de prevenção em um mais seguro.

Considera-se geralmente que existem duas maneiras de alcançá-lo: por terapia psicológica ou por manter um relacionamento com alguém que já possui apego seguro. No entanto, ambos os processos exigem tempo e geralmente são um desafio muito importante.

Por outro lado, também é possível gerar links de anexo seguros usando estratégias de desenvolvimento pessoal. De qualquer forma, mudar o estilo de evitação para alcançar relacionamentos mais satisfatórios é um processo que, apesar de muito complicado, vale a pena ser realizado com frequência.

Referências

  1. “Anexo Evitativo: Entendendo o Anexo Evitativo Inseguro” em: PsychAlive. Retirado em: 07 de janeiro de 2019 de PsychAlive: psychalive.org.
  2. “Algumas pessoas não podem se comprometer com relacionamentos porque têm um estilo de apego ‘evitativo’ – eis o que isso significa” em: Business Insider. Recuperado em: 07 de janeiro de 2019 de Business Insider: businessinsider.com.
  3. “10 sinais de que seu parceiro tem um estilo de anexo evitável e como lidar com eles” em: Life Advancer. Retirado em: 07 de janeiro de 2019 de Life Advancer: lifeadvancer.com.
  4. “5 sinais de que seu filho tem um estilo de apego evitável (e como corrigi-lo!)” In: Marie France Asia. Retirado em: 07 de janeiro de 2019 de Marie France Asia: mariefranceasia.com.
  5. “6 sinais de que seu filho tem o estilo de apego evitável” em: Romper. Retirado em: 07 de janeiro de 2019 de Romper: break.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies